Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Curioso é analisarmos que Joe Biden tomou posse como Presidente dos EUA em 20 de janeiro de 2021. Cerca de um ano e um mês depois de Trump ter saído da cena da presidência Putin invade a Ucrânia. Isto diz-nos alguma coisa.

 

Putin e Trump-capa.png

As circunstâncias criadas pelos atores da política internacional levam-nos por vezes a aventurar-nos em terrenos imprevisíveis da paisagem política em permanente mudança de velocidade e de factos. Ao tentarmos fazer uma interpretação política de factos políticos sem sermos especialistas, vemos que há acontecimentos comprovados que nos levam a estabelecer interpretações e paralelismos por vezes arrojados.

Em política, interpretações e paralelismos não são isentos de ideologias que determinam o contexto do exercício do poder e as abordagens socioeconómicas que fazem parte de ideias e de interesses que ajudam a compreender a criatividade estratégica das ações e, muitas vezes, as obsessões dos atores políticos.

Pode continuar a ler AQUI o artigoA invasão da Ucrânia de Trump a Putin-contributos para uma teoria da conspiração

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:37

Jerónimo e Putin.png

A estratégia que o PCP - Partido Comunista Português tem vindo a seguir após o desaire das eleições, e, mais recentemente, com a invasão da Ucrânia está a desenvolver-se em três frentes.

A primeira frente, a mais recente, é a manutenção da culpabilização da invasão da Ucrânia pelo ocidente tratando o invadido e o ocidente como sendo os agressores. A desculpabilização do agressor é também defendida pelos que, reivindicam um pensamento alternativo, para eles indiscutível, em contraponto ao que eles denominam de pensamento único, que é contra a invasão e que é o errado. Para essa corrente, a Europa, enfeudada aos EUA e à NATO, são os geradores de uma escalada militar belicista.

Pela análise dos argumentos de Vladimir Putin e dos seus seguidores, o ocidente é o meio privilegiado da expansão dos valores negativos da cultura ocidental para a Rússia. É, pois, em nome da autodeterminação dos povos, e não apenas do povo russo, que Vladimir Putin diz prosseguir a sua política externa de forma a romper com os constrangimentos da hegemonia ocidental (ver discursos e intervenções). Ao mesmo tempo insiste em querer preservar a influência de Moscovo no “estrangeiro próximo” que se perdeu com o colapso da URSS (a retórica do PCP está próxima). Todavia a invasão da Ucrânia é demonstrativa da sua contradição por não lhe reconhecer o seu direito à autodeterminação.

A segunda frente do PCP é ideológica e processa-se no âmbito da sua política interna. No partido nada acontece por acaso. O “interior” do partido está rodeado pela discrição onde está enraizada uma ideologia dogmática com certos postulados não sujeitos a crítica e em que é o comité central que faz o ditame do posicionamento ideológico-partidário do momento que obedece a uma liturgia própria. O PCP debate-se, por isso, com o dilema de simultaneamente ter de responder à necessidade de manutenção da sua identidade, cujos valores e princípios são submetidos à ideologia internacionalista do comunismo mais ortodoxo e a vontade do eleitorado que pretende recuperar.

As narrativas produzidas pelo PCP têm vindo a competir com outros discursos existentes no espaço político. Ao longo do tempo, no que se refere a evolução discursiva, desenvolveu algumas alterações na sua terminologia linguística reprimindo algumas expressões e a aceitação de outras pela reformulação de elementos linguísticos que deixaram de ser utilizados na sua antiga formulação com a entrada e a participação do partido no diálogo político que se encetou em Portugal após o estabelecimento do regime democrático, ficando numa espécie de letargia de que tem custado a sair, mas a que parece pretender regressar.

Todavia, ao longo dos anos, ao escutar e ao ler alguns dos discursos dos líderes do PCP tenho verificado que, desde o tempo da URSS e do PCUS (Partido Comunista da União Soviética), até à atualidade, alguns dos pressupostos do PCP mantiveram-se. A NATO continua a ser uma organização agressiva, os EUA capitalistas, imperialistas e agressores e a União Europeia está ao seu mando. Deste modo, faça a Rússia  o que fizer, (leia-se antes Putin), para o PCP estará sempre certa, no pressuposto de que, todos os que considerem como inimigos os de quem sou inimigo, são meus amigos.

Apesar da confusa barracada causada por declarações por figuras do PCP, algumas delas contraditórias, sobre a invasão da Ucrânia por Vladimir Putin que pode ver aqui e aqui, e em que o líder Jerónimo de Sousa tem afirmado que o PCP garante “não ter nada a ver com o governo russo” nem com Putin o certo é que, os seus militantes e adeptos ao colocarem-se do lado contrário de quem está contra Putin colocam-se, indiretamente, do lado do agressor.

No 101º aniversário do PCP Jerónimo de Sousa afirmou ser “uma calúnia” dizer que o partido apoia a invasão da Ucrânia. Apesar da tentativa de se demarcar do regime de Putin, não foi a ele quem mais atacou. Foi aos EUA que mais apontou o dedo. No mesmo comício, em março, a defesa indireta do agressor que é Vladimir Putin deu-se pelo ataque aos que ajudam o agredido, foi o Ocidente, sobretudo aos EUA, que mais responsabilizou. Narrativa que também tem passado pelas redes sociais pelos seus adeptos. Jerónimo de Sousa apontou “todo um caminho de ingerência, violência e confrontação” que diz ter começado no “golpe de Estado de 2014, promovido pelos EUA, que instaurou um poder xenófobo e belicista”, e que provocou “a recente intervenção militar da Rússia na Ucrânia e a intensificação da escalada belicista dos EUA, da NATO e da União Europeia.” Afinal o que é isto senão a lavagem da política de Putin em relação à Ucrânia? Basta agora acrescentarmos o termo “operação militar especial” que Jerónimo já utilizou para se referir à invasão da Ucrânia. A colagem torna-se ainda mais evidente quando não refere Putin como imperialista nem o coloca em causa pelo que deveria ser para o PCP a tradição leninista da autodeterminação dos povos, já que, Putin responsabiliza Lenine pela independência da Ucrânia por ser o seu "autor e criador".

Os argumentos vindos do Kremlin para a invasão da Ucrânia são apontados ao ocidente, sobretudo à U.E., EUA e NATO o que parece terem dado ao PCP um novo alento. Não é por acaso que os seus capangas ideológicos andam pelas redes sociais e blogues a apoiar indiretamente Putin criticando e colocando-se contra o ocidente. Para o PCP a U.E. e a NATO foram e são uns empecilhos ao avanço estratégico da Rússia para ocidente e um bloqueio à progressão dos desígnios de expansão do comunismo na esperança de que um dia a URSS ou algo parecido regressem.

O PCP, embora esteja contra as políticas capitalistas do Kremlin como diz, ao mesmo tempo está em consonância com a sua política externa. A ambição do Kremlin pelo controle da Europa, pelo menos dos países que pertenceram ao Pacto de Varsóvia, é a hegemonia económica e geopolítica que passa também pelo desmembramento da União Europeia e a NATO que tem sido (e sempre foi) uma pedra no sapato de Putin e que também fazem parte de uma das lutas do PCP.

A terceira frente que não é independente das duas anteriores resulta da pesada derrota nas últimas eleições legislativas que está a fazer com que o PCP regresse ao “show de rua” com reivindicações e greves, com palavras de ordem mais do desgastadas e com o costumeiro radicalismo arcaico e ortodoxo.

As palavras de ordem do PCP voltaram a ser as de um populismo de esquerda para captar as massas populares para a sua luta. Palavras de ordem, as mesmas de sempre, como “aumentar os salários”, “valorizar o trabalho”, “desenvolver o país” às quais acrescentam a inflação e o custo de vida que vieram, em boa-hora, ajudar a direita e a extrema-direita a fazer oposição, como já vimos no Parlamento o PSD a defender aumento na função pública quando anteriormente falava no peso do Estado na economia.

Aprovado o OE para 2022 que o PCP votou contra, juntamente com a direita e com a extrema-direita, pela mão dos sindicatos que controla irá tentar instalar uma instabilidade social artificial com greves, paralisações e manifestações. O seu objetivo é fazer uma oposição de ataque cerrado e de desacreditação da maioria absoluta do Governo do Partido Socialista.

