Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A imprensa e as citações

por Manuel_AR, em 07.01.13

Hoje fico-me apenas por algumas citações.




 


Miguel Sousa Tavares   



 


E agora, O Banif


Jornal Expresso




"... se o Tribunal Constitucional concordar com o Presidente, o Governo não sabe onde ir buscar €1500 milhões que passarão a estar em falta, mas soube onde ir buscar os €1700 milhões que deu e emprestou à banca privada."


 


 


O comentário de um leitor sobre o artigo no Expresso online:




É sabido por todos que esta intervenção é efectuada no âmbito do fundo de capitalização da banca (12 Mil Milhões), previsto no programa de assistência financeira celebrado pelo Estado Português e com a famigerada Troika. Trata-se do tal fundo de capitalização que os media tanto criticaram por tardar e, agora que aparece, se arranja outro assunto para retorquir. 

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/e-agora-o-banif=f777371#ixzz2HIlxQhab




O meu comentário:




Acho que Sousa Tavares sabe muito bem isto. Mas, o que eu sublinho é o de facto de nunca haver dinheiro para a Saúde, para a Educação e para outras despesas sociais do Estado e, por isso, há que aumentar impostos e reduzir a despesa social. Mas, quando se trata de outos fins aparece o dinheiro  venha ele de onde vier. 






Filomena Mónica





A repartição dos sacrifícios


Jornal Expresso




"Devo dizer que nada tenho contra os ricos e ainda menos contra os indivíduos que correm riscos ao fundar empresas num país politicamente instável, mas que tenho muito contra o chamado tráfico de influências." Por mais que me queiram convencer que foi o mercado a ditar o actual salário do dr. Catroga, não aceito a tese. 


Com ou sem chineses, a empresa para que foi contratado, a EDP, só me tem dado maçadas, revelando, o que é dizer muito, um nível de incompetência maior do que a PT. Segundo o “Correio da Manhã”, no passado ano, o dr. Catroga, alguém próximo de Cavaco Silva, auferiu, como presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, 45 mil euros brutos por mês, a que temos de juntar 9600 euros de reforma. Admitindo, como o próprio anunciou, que pagará metade em impostos, leva todos os meses para casa, 27 mil euros, por um cargo não-executivo. No primeiro semestre de 2012, período para o qual existem dados, teve de presidir a cinco reuniões, ou seja, a menos de uma por mês. Não se pode dizer que seja extenuante. 




 


O meu comentário:




Estes são apenas algumas das muitas situações de como se faz a transferência de riqueza de uns, que ficam mais pobres para outros que passam a ficar cada vez mais ricos. Depois lá está a maioria dos portugueses  a viver acima das suas possibilidades.




Contudo,  




Fortunas cresceram 13 por cento em Portugal no ano da austeridade


 


"As grandes fortunas em Portugal assinalam um aumento de 13 por cento, entre 2011 e 2012, de acordo com um estudo realizado pelo Dinheiro Vivo. O património da família Soares dos Santos foi o que mais subiu: cerca de 714 milhões de euros, no ano passado. Os milionários estiveram imunes à austeridade.".




Ler mais:


http://www.dinheirovivo.pt/Graficos/Detalhe/CIECO090051.html


http://www.ptjornal.com/2013010613156/geral/economia/estudo-fortunas-cresceram-13-por-cento-em-portugal-no-ano-da-austeridade.html





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:45


 


 


Segundo alguns analistas políticos este governo está a implementar reformas estruturais que, segundo eles, serão no futuro para bem de todos. A intenção de todos aceitarem e concordarem com as reformas necessárias está longe de ser unânime ou, pelo menos, pela maioria dos portugueses.


É certo que existe uma grave crise financeira que vem de longe, que foi acrescida pela crise internacional. Os portugueses estiveram sempre dispostos noutras ocasiões de crise, de que os mais jovens não se recordam, a fazer sacrifícios e, com certeza, continuam sempre que necessário dispostos a fazê-los. Todavia há algo que faltou no último do governo de Sócrates e falta ainda mais a este governo e a Passos Coelho, que é a capacidade para a mobilização das pessoas e para saber fomentar e gerir a coesão social.


Bem pelo contrário, o que se tem verificado é que todas as medidas avulsas convergem cada vez mais para fraturas sociais. Quando se fala de justiça social cada um interpreta-a à sua maneira. Uns dizem que deviam ser todos iguais a pagar a crise, outros que os ricos é que devem pagar a crise, há aqueles que alegam que os funcionários públicos, os reformados e pensionistas é que devem contribuir, os que afirmam que o problema está nos subsídios à população necessitada e na saúde dos idosos, que são cada vez mais, há ainda quem diga que os políticos e os administradores deveriam ganhar menos, que os privados têm menos regalias que o público, etc.. Não vale a pena alargarmos o leque destas posições porque isso seria infindável e fastidioso.


O que se pode avaliar a partir destes comentários provenientes dos mais diversos quadrantes, mesmo do governo, é que se fomenta uma quebra da solidariedade social que põe em causa o objetivo comum de sair da crise, sem coletivismos, igualitarismos, misarabilismos e populismos que defendem que os governantes deviam de andar de motoreta ou de transportes públicos. Atitudes como as que no início foram tomadas pelos governo, apenas servem para passar uma mensagem de exemplo, mas nada mais do que isso. Quanto a tudo o resto trata-se apenas da falta de sensibilidade social e de uma ausência de equidade alargada que permita, em tempo de crise, uma partilha mais equitativa dos sacríficios de modo a que os portugueses sintam que todos, sem quaisquer excepções, estão a contribuir para a ultrapassar. Veja-se, por exemplo, o caso dos países europeus no pós-guerra que conseguiram uma mobilização geral das populações para a sua reconstrução, não apenas com palavras vãs de esperança, mas sim com ações e com a repartição dos sacríficos por todos.


Ao contrário, o que se está a passar em Portugal aqui e agora é ouvir discurso e palavras que, gastas de se ouvirem, já não convencem nem mobilizam ninguém.


Para que todos colaborem nas tais reformas estruturais que o governo diz estar a fazer, (só de um lado, diga-se), há que envolver todos, não apenas com discursos.  Será que a direita neste país, eleita pela a maioria dos portugueses, acabou por estar apenas a governar para alguns e que, apenas esses, irão fazer sair Portugal da crise? Duvido! Cá estaremos para ver!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:39


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.