As únicas propostas que o PCP apresenta para melhorar o país são o aumento das pensões, dos salários, a fixação de preços contra o grande capital. Fixação de preço que resultaria em faltas nos abastecimentos de produtos básicos essenciais para as populações, sobretudo as urbanas, em filas para a compra de produtos essenciais como se verificava na ex-URSS da chamada economia planificada do regime comunista.

A economia da URSS era tão planificada que, depois da sua dissolução as privatizações de grandes empresas foram parar à mãos de quadros, antes fiéis do PCUS-Partido Comunista da URSS e “gestores” dessas mesmas empresas do Estado, que são atualmente os grandes oligarcas da Federação Russa e cuja maioria ainda está do lado de Putin.

Ainda no sentido desta terceira frente e aproveitando a atual conjuntura internacional devido à invasão da Ucrânia seguida do pedido de adesão à U.E., o PCP luta com as armas desestabilizadoras que tem ao seu dispor para dar apoio, mal disfarçado, à política de Vladimir Putin. Esta posição é coerente com a nota do gabinete de imprensa do PCP de 22 de fevereiro deste ano.

Há ainda a salientar a despropositada conferência que o PCP organizou no ISCTE na passada terça-feira, em Lisboa, para analisar as “consequências do uso do euro para o país se este rumo se mantiver” e as “possibilidades para concretizar uma rutura”. Parece-me que Putin terá ficado agradecido, assim como o PCFR.

O PCP faz um balanço negativo da adesão ao euro e destes 20 anos em que a moeda esteve a circular baseia-se na perda de soberania sobre a sua política monetária, cambial e orçamental; nos períodos de recessão ou estagnação económica, tornou-se mais endividado e dependente, perdeu capacidade produtiva, e não convergiu com a média da União Europeia. “Temos o dever de perguntar: como serão os próximos 20 anos? Vamos resignar-nos a este cenário?” questiona o PCP. Os argumentos parecem ser idênticos aos da extrema-direita quando está contra a U.E.

Os comunistas realçaram na conferência, organizada pelos eurodeputados do PCP, que “A permanência no euro já é suficientemente longa para se tirar conclusões independentes das conjunturas e dos governos. Este é o tempo de recordar a propaganda e as promessas então feitas e de as conformar com os impactos reais da adesão. Mas é sobretudo o tempo de pensarmos o presente e o futuro. Este debate assume recusar inevitabilidades”.

A proposta e a estratégia do PCP ao adotar uma estratégia anacrónica para criticar a presença de Portugal no Euro vai no sentido de que Portugal fique novamente “orgulhosamente só”, tal como proferiu Salazar num discurso em 1965 quando o mundo se opunha à manutenção do colonialismo. É lamentável que após 57 anos, embora num contexto distinto, mas igualmente severo, o PCP esteja a querer encaminhar Portugal para o desastre.

A discussão veio facilitar a abertura do tema que está no alinhamento com Putin ao aperceber-se de uma Europa Unida pelo que há que estilhaçar esta perigosa união. Não nos admiremos se a extrema-direita vier também a alinhar com a ladainha comunista sobre a U.E. Temos visto nos últimos anos como a extrema-direita na Europa tem trazido para a discussão populista a verborreia contra a União Europeia.

Enquanto continua a haver países de leste, nomeadamente a Moldávia, que pretendem entrar para a U.E. e para a NATO/OTAN e para zona Euro, coisa que o presidente Vladimir Putin vê como um cerco à Rússia, e o Reino Unido acha que terá sido um erro a sua saída da U.E. o PCP continua a propor a saída de Portugal do Euro. Não é novidade, a sua coerência reside no facto de ter estado sempre contra a entrada de Portugal para a U.E. e para a zona Euro que, para aquele partido, é uma organização “defensora do grande capital”. Aliás, em 2016, o PCP defendia “derrotar a União Europeia, criar ‘outra Europa’ dos trabalhadores”. Qual? A da ex-URSS?

De facto, parece-me estranho que o PCP nas atuais circunstâncias esteja novamente a levantar a discussão e a colocar em causa o Euro e a U.E. Caso fosse desmantelada a U.E. esta ficaria dividida e a porta ficaria aberta ao imperialismo de Vladimir Putin. Neste aspeto o PCP é coerente porque sempre foi contra a U.E., mas, saído das “amarras” de compromissos de apoio parlamentar com o PS encontrou novamente o folego e a oportunidade para, ao arrepio da guerra da Ucrânia, se aproximar dos pontos de vista de Vladimir Putin cuja filosofia é contra a E.U. e contra o Euro por ver neles um empecilho apesar de a ter enfeudado ao fornecimento de gás e petróleo da Rússia.

Este debate sobre o Euro não surge por acaso e regressa com os mesmos estribilhos já bem conhecidos.

Convém também não esquecer que este espírito anti U.E. e anti NATO foi também a do anterior presidente dos EUA Donald Trump que esteve empenhado no seu enfraquecimento como realçou o Presidente francês Emmanuel Macron em 2019: “O que estamos a assistir é a morte cerebral da NATO", devido às decisões do presidente norte-americano sobre a Aliança Atlântica e também pelo comportamento do presidente turco”. A invasão russa da Ucrânia ocorreu num momento de enfraquecimento da NATO e não de um ostensivo e concreto alargamento até à fronteira russa.

O PCP sabe que a política externa de Vladimir Putin se pauta pelo confronto com os países ocidentais como se tem verificado há algum tempo. Os comunistas do PCP encontraram agora uma oportunidade de fazer eclodir uma discussão sobre o Euro porque a conjuntura da invasão da Ucrânia, a que também Jerónimo de Sousa chamou “operação militar especial”, e a que, claramente, nunca se opuseram, a não ser em falar em abstrato na paz que dizem pretender.

O presidente Vladimir Putin, para justificar os seus objetivos argumenta que se está a criar um “cerco estratégico”, o que é falso, e, de acordo com esta narrativa, traçou uma política externa que diz ser defensiva. Independentemente da avaliação que possamos fazer quanto a esta linha de argumentação, há uma verdade inequívoca: as ações de Moscovo ao longo dos últimos anos quer na Moldávia, na Geórgia, na Crimeia e agora na Ucrânia, as ações de Moscovo desfizeram dúvidas quanto à postura bélica assumida pelo presidente Putin.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:17

Ucrânia e Putin-8.png

Quem tiver paciência para ler na íntegra os discursos do Presidente Vladimir Putin antes e depois do 24 de fevereiro, data triste marcada pela invasão da Ucrânia pelas suas forças, encontrará nos artigos e opiniões escritos pelos que se dizem não pertencer ao “pensamento único do rebanho” muitas semelhanças, algumas passagens parecem ser frases transcritas sobre as causas da invasão fazendo parecer que são o ocidente, a OTAN, os EUA e a U.E. os grandes responsáveis por tal ato alinhando com as teses de Moscovo e, claro, como a da Embaixada Russa em Portugal.

Parecem querer deixar claro que as vítimas só merecem solidariedade quando são perfeitas, daí as acusarem de erros e outras culpas. Para esses se não há vítimas perfeitas, não há solidariedade para com eles nunca. É uma nova moral, a deles, que nos querem quase impor.

Elencam os defeitos ucranianos merecedores do inferno, por não serem os meninos bem-comportados que deviam ser. Se os ucranianos não são isentos de quaisquer culpas e serem por eles vistos como inocentes, então, não se pode reclamar dos alegados injustos e perversos crimes de guerra russos cuja responsabilidade não é dos russos, mas do seu chefe máximo Putin. Para esta gente as vítimas só merecem solidariedade se forem univocamente perfeitas e, como não há vítimas perfeitas, então não são nunca merecedoras de solidariedade.

Cito abaixo, com realce, algumas das citações dos argumentos do discurso de Putin publicado por alguns órgãos de comunicação russos a 24 de fevereiro de 2022 titulado com “O discurso do Presidente à nação em conexão com a situação no Donbass”.

Putin: Assim, começarei com o facto de que a Ucrânia moderna foi inteiramente criada pela Rússia, mais precisamente, bolchevique, a Rússia comunista. Este processo começou quase imediatamente após a revolução de 1917.

Putin parece prender ser o interprete único da história russa. A Ucrânia não deixou de ser um país por ter sido anexado durante a Revolução Soviética:

A Ucrânia não deixou de ser um país por ter sido anexado durante a Revolução Soviética, como também o foram outros países depois da II Guerra que ficaram sob a alçada da ex-URSS.

Putin omite factos históricos ao referir-se apenas à Ucrânia moderna. Mas um país, não é por isso que deixa de ser soberano e de existir historicamente. A Rússia moderna também foi criada pelos mesmos e não foi por isso que deixa de ser um país independente e soberano!

****

Putin: sem qualquer autorização do Conselho de Segurança da ONU, …eles (o ocidente) conduziram uma sangrenta operação militar contra Belgrado, usaram aviação, mísseis bem no coração da Europa.

Os factos:

A operação militar foi decidida após o fracasso das negociações para terminar o conflito no Kosovo entre os separatistas armados albaneses do Exército de Libertação do Kosovo (UÇK) e as forças sérvias comandadas pelo líder nacionalista Slobodan Milosevic.

A intervenção da NATO, com o objetivo de evitar uma limpeza étnica e crimes de guerra como os sucedidos em Srebrenica ou no cerco a Sarajevo, não teve a aprovação do Conselho de segurança da ONU após veto da Rússia e da China (entre os membros permanentes).

Em resultado dos bombardeamentos, a Jugoslávia retirou-se do Kosovo, que se tornou num país de facto, apesar de não ser reconhecido por um número suficiente de países. É no Kosovo que os EUA têm a maior base militar fora do país.

Slobodan Milosevic acabou por se demitir em 2000 face a manifestações e no ano seguinte foi preso e levado para Haia, onde o Tribunal Penal Internacional para a Ex-Jugoslávia o acusou de crimes de guerra e contra a humanidade. A sua morte por ataque cardíaco, em 2006, impediu o desfecho do caso.

***

Putin: …Temos que lembrar esses factos, porque alguns colegas ocidentais não gostam de recordar esses eventos, e quando falamos sobre isso, eles preferem apontar não para as normas do direito internacional, mas para as circunstâncias que eles interpretam como bem entenderem.

Antes da invasão da Ucrânia terá Putin, olhado para as normas do direito internacional? Este argumento é também utilizado pelos que se colocam ao lado de Putin, ao recorrer ao”mau comportamento” do ocidente para justificar a agressão. Parece que, neste caso, quem coloca de lado todas as normas e pratica crimes de guerra como os que se têm visto pelos órgãos de comunicação é o próprio Putin com a invasão após a data do discurso.   

****

Continua o discurso:

Putin: Depois foi a vez do Iraque, Líbia, Síria. O uso ilegítimo da força militar contra a Líbia, a perversão de todas as decisões do Conselho de Segurança da ONU sobre a questão líbia levou à destruição completa do Estado, ao fato de que surgiu um enorme foco de terrorismo internacional, ao fato de que o país mergulhou em uma catástrofe humanitária, no abismo da guerra civil de longo prazo que ainda não cessou. A tragédia à qual centenas de milhares e milhões de pessoas estavam condenadas, não só na Líbia, mas em toda esta região, deu origem a um êxodo migratório em massa do norte da África e do Oriente Médio para a Europa.

Foi preparado um destino semelhante para a Síria. As ações militares da coligação ocidental no território deste país sem o consentimento do governo sírio e a sanção do Conselho de Segurança da ONU nada mais são do que agressão, intervenção.

Em 2015, as Forças Armadas foram usadas para colocar uma barreira confiável à penetração de terroristas da Síria na Rússia. Não tínhamos outra maneira de nos proteger.

Os factos:

Os factos foram intencionalmente distorcidos no discurso para que Putin tivesse argumentos para uma despropositada comparação com a invasão que lançou sobre a Ucrânia, esquecendo a sua intervenção na Síria para a apoiar o ditador Assad.

Uma coligação liderada pelos EUA também realizou ataques aéreos e mandou forças especiais para a Síria a partir de 2014 para ajudar uma aliança de milícias curdas, árabes, assírias e turcas chamada de Forças Democráticas Sírias, as FDS, que antes estava dominando pelo Estado Islâmico. As (FDS) defendem um governo secular, democrático e federalista em território sírio.

O Presidente russo, Vladimir Putin em 2015 mobilizou as suas tropas para ajudar Bashar al-Assad na guerra civil na Síria que já leva mais de uma década. Em 2016 a zona oriental de Alepo era conquistada pelo regime às forças da oposição, com a ajuda da força aérea da Rússia, que reduziu praticamente a ruínas uma das cidades mais antigas do mundo.

****

Putin: Após o colapso da URSS, a redivisão do mundo realmente começou, e as normas do direito internacional que se tinham desenvolvido naquela época – e a chave, as básicas foram adotadas no final da Segunda Guerra Mundial e consolidaram em grande parte seus resultados – começaram a interferir com aqueles que se declararam vencedores na Guerra Fria.

O saudosismo:

Putin mostra-se saudosista e elogia indiretamente o passado ao tempo da URSS para imputar ao ocidente a culpa de todos os males que inclusivamente levaram ao fim da Guerra Fria.

 ****

Putin: … a invasão do Iraque também sem qualquer fundamento legal. Como pretexto, eles escolheram as supostas informações confiáveis disponíveis para os Estados Unidos sobre a presença de armas de destruição em massa no Iraque. Como prova disso, publicamente, diante dos olhos de todo o mundo, o Secretário de Estado dos EUA sacudiu algum tipo de tubo de ensaio com pó branco, assegurando a todos que esta é a arma química que está sendo desenvolvida no Iraque. E então descobriu-se que tudo isso era uma fraude, um blefe: não há armas químicas no Iraque. Incrivelmente, surpreendentemente, o fato permanece. Havia mentiras no mais alto nível estadual e da alta tribuna da ONU. E como resultado, enormes baixas, destruição, uma incrível onda de terrorismo.

Confundir e misturar factos são argumentos ineptos:

As fraquezas e estratégias errada da política externa dos EUA e de países que o coadjuvaram na invasão do Iraque foi uma espécie de retaliação ao terrorismo do 11 de setembro de 2000 muito mal escolhida, mas não se tratou de uma ocupação territorial e à luz da mora não pode justificar um caso de invasão como aquele que Putin cometeu.

****

Putin: Apesar de tudo, em dezembro de 2021, tentámos mais uma vez chegar a um acordo com os Estados Unidos e seus aliados sobre os princípios de garantir a segurança na Europa e sobre a não expansão da OTAN. Tudo em vão. A posição dos EUA não está mudando. Eles não consideram necessário negociar com a Rússia sobre esta questão-chave para nós, perseguindo seus objetivos, negligenciando nossos interesses.

 

A tese da liberdade de escolha:

A que interesses é que Putin se refere? Voltar a fazer sucumbir os países quer estiverem sob o domínio da Ex-URSS? É que Putin ainda não conseguiu digerir a sua frustração de que países que eram satélites da URSS após a libertação da sua esfera estejam a optar por aderir à União Europeia e pedirem a sua entrada para a OTAN. Países livres e soberanos têm o direito de optar pela sua entrada nas organizações que entenderem e, se isso, acontece talvez seja porque estejam receosos da uma agressão por parte de Moscovo/Putin e que lhes acontecesse como está a gora a acontecer à Ucrânia.

****

Putin: Quanto à esfera militar, a Rússia moderna, mesmo após o colapso da URSS e a perda de uma parte significativa de seu potencial, é hoje uma das potências nucleares mais poderosas do mundo e, além disso, tem certas vantagens numa série de novos tipos de armas. A este respeito, ninguém deve ter dúvidas de que um ataque direto ao nosso país levará à derrota e terríveis consequências para qualquer potencial agressor.

………………………………..

A expansão da infraestrutura da Aliança do Atlântico Norte, o início do desenvolvimento militar dos territórios da Ucrânia são inaceitáveis para nós. Certamente não é sobre a própria OTAN – é apenas um instrumento da política externa dos EUA. O problema é que nos territórios adjacentes a nós – notei, em nossos próprios territórios históricos – está sendo criado um hostil "anti-Rússia", que é colocado sob controle externo total, intensamente estabelecido pelas forças armadas dos países da OTAN e bombeado com as armas mais modernas.

Para os Estados Unidos e os seus aliados, esta é a chamada política de conter a Rússia, dividendos geopolíticos óbvios. E para o nosso país, é, em última análise, uma questão de vida ou morte, uma questão do nosso futuro histórico como povo. E isso não é um exagero – é. Esta é uma ameaça real não só aos nossos interesses, mas à própria existência do nosso Estado, à sua soberania. Esta é a linha vermelha que tem sido repetidamente falada. Eles atravessaram.

 

A omissão dos falsos pacifistas:

Putin pontua sobre uma possível justificação para iniciar uma invasão seja onde for por motivos de defesa e clama ao povo pelo orgulho nacional na sua defesa preparando a população para potenciais ataques sobre os que ele chama agressores.

Putin contradiz todos quantos criticam e assinalam o ocidente como um conjunto de países belicistas que tem enormes custo financeiros com inclusão nos orçamentos dos países enormes verbas destinados ao armamento. Putin é claro no que diz respeito ao armamento e ao investimento nas suas forças armadas considerando a Rússia como “uma das potências nucleares mais poderosas do mundo. A todos quanto sejam contra os EUA e os seus aliados Putin agradece a ajuda e é um estímulo para futuras pretensões expansionistas.

****

Putin: Vemos que as forças que realizaram um golpe de Estado na Ucrânia em 2014 tomaram o poder e estão segurando-o com a ajuda, de facto, de procedimentos eleitorais decorativos, finalmente abandonaram a solução pacífica do conflito. Durante oito anos, fizemos todo o possível para resolver a situação por meios pacíficos e políticos. Tudo em vão.

A falsa desculpa:

A atuações do Kremlin como se passa na Bielorrússia onde está há anos um ditador títere de Moscovo, e na própria Rússia onde a oposição é esfrangalhada e depois perseguida por Putin, tal qual hoje a censura férrea está em circulação em toda a Rússia. Fazem censura ao que se passa na Ucrânia e proíbem a liberdade de expressão sobre a guerra. Então não é uma intervenção militar especial?

 

****

Putin: Claro, eles também irão para a Crimeia, assim como em Donbass, com guerra, a fim de matar, como punidores de gangues de nacionalistas ucranianos, cúmplices de Hitler durante a Grande Guerra Patriótica, mataram pessoas indefesas. Eles também declaram abertamente que reivindicam uma série de outros territórios russos.

…………………………..

Todo o curso dos acontecimentos e a análise das informações recebidas mostram que o confronto da Rússia com essas forças é inevitável. É só uma questão de tempo: eles se preparam, esperam por uma hora conveniente. Agora eles também afirmam possuir armas nucleares. Não permitiremos que isso aconteça.

As mentiras desmontadas pelos factos:

A justificação para a invasão era que, o inimigo, a Ucrânia, seria um potencial invasor e que, como tal, para o evitar deveria ser primeiro invadido. Apenas e porque havia “análise das informações recebidas”.  Também para Hitler o inimigo eram os judeus e a Polónia e que, por isso, a invadiu. Curiosa esta narrativa. Como Putin, no seu discurso antes da invasão, preparava os russos para o apoio das suas teses conotando e chamando aos ucranianos nacionalistas, nazis e neonazis e até cúmplices de Hitler. Vemos agora, trinta e quatro dias, após a invasão da Ucrânia quem é criminoso de guerra! 

****

Putin: … a Rússia após o colapso da URSS aceitou novas realidades geopolíticas. Respeitamos e continuaremos a tratar todos os países recém-formados no espaço pós-soviético da mesma forma.

… a Rússia não pode se sentir segura, desenvolver, existir com uma ameaça constante emanando do território da Ucrânia moderna.

… decidi realizar uma operação militar especial. O seu objetivo é proteger as pessoas que foram submetidas ao bullying e ao genocídio pelo regime de Kiev por oito anos. E para isso, lutaremos pela desmilitarização e desnazificação da Ucrânia, bem como trazendo à justiça àqueles que cometeram numerosos crimes sangrentos contra civis, incluindo cidadãos da Federação Russa.

Ao mesmo tempo, nossos planos não incluem a ocupação de territórios ucranianos. Não vamos impor nada a ninguém à força.

 

A pergunta que merece resposta

Se os planos não incluem a ocupação de territórios ucranianos e de não impor nada a ninguém, a pergunta que se coloca é então o que foi que aconteceu nos últimos 39 dias e o que continua a acontecer?  Será que tudo quanto se vêm em todos os canais informativos de todo o mundo, com exceção da Rússia, é tudo ficção, mentira e propaganda do ocidente? Só os apoiantes do Kremlin é que acreditarão nisso refugiando-se do que no passado o ocidente também fez.

 

Putin: No centro de nossa política está a liberdade, a liberdade de escolha para todos determinarem independentemente seu futuro e o futuro de seus filhos. E consideramos importante que esse direito – o direito de escolha – possa ser usado por todos os povos que vivem no território da Ucrânia de hoje, por todos que o querem.

 

Salvadores há muitos.

Mais uma vez a deturpação das realidades Putin quer mostrar-se ao povo russo como o grande salvador da humanidade e, neste caso, da Ucrânia. Falar em liberdade quando no seu país ela está condicionada ou não existe, falar no direito de escolha quando quer impor a sua escolha a outros. Um país soberano, seja ele o que for tem o direito de escolher o que regime que quiser, não necessita de salvadores que os ocupem.

****

Ecos da história.

Desde o início de março de 2014, manifestações de grupos pró-russos e anti governo ocorreram nos oblasts de Donetsk e Luhansk, que integram a região da Bacia do Rio Donets, na sequência da Revolução ucraniana de 2014 e do movimento Euromaidan. Esse conflito armado ocorreu em parte do território ucraniano que foi objeto de diversos protestos pró-russos em todo sul e leste da Ucrânia. Trata-se de um conflito armado entre as forças separatistas das autodeclaradas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk e o governo ucraniano.[43][44] Os separatistas são amplamente liderados por cidadãos russos.[45] Os paramilitares voluntários russos são relatados por compor entre 10% e mais de 50% dos combatentes.

Após o colapso da União Soviética em 1991, a Ucrânia firmou-se como uma nação independente. Contudo, no Leste, especialmente em Donetsk e Luhansk (na região da Bacia do Donets (Donbas), as minorias russas começaram a reinvindicar mais autonomia política, algo a que o governo central em Kiev resistia. No final da década de 2000, o governo ucraniano passou a buscar uma maior aproximação com a Europa Ocidental, algo que a Rússia via com maus olhos. Em 2013, em meio a uma crise económica, o presidente Víktor Yanukóvytch rejeitou um acordo com a União Europeia e iniciou uma reaproximação com o governo russo. A população ucraniana, principalmente aquelas concentradas nas grandes cidades do Oeste, iniciaram-se enormes protestos (conhecidos como Euromaidan) e forçaram o presidente Yanukóvytch a renunciar em fevereiro de 2014. Aproveitando-se do caos político que se seguiu na Ucrânia, a Rússia anexou, em março, a região da Crimeia.

 

Em síntese: E mais não digo. Se não existissem estes pretextos Vladimir Putin recorreria a outros para justificar a invasão que há muito terá premeditado. O tempo oportuno foi este após a saída de Merkel da cena política e a presidência dos EUA ter mudado de Trump para Biden.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:55

Ucrânia e Putin-3.png

A “pax romana” foi um período que se situou entre 27 a.C. e 180 d.C. que garantiu naquela época histórica estabilidade e tranquilidade. Também nós, na Europa, atravessámos uma pax europeia até à invasão da Ucrânia confrontando-nos agora com uma guerra perto de nós. Paz que do meu ponto de vista está longe de ser conseguida por teimosia de um invasor que parece pretender substituir a liberdade que tem sido o atributo da democracia europeia por outro tipo de ordem iliberal não democrática.

Parece que Lavrov, ministro dos negócios estrangeiros da Rússia, foi à China e fez declarações em que anunciou uma "nova ordem mundial, multipolar, justa e democrática" acrescentando que “a situação internacional ficará muito mais clara, e que nós, juntamente com vocês e com os nossos apoiantes, caminharemos para uma ordem mundial multipolar, justa e democrática”, o sublinhado é meu. A que justiça e democracia se refere? A hipocrisia do Governo russo não tem limites quando menciona a palavra democracia, palavra que para ele não tem qualquer valor.

Os apoiantes desta tese também os há por cá que aproveitam a invasão da Ucrânia como pretexto para criticar fortemente o ocidente, nomeadamente a NATO, os EUA e a U.E., pelas mais diversas razões. Estes centram-se apenas no princípio da responsabilidade da guerra justa que exige que se examine de quem é a responsabilidade na guerra, olhando apenas para o lado do agressor desvalorizando o ato ilícito da invasão contribuindo para satisfação do invasor Putin que, sendo contrário ao sociocentrismo, está a olhar o mundo duma perspetiva estreita e egocêntrica não se terá apercebido que a Rússia pode sobreviver sem Putin, mas duvida-se que Putin possa sobreviver sem a Rússia.

O presidente autocrata Vladimir Putin não está a colocar as necessidades e as preocupações do povo russo à frente dos seus próprios interesses. O anti sociocentrismo de Putin parece estar a ser agravado por uma esquizofrenia política com uma patologia que se manifesta por uma rutura de contacto com o mundo exterior, por isso a informação sobre a invasão da Ucrânia estar a ser condicionada e censurada, tal como a proibição do direito à manifestação, impensável num regime democrático.

Numa conferência de imprensa, em 2017, Vladimir Putin terá respondendo a uma pergunta sobre um artigo publicado no Washington Post no qual se escrevia que, numa reunião do Salão Oval com diplomatas russos, Donald Trump lhes passou certas informações confidenciais sobre o ISIS, (Islamic State of Iraq and Syria),  deu como resposta que o ocidente estava a desenvolver uma "esquizofrenia política".

Recorde-se que poucos dias antes da data trágica da invasão, quando Biden dizia que Putin iria invadir a Ucrânia, este dizia que o ocidente estava a entrar em histeria. Afinal não era histeria, eram certezas.

Após meses de ter negado que tinha intenção de atacar a Ucrânia, Vladimir Putin invadiu o território duma democracia europeia por ar, terra e mar a que chama uma operação militar especial, palavras também utilizadas em artigos por quem se coloca contra o ocidente para justificar a invasão como um senhor coronel Matos Gomes que escreve textos sobre agressões passadas do chamado ocidente noutros contextos geográficos o que nos leva a deduzir que se estará a colocar do lado oposto.

Afirmou Matos Gomes em 24 de fevereiro que "Não se trata de uma invasão. Penso que a Rússia e Putin falou e apresentou os objetivos claramente no discurso. O que a Rússia pretende é que a Ucrânia seja desmilitarizada e não seja uma base de ataque à Rússia. E isto ele disse-o muito claramente". Se isto não é defender a invasão perpetrada por Putin então o que é? Pelas imagens que nos chegam diariamente podemos ver que, afinal, se trata de uma invasão, de uma guerra.  

Perguntava-se no início qual era o objetivo do presidente russo ao invadir a Ucrânia. A justificação dada era o avanço da NATO para o Leste Europeu para cercar a Rússia.

Face à intransigência de um adversário que se tornou hostil e traiçoeiro que se ergue a agredir outro povo a resposta do ocidente foi tentar encurralar Putin, o que significa encurralar também o povo russo, embora se considere pouco sensata a estratégia que poderá brigar Putin, que não quer perder a face perante os russos, a ficar sem margem de manobra. 

Decorridas duas semanas de guerra, o presidente ucraniano propunha negociações e que deixava cair a adesão da Ucrânia à NATO. Afinal, não era apenas aquela a exigência que Putin pretendia. Ainda há dias Zelensky cedeu na proposta de neutralização para chegar a um acordo de paz. Quem não quer a paz?

O que fazer então quando Putin ultrapassou todas as linhas vermelhas que o colocam em direção à meta dos criminosos de guerra. Terá sido a aproximação da NATO que terá levado, segundo ele, à “operação militar”. Mas há outra, que Putin não revela, essa de ordem interna.

Desde 2017 que Putin se confronta com problemas internos na Rússia que terão começado a surgir apesar de ter ganho(?) as eleições presidenciais de 2018. Enfrentou, e estará ainda a enfrentar, situações difíceis devido às consequências das suas políticas quer externas, quer internas. O vazio da política interna está a ser substituído pela ilusão de sucesso internacional, criado e mantido com a ajuda da propaganda mais descarada da história da Rússia moderna, nem sei se Estaline e os anos seguintes da URSS o terão conseguido tão eficazmente, quer pela repressão quer pela censura. Também é certo que tecnologias como as de hoje para essa propaganda não existiam.

Na Rússia de Putin a Internet no seu todo ainda não foi proibida, mas canais de informações mesmo os alternativos como as redes sociais já foram condicionados à população através de todos os filtros disponíveis pelo governo para evitar a corrosão lenta dos chavões propagandísticos.

Contrariamente ao resto do mundo, a população russa não tem, na sua grande maioria, conhecimento do que se passa no país vizinho. Vladimir Putin proibiu a comunicação social da Rússia de usar as expressões "guerra" ou "invasão" e enganou os russos ao dizer que estavam a ser realizadas "operações militares especiais" na Ucrânia. As redes sociais também começam a ficar cada vez mais limitadas e as publicações censuradas, mas na quinta-feira, 11 de março à noite, a televisão estatal russa, o canal “Rússia 1” que é uma das emissoras estatais mais vistas no país e uma das que tem seguido as diretivas autoritárias do Kremlin, leia-se de Putin, quanto à situação da Ucrânia, consentiu numa provocação ao transmitir em direto em horário nobre a opinião de um comentador que criticou a ofensiva russa recusando-se a apoiar a narrativa das televisões encomendada pelo Governo russo.

Semyond Bagdasarov, um famoso académico e deputado russo, aproveitou a sua presença no programa 'An Evening with Vladimir Soloviev', “Uma noite com Vladimir Soloviev (um homem referido como forte defensor de Putin e um crítico franco da independência da Ucrânia e propagandista-chefe) para pedir ao presidente russo que ponha fim ao ataque, deixando ainda o alerta de que os aliados da Rússia, como a China e a Índia, podiam acabar por virar as costas a Moscovo.

Por seu lado Karen Georgievich Shakhnazarov, realizadora russa Karen Bagdasarov pediu ao líder russo para acabar com o ataque, enquanto tentou quebrar a narrativa do Kremlin de que está conduzindo uma "operação especial" limitada na região de Donbass, fazendo referência aos ataques à capital de Kiev.

No dia 4 de março a decisão do governo russo de bloquear oficialmente o acesso ao Facebook relativamente à invasão por Moscovo/Putin da vizinha Ucrânia provocou uma reação do Presidente para os assuntos Globais da Meta que escreveu no Twitte: "Em breve, milhões de russos encontrar-se-ão isolados de informações confiáveis, privados das de se ligar com a família e amigos e silenciados de falar". Continuaremos a fazer tudo o que pudermos para restaurar os nossos serviços para que permaneçam disponíveis e para que as pessoas se expressem com segurança e se organizem para a ação."

Ucrânia e Putin-4.png

Os males causados pela diminuição do rendimento das famílias, agravados pelas medidas severas das sanções económico e financeiras, aumentam a crescente desconfiança pública nas autoridades, no descontentamento público gerado por um governo ineficiente, com a corrupção e cleptocracia que o sistema permite ou aprova e com o aventureirismo geopolítico com enormes custos como o demonstram especialista em política russa.  

O Presidente Putin encontra-se num beco político sem saída, enquanto o povo se encontra numa crise existencial que lhe está a ser induzida pela propaganda que afirma que o ocidente quer destruir a Rússia.

Biden e Putin parecem ter entrado numa esquizofrenia que se manifesta pelas emoções que os levam a utilizar, sobretudo o primeiro, com uma verbosidade de palavras de baixa política com as adjetivações que faz a Putin com que lhe poderão ser aplicadas, mas que envergonham qualquer diplomacia. A esquizofrenia de Putin é mais sofisticada, aproxima-se da metafísica ao pretender transcender a própria realidade sem o conseguir levando o povo russo a pensar se a Rússia não estará, de facto, a atravessar uma crise existencial que o ocidente lhe estará a causar.

Vladimir Putin ficou subitamente nervoso com o facto de poder vir a ser o arquiteto que, devido à invasão da Ucrânia, conduziu a Rússia para uma crise económica e financeira sem precedentes pelas sanções do ocidente, porque sabe que isso tem como ricochete poder voltar o povo contra ele.

Com a informação disponível, credível, fiável e isenta de facciosismos sobre o que na realidade se passa na Rússia é ao pouco ou nada. Isto devido a que os jornalistas não podem trabalhar no país a não ser clandestinamente, enquanto no ocidente, onde há liberdade jornalística e onde se exerce livremente essa liberdade de expressão.

Apesar do senhor que manda no Kremlin lutar para esconder a realidade da guerra no ocidente textos e mais textos são publicados e republicados em blogs e redes sociais e explanações históricas de ditos especialistas em política internacional e geoestratégica de esforçam por atacar/condenar os EUA, a NATO, e a EU, como se fossem estes os agressores, defendendo a paz, tornando claro que são contra a guerra, mas, ao mesmo tempo, justificam os pontos de vista de Putin.

Alguns pretendem desacreditar a informação chamando pensamento único aos que não alinham em argumentos de crítica aos países do ocidente que pretendem que sejam os causadores da invasão da Ucrânia por Putin designando, como ele, “intervenção militar pacífica” ou “intervenção militar especial”. Pretendem assim justificar o mal que é a guerra na Ucrânia com o mal causado e apoiado por outros (os EUA) noutros contextos diferentes.

Para os das esquerdas radicais, anti ocidente, anti NATO e para os discretos apoiantes de Putin que se dizem defensores da paz é difícil reconhecer que os interesses de cada uns dos lados, Ucrânia e Rússia, devem ser tidos em conta. Mas, pelo que se depreende das opiniões que escrevem e das publicações de textos oriundas de fontes alinhadas pelo mesmo tom parece que, pelo contrário, são a favor do estabelecimento de linhas vermelhas inamovíveis que sejam contra os valores morais, princípios da democracia e regras internacionais que devem ser respeitadas e inegociáveis.

Porém, há também grandes organizações como o banco HSBC que alinham, talvez por interesses financeiros estar nas boas graças de Putin e da sua propaganda. Segundo o Financial Times, o HSBC também suaviza o tom com o qual se refere à guerra na Ucrânia, retirando dos seus relatórios referências à palavra "guerra", noticia o "Financial Times", alterando a palavra "guerra" para expressões mais suaves, como por exemplo "conflito". Alinha assim com o Kremlin que desde o primeiro dia chama à invasão da Ucrânia uma "operação militar especial".

Nesta altura atacar o ocidente e ao mesmo tempo fazer pedidos de paz é, quer se queira ou não, estar do lado do presidente Vladimir Putin o que se evidencia, como anteriormente referi, em textos publicados a quem a eles recorre para reforço dos seus argumentos. Um dos casos foi o recurso a um artigo de opinião escrito por  Mário Soares em maio de 2015 na Revista Visão quando criticou a aproximação da NATO para Leste com a adesão de países como a Polónia entre outros. Interpretação abusiva do que ele escreveu que era mais um alerta para o ocidente. Mário Soares tinha razão. A aproximação da NATO para leste foi uma consequência do desmantelamento da URSS e a libertação dos países de leste do jugo comunista. Foi nesta sequência que alguns desses países pediram a adesão à E.U. e a pretensão de entrarem para a NATO. Esta pretensão talvez fosse devido à insegurança que teriam em relação a possíveis agressões do Kremlin para recuperarem a sua antiga jurisdição sobre esses países. Mas, Mário Soares também escreveu que “Vladimir Putin é um homem perigoso. Ou, como dizem os brasileiros, um homem astuto, perigoso e imprevisível”. Apesar deste evidente ponto de vista o autor, enquanto Primeiro-Ministro e enquanto Presidente da República, nunca colocou em questão a retirada de Portugal daquela aliança militar intergovernamental.

Aqueles que falam da desmilitarização do ocidente, de paz e do aumento das verbas e de gastos com a defesa no orçamento da U.E. esquecem-se, ou omitem, nos seus relatos que a Rússia é considerada pela maioria dos analistas como a segunda maior potência militar do mundo e com grandes investimentos nas forças de guerra e que agora se encontra em grande vantagem e, por isso, lançou-se numa operação invasiva de um país soberano.

O semanário Expresso de 9 de março de 2022, recordava o que Pulido Valente escreveu a criticar a forma como a Europa se foi desarmando, e alertava para os riscos de “a Inglaterra gastar em defesa menos de 2% do PIB, num momento em que Putin embarcou numa política claramente agressiva e revanchista”.

Face a tudo isto deveria então o ocidente, nomeadamente a E.U., desproteger-se? Não. Mas foi o que aconteceu e parece que para alguns radicais de esquerda que assim deveria continuar.

A invasão da Ucrânia não terá sido uma surpresa visto que a presidência dos EUA, em 22 de novembro de 2021, segundo o “site” francês “Meta-Defense”, previu uma ofensiva na Ucrânia pela Rússia no inverno, a ocorrer em janeiro e ou fevereiro. Publicava na altura que “O objetivo previsto seria a criação de um corredor que permitisse ligar a Crimeia à Rússia por via terrestre, provavelmente até a foz do Dnieper e a cidade de Zaporizhia, também um importante centro industrial em termos de aeronáutica civil e militar, mas também a cidade portuária de Mariopol, crítica em termos de infraestrutura. Além de ligar a Crimeia, isso permitiria a Moscovo transformar o Mar de Azov num mar “interior”, inteiramente limitado pela costa russa”.

Apesar do senhor que manda no Kremlin lutar para esconder a realidade da guerra no ocidente textos e mais textos são publicados e republicados em blogs e redes sociais e explanações históricas de ditos especialistas em política internacional e geoestratégica de esforçam por atacar/condenar os EUA, a NATO, e a EU, como se fossem estes os agressores, defendendo a paz, tornando claro que são contra a guerra, mas, ao mesmo tempo, justificam os pontos de vista de Putin.

Estranhamente são também os que debatem e se empenham na busca do que se fez de mau no passado para justificarem que se faz de mau no presente. São os mesmo que pedem a desmilitarização do ocidente (porta escancarada para a entrada de Putin até ao ponto da possibilidade da sua ambição) e que exigem negociações diplomáticas para se chegar à paz. O ponto que não esclarecem é como isso será possível com o cinismo de quem diz que quer negociar e ao mesmo tempo diz não estar disponível para quaisquer negociações que não seja a capitulação do invadido com condições impostas pelo invasor, como tem vindo a ficar demonstrado.

Penso que esta retórica dos que se mostram contra os aliados ocidentais e que tão insistentemente invocam negociações para a paz não são mais do que fait divers para dissimularem o seu alinhamento com os senhores do Kremlin, a quem chamam capitalistas, ao mesmo tempo que se distanciam dos outros que são o rebanho aos que se afastam dos pontos de vista deles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:37

 

Putin-Trump8.png

Falar de Putin por causa da Ucrânia aguçou-me a curiosidade para saber que eventuais ligações e influências, diretas ou indiretas, terá tido Trump com e de Vladimir Putin na invasão daquele país.

Pesquizei uma série de títulos e artigos publicados em órgão de comunicação estrangeiros nos últimos dois anos que ligassem aqueles dois presidentes por palavras e diligências diplomáticas. Artigos e notícias interessantes chamaram-me a atenção. Quem se der ao trabalho de os ler que tire as suas conclusões.

Notar que não segui a ordem cronológica das publicações.

The Guardian

23 de fevereiro de 2022

Trump elogia o 'génio' Putin por transferir tropas para o leste da Ucrânia. O ex-presidente diz que o líder russo tomou a decisão 'muito inteligente' de reconhecer os dois territórios do leste da Ucrânia como independentes

Donald Trump disse que Vladimir Putin é “muito experiente” e fez um movimento “génio” ao declarar duas regiões do leste da Ucrânia como estados independentes e transferir forças armadas russas para lá.

Trump disse que viu a escalada da crise ucraniana na TV “e que disse: 'Isso é genial'. Putin declara uma grande parte da Ucrânia ... Putin declara-a independente. Ah, isso é maravilhoso.”

O ex-presidente dos Estados Unidos disse que o presidente russo fez um “movimento inteligente” ao enviar “a força de paz mais forte que já vi” para a área.

Trump, um admirador de longa data de Putin que sofreu impeachment por alegações de que ele ameaçou reter ajuda à Ucrânia a menos que isso pudesse prejudicar a reputação de Joe Biden, elogiou as medidas do presidente russo ao mesmo tempo em que afirmou que elas não teriam acontecido se ele ainda fosse Presidente.

"Aqui está um sujeito que é muito experiente... eu conheço-o muito bem", disse Trump sobre Putin enquanto conversava com o The Clay Travis & Buck Sexton Show . "Muito, muito bem. Aliás, isso nunca teria acontecido connosco. Se eu estivesse no cargo, não era mesmo pensável. Isso nunca teria acontecido.

****

 PassBlue

Independent UN Coverage

14 de setembro de 2020

Depois de quase quatro anos do presidente Trump na responsabilidade da presidência, ainda não temos uma resposta concreta sobre o porquê do presidente adiar repetidamente questões importantes a tratar com Vladimir Putin. Esta é uma questão central que enfrentamos como país (EUA), especialmente as consequências para as políticas americanas sobre as sanções ucranianas, sobre a questão da intromissão russa nas eleições presidenciais de 2016, sobre a confiabilidade das nossas agências de inteligência dos Estados Unidos, recentemente também contratempos sobre possíveis recompensas russas pela morte de soldados americanos no Afeganistão e, finalmente, nas eleições presidenciais dos EUA.

À medida que esses escândalos alastram e recuam até à próxima crise, o nosso foco em resolver esse mistério também parece estar a diminuir. Não devemos deixar de estar atentos ao que está por trás da desconcertante relação de Trump com Putin — a nossa segurança nacional depende disso.

****

The Guardian

15 de julho de 2021

Documentos do Kremlin parecem mostrar o plano de Putin para colocar Trump na Casa Branca

Documentos sugerem que a Rússia lançou um esforço secreto de várias agências para interferir na democracia dos EUA.

Vladimir Putin autorizou pessoalmente uma operação secreta da agência de espionagem para apoiar um Donald Trump "mentalmente instável" nas eleições presidenciais dos EUA em 2016 durante uma sessão fechada do Conselho de Segurança Nacional da Rússia, de acordo com o que dizem documentos avaliados como sendo do Kremlin.

****

Diário de Notícias

12 de junho de 2021

 Putin diz que Trump "é extraordinário" e espera Biden menos impulsivo

De acordo com Putin, Donald Trump é um homem "talentoso" e "original". "Mesmo agora, creio que o ex-Presidente Trump é um indivíduo extraordinário, senão não teria sido Presidente", disse. "E não veio do stablishment americano", acrescentou.

****

Haaretz

19 de fevereiro de 2022

Tucker Carlson, Josh Hawley e Donald Trump: O Time dos Sonhos de Putin, mas o pior pesadelo da América

Um trio repulsivo e depravado, Josh Hawley, Tucker Carlson e Donald Trump, são parceiros ativos nos esforços de Putin para incendiar o Ocidente na Ucrânia – e para minar os próprios Estados Unidos.

No meio da pior ameaça à segurança enfrentada pelo Ocidente desde a Crise dos Mísseis Cubanos, num esforço para enfraquecer o Ocidente e minar a liderança dos EUA é inteiramente obra de Putin. Hawley é um dos membros mais proeminentes da legião trumpista dizendo as palavras que o Kremlin quer que eles digam e que não defendam os EUA, mas a Rússia.

****

The Washington Post

9 de dezembro de 2021

Putin tensão em direção à invasão da Ucrânia, encorajada por Trump

O caminho do presidente russo Vladimir Putin para ameaçar uma invasão da Ucrânia é marcado por ações imprudentes. Neste movimento em direção ao desafio às normas internacionais, Putin tem sido sutilmente encorajado pelo ex-presidente Donald Trump, um companheiro de viagem em imprudência.

Não precisamos de nenhuma análise conspiratória das ligações de Trump com a Rússia para fazer este caso. Só precisamos ver os fatos. Trump tem sido simpático a Putin em declarações públicas há quase uma década. Quanto à Ucrânia, Trump ficou tão descuidado com a sua segurança que condiz com a ajuda militar dos EUA a favores políticos no famoso telefonema de 2019 (ver em baixo) que resultou em seu primeiro impeachment.

(26 de setembro de 2019 - O presidente Trump instou repetidamente o presidente ucraniano a investigar Joe Biden, um de seus principais rivais políticos, e se ofereceu para recrutar o procurador-geral dos EUA nesse esforço, enquanto balançava a possibilidade de convidar o líder estrangeiro para a Casa Branca, de acordo com uma transcrição aproximada de a chamada divulgada quarta-feira.

Se Putin marchar para a Ucrânia, uma consequência deve ser um grave dano para o futuro político de Trump. No entanto, provavelmente não vai funcionar dessa forma. Os partidários de Trump parecem prontos para perdoá-lo qualquer coisa, incluindo líderes de torcida para ditadores. Mas antes que seja tarde demais, devemos examinar como Putin rompeu os guardrails com a aquiescência silenciosa de Trump ou aprovação total.)

****

ROLL CALL

17 de fevereiro de 2022

 Trump está a dar um brinde a Biden enquanto a Rússia ameaça a Ucrânia

“Com ele, todas as estradas levam a Putin”, disse Pelosi sobre Trump em junho.

Donald Trump principalmente deu ao presidente Joe Biden uma aprovação de namoro da Rússia com a invasão da Ucrânia e possivelmente a instalação de um governo fantoche em Kiev.

Parece que segundo alguns estrategistas políticos Trump parece estar a mostrar todos os sinais de montar uma candidatura à Casa Branca em 2024 - para dar cabo do seu inimigo em 2024.

A última declaração de Trump sobre as tensões na Ucrânia foi em 24 de janeiro: "O que está a acontecer com a Rússia e a Ucrânia nunca teria acontecido sob a Administração Trump. Nem mesmo uma possibilidade!”

Desde então, o ex-presidente tem-se concentrado um pouco no endossamento para o ciclo eleitoral de 2022 - mas principalmente no seguinte, nas suas palavras, "Rússia, Rússia, Rússia".

Trump concentrou-se recentemente em algumas questões da sua escolha: a eleição de 2020, várias investigações federais e estaduais da sua organização empresarial e filhos arrecadando milhões de dólares para fins pouco claros. No entanto, ele tem razões muito específicas para ficar calado sobre a Ucrânia: a sua deferência ainda inexplicável com Putin e como a modernização militar de Moscou não foi controlada durante o seu mandato.

****

 Politico Magazine

Março/abril 2017

Qual é a verdadeira história de Donald Trump e da Rússia? A resposta ainda não está clara, e os democratas no Congresso querem chegar ao fundo da questão com uma investigação. Mas não há dúvida de que existe uma teia de ligações - algumas públicas, algumas privadas, algumas claras, algumas obscuras - entre Trump, os seus apoiantes internos e o presidente russo Vladimir Putin.

Os esquemas seguintes ilustram dezenas dessas ligações, incluindo reuniões entre funcionários russos e membros da campanha e da administração de Trump; laços da sua filha com os amigos de Putin; a visita de Trump em 2013 a Moscou para o concurso Miss Universo; e a sua curta aventura de artes marciais mistas com um dos atletas favoritos de Putin. As linhas sólidas marcam factos estabelecidos, enquanto as linhas de ligação ponteadas representam conexões especulativas ou não comprovadas.

Não há nada inerentemente condenável na maioria dos laços ilustrados abaixo. Mas eles revelam a vasta e misteriosamente complexa teia por trás de uma história que irritou a jovem presidência de Trump desde o seu início, e, é certo, que abalará a Casa Branca nos meses seguintes.

Vejam-se os seguintes esquemas.

__________

  1. Trump e Putin, via Funcionários da Administração

Putin-Trump1.png

__________

 

  1. Trump e Putin, via Michael Flynn

 

Putin-Trump2.png

  1. Trump e Putin, via Conselheiros de Campanha

Putin-Trump3.png

 

  1. Trump e Putin, via Paul Manafort

Putin-Trump4.png

 

  1. Trump e Putin, via Business Ties

Putin-Trump5.png

 

 

  1. Trump e Putin, via Felix Sater

Putin-Trump6.png

  1. Trump e Putin, via Membros da Família Trump

Putin-Trump7.png

Fonte: PoliticoMagazine

****

CNN Politics

22 de setembro de 2020

 

Trump diz que gosta de Putin. A Central Intelligence Agency (inteligência dos EUA) diz que a Rússia está a atacar a democracia americana.

Apesar das repetidas advertências de funcionários da inteligência e do próprio diretor do FBI de que a Rússia está a realizar um ataque descarado à democracia americana, o presidente Donald Trump resumiu as suas opiniões num comício em termos muito simples: “Eu gosto de Putin, ele gosta de mim”.

Trump tem expressado consistentemente uma afinidade pessoal com seu homólogo russo, Vladimir Putin, desde que assumiu o cargo há quase quatro anos nos EUA. Mas o facto de que os seus últimos comentários vêm à medida que as agências de inteligência dos EUA estão soando o alarme sobre a interferência contínua de Moscou na eleição de 2020 oferece um lembrete gritante de que Trump não tem problemas com a intromissão estrangeira se isso possa ajudá-lo politicamente.

****

INSIDER

24 de janeiro de 2022

 Trump diz que a crise Ucrânia-Rússia nunca teria ocorrido sob seu comando, mas ele reteve ajuda militar de Kiev e especialistas dizem que ele encorajou Putin

O ex-presidente Donald Trump disse na segunda-feira que a escalada da crise Rússia-Ucrânia nunca teria acontecido sob sua vigilância, ignorando o facto de que ele foi apanhado por um escândalo que envolvia a retenção de ajuda militar a Kiev, enquanto o pressionava a investigar os seus rivais políticos.

“O que está a acontecer com a Rússia e a Ucrânia nunca teria acontecido sob o governo Trump. Nem mesmo uma possibilidade”, disse Trump.

Trump foi apanhado em 2019 em parte porque pressionou o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky a investigar Joe Biden, então um de seus principais rivais políticos, enquanto congelava cerca de US$ 400 milhões em ajuda militar vital à ex-república soviética.

O governo de Trump colocou oficialmente um controle sobre a ajuda cerca de 90 minutos após o ignóbil telefonema de 25 de julho de Trump com Zelensky, no qual ele instou o líder ucraniano a iniciar um inquérito sobre Biden e seu filho Hunter Biden sobre alegações infundadas de corrupção. A ajuda militar foi disponibilizada para a Ucrânia meses depois de Trump ser informado de que uma queixa de denunciante foi apresentada em relação ao telefonema de 25 de julho.

****

NPR.ORG

17 de julho de 2018

 

Cimeira de Helsinquia de Trump com Putin deixa ao mundo a pergunta: Porquê?

Dada a atitude com que o presidente Trump saudou todas as notícias da interferência russa na eleição de 2016, seu desempenho em Helsinque na segunda-feira não deveria ter sido nenhuma surpresa.

No entanto, houve surpresa - até mesmo choque - quando o presidente dos Estados Unidos subiu ao palco ao lado do presidente russo Vladimir Putin e aceitou as negações do ex-oficial da KGB sobre essa interferência.

Trump foi perguntado diretamente em qual ele acreditava: na sua própria comunidade de serviços secretos ou em Putin. Em algumas palavras, Trump deu a resposta: Putin. (Via tweet, Trump mais tarde procuraria esclarecer a sua resposta.).

O senador John McCain, republicano do Arizona, chamou a isso "um dos desempenhos mais vergonhosos de um presidente americano de que há memória".

****

USA TODAY NEWS

21 de fevereiro de 2022

 Putin “tossiu” propositalmente. Trump disse que agiria duro perante as camaras da comunicação social, revela livro da Casa Branca.

O ex-presidente Donald Trump disse ao presidente russo Vladimir Putin durante uma reunião em 2019 que só agiria duro com ele "para as camaras" e, enquanto isso, Putin aparentemente tentou detonar a germofobia de Trump tossindo propositalmente, de acordo com um novo livro de bastidores da Casa Branca de Trump.

O livro da ex-secretária de Imprensa da Casa Branca Stephanie Grisham, "I'll Take Your Questions Now", obtido antes da publicação pelo The Washington Post, revela uma relação muito mais matizada entre Trump e Putin do que relatórios anteriores que fora produzidos.

Segundo Grisham, Putin usou truques para tentar acionar e intimidar Trump durante a sua reunião na cúpula do G20 em Osaka, no Japão. Trump, por outro lado, era muito menos severo fora das camaras do que apresentou ao público e aos media americanos.

 

****

VOX

29 de janeiro de 2019

Trump encontrou-se com Putin sem funcionários ou notações presentes – novamente.

Trump supostamente continua a encontrar uma maneira de se reunir com o líder russo particularmente.

Quando se é um presidente dos EUA, provavelmente não é uma boa ideia encontrar-se com um líder estrangeiro que se intrometeu nas eleições do seu país sem uma forma de registar o que está a ser discutido. Mas isso é exatamente o que o presidente Donald Trump aparentemente fez - novamente.

De acordo com o Financial Times, Trump falou com o presidente russo Vladimir Putin durante a cúpula do G20 em novembro passado na Argentina sem a presença oficial dos EUA para poder tomar notas do que tratou. A primeira-dama Melania Trump estava ao lado do presidente durante a conversa, mas nenhum funcionário esteve presente.

A Casa Branca já havia reconhecido que ambos os líderes se reuniram para uma conversa "informal", mas não revelou que Trump não tinha nenhum membro oficial de sua equipe presente. Putin tinha alguém, porém: o seu tradutor, embora não esteja claro que essa pessoa escrevesse alguma coisa.

Não é a primeira vez que Trump faz isso. Durante a reunião do G20 na Alemanha, em julho de 2017, ele levantou-se da sua cadeira durante um jantar para se sentar ao lado de Putin, que tinha o seu tradutor para ajudar. Essa reunião, que a Casa Branca não revelou inicialmente, teve lugar poucas horas depois de Trump ter “comprado” a negação de Putin de que a Rússia não interveio nas eleições presidenciais de 2016.

****

INDEPENDENTE

12 de fevereiro de 2022

 Trump diz que Putin foi encorajado pela caótica retirada dos EUA do Afeganistão.

O ex-presidente Donald Trump ponderou sobre a escalada das tensões entre a Rússia e a Ucrânia, sugerindo que a caótica retirada dos EUA do Afeganistão encorajou o presidente russo Vladimir Putin.

Falando na Fox and Friends Weekend no sábado, Trump afirmou que ninguém tinha sido mais duro com a Rússia do que ele, mas ao mesmo tempo disse que ele e o sr. Putin "se davam muito bem".

"Estamos em uma posição muito ruim agora", disse Trump.

"Acho que [o deputado Putin] ficou muito mais ambicioso. Eu acho que ele queria negociar por um período de tempo, quando ele assistiu Afeganistão, quando ele assistiu à incrivelmente à prejudicial retirada, onde [a América] tirou os militares primeiro e deixou 85 bilhões de dólares em equipamentos para trás para o Talibã usar. E, claro, as mortes.

"Quando eles assistiram todos eles, eu acho que eles foram encorajados. É chocante porque nunca deveria ter acontecido, nunca teria acontecido."

Falando do senhor deputado Putin, o senhor deputado Trump acrescentou: "Eu conhecia-o muito bem. Parei o oleoduto dele, sancionei-o mais do que todos os outros os sancionaram. Nunca ninguém foi mais duro com a Rússia, mas eu dei-me muito bem com Putin, nós nos respeitamos."

Os seus comentários vieram quando o presidente dos EUA Joe Biden realizou um telefonema de uma hora com o sr. Putin para discutir a Ucrânia, numa aparente tentativa de evitar conflitos militares no leste europeu.

Os Estados Unidos "permanecem preparados para se envolver em diplomacia", disse Biden a Putin, mas invadir a Ucrânia "produziria sofrimento humano generalizado e diminuiria a posição da Rússia".

****

DW Deutsche Welle

17 de março de 2021

Putin autorizou ações pró-Trump na eleição, afirma relatório.

A Rússia tentou influenciar o litígio presidencial de 2020 por meio da difusão de alegações infundadas sobre Biden, diz um relatório que também aponta esforços do Irão para prejudicar s candidatura de Trump.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, autorizou ações para interferir na eleição presidencial de novembro de 2020 nos Estados Unidos, afirma um relatório dos serviços secretos americanos divulgado nesta terça-feira (16/03).

A ingerência deu-se por meio da difusão de alegações enganosas e infundadas sobre o candidato democrata à presidência, Joe Biden, numa tentativa de favorecer a candidatura do então presidente Donald Trump, que concorria à reeleição.

O Kremlin respondeu que as acusações não têm fundamento e que o relatório não oferece factos nem provas. Funcionários do governo americano disseram, sob anonimato, que o governo dos EUA deverá impor novas sanções à Rússia por causa das ações.

Biden afirmou que Putin enfrentará consequências pelas suas ações. "Ele pagará um preço", afirmou o presidente americano em entrevista transmitida pela emissora ABC News nesta quarta feira, sem especificar quais seriam as medidas.

Segundo o relatório, pessoas ligadas à Rússia espalharam as alegações contra Biden e tentaram assim influenciar os aliados de Trump. O documento não menciona nomes, mas é sabido que o advogado Rudy Giuliani, um aliado de longa data de Trump, encontrou-se várias vezes com o parlamentar ucraniano Andrii Derkach, que em 2020 divulgou gravações editadas para tentar prejudicar Biden.

Pessoas ligadas aos serviços secretos russos também espalharam histórias contra Biden na imprensa americana, afirma o relatório. Porém, desta vez hackers russos não tentaram insistentemente entrar na infraestrutura eleitoral, por exemplo na contagem de votos.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.