Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O último estado de alma

por Manuel_AR, em 25.11.15

Cavaco e Costa.png


Cavaco Silva não "indigitou" António Costa como primeiro-ministro para formar Governo, "indicou", forma subtil, mas soez, proveniente de quem se diz acima dos partidos. Foi a forma de Cavaco mostrar o seu desagrado com a decisão que tomou mas a que, na prática, foi obrigado. Ficará para a história da democracia portuguesa como figura politicamente sinistra.


Nos dicionários de português as palavras indigitar e indicar surgem como sinónimos mas ao nível institucional não tem qualquer valor a não ser como indicador do "estado de alma" de um Presidente de alguns que sempre se exprimiu em política por estados de alma e que ficará com eles na solidão nos seus últimos dias de mandato que já não o é de facto.


Também curioso foi o facto de pivôs da informação televisiva, como José Alberto de Carvalho da TVI, tenham utilizado e dado ênfase à palavra "indicado" ao referir-se à indigitação de António Costa, seguindo a linha de Cavaco Silva, quando este acorda com motivos aparentes do "sei lá o quê" lhe invadiu a alma, sem nada o conseguir animar...


Há o mínimo decoro nas relações institucionais que ele ajudou a degradar dando contributos ativos para a instabilidade política.


A direita enfurece-se, mas não sabemos o que pretendia. Ganhou a eleições, é certo, mas por minoria. Será que esperava manter-se assim pelo tempo duma legislatura? Que tempo de vida esperava ter enquanto Governo? Será que apenas desejaria criar instabilidade governativa, política e social que não servia a ninguém, para depois provocar eleições antecipadas que eventualmente lhe trouxessem nova maioria absoluta? Falam em radicais de esquerda quando foram eles, na prática, radicais de direita.


Aguarda-se agora que o PSD mude e volte ao que era dantes. Quanto ao CDS-PP quem és e onde estás que não te vejo?…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:53

Votos de sucesso

por Manuel_AR, em 24.11.15

Votos de sucesso.png


 


Embora contrariado, o Presidente da República Cavaco Silva, finalmente, indigitou António Costa como primeiro-ministro do novo Governo de Portugal.


A responsabilidade é enorme. Ninguém lhe vai perdoar se falhar e voltar a défices excessivos que eventualmente possam dar lugar a novos resgates. Os partidos que se comprometeram dar apoio parlamentar ao governo PS não podem falhar. A direita que perdeu votos vai andar por aí atenta a tudo e tudo sirva para fazer oposição, por mais sórdida que seja. Aliás, como já tem vido a ser seu hábito.


Logo que a decisão do Presidente da República foi conhecida alguns partidos, nomeadamente o BE através de Catarina Martins perfilou-se frente às câmeras das televisões falando como se o seu partido fosse o principal e único protagonista das mudanças que constam do programa de Governo do Partido Socialista, esquecendo-se que houve outros parceiros na negociação. Nesse aspeto o PCP foi mais comedido. Esperemos que isto não sirva para começar a gerar conflitos tendo como base a propaganda partidária, que a oposição de direita irá aproveitar em pleno. Não é estratégico os partidos que assinaram o acordo iniciarem uma competição onde cada um pretende chamar a brasa à sua sardinha, o que apenas servirá para dar argumentos e razão à direita.


Das centrais sindicais e dos sindicatos nelas filiados espera-se uma contenção reivindicativa responsável.


Ao presidente da CGTP, Arménio Carlos, pede-se uma outra atitude e contenção verbal e parar com a contínua guerra aberta respeitando os outros dirigentes quer da UGT quer das associações patronais, da mesma forma que o respeitam a ele. Refiro-me, neste caso, ao presidente da CIP.


Arménio Carlos, quando fala, parece estar sempre em guerra aberta com todo e qualquer representante das confederações patronais quando em negociação ou em debates. Não negoceia, exige, reivindica, vendo apenas e só um lado da questão, esquecendo-se que existe uma economia para crescer e gerar postos de trabalho. Torna-se por vezes inconveniente, o que pode conduzir a ruturas que, nem agora, nem num futuro próximo, interessam a qualquer das partes, nem aos portugueses. Gerar conflitos apenas ajuda a direita. Não é o momento de vanguardismos de esquerda, mas de calma e consensos. Se assim não for quem ganha sempre é a direita. E, nas próximas eleições, se a direita volta a ganhar, as vítimas serão sempre os mesmos, os que afinal pretendem defender!


Pensem nisto.


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:47

Parcialidade de um presidente

por Manuel_AR, em 17.11.15

Parcialidade.png


 


Uma breve referência ao que se passou em Paris. Foi um exemplo lamentável do terror praticado contra a democracia e as culturas europeias que causou indignação mundial. Que mais se pode esperar de quem não respeita a sua própria cultura e regressa a um estado de barbárie? Esperemos que estes atos de extrema violência não sirvam de pretexto para que alguns ditadorzecos que por aís andam comecem a gritar aos quatro ventos, agitando os papões da segurança, dando oportunidade para porem em causa a liberdade democrática.


*


*   *


Vamos então voltar à nossa República começando pela expressão "ter dois pesos e duas medidas" segundo os Novos Dicionários de Expressões Idiomáticas – Português, Lisboa, Edições João Sá da Costa, 2006, «diz-se de pessoa que não usa de imparcialidade, isenção, equidade em seus juízos, atos, decisões», isto é, julgar de forma parcial duas situações iguais. Aquela expressão aplica-se na íntegra ao atual Presidente da República que tem demonstrado a sua aplicabilidade na prática corrente da sua política.


É o exemplar perfeito da falta de carácter político. Revanchista, tendência para ditador que, infelizmente para ele, não pode exercer como acha que deveria. Utiliza o poder que lhe foi concedido pelos eleitores para impor a sua vontade e do seu partido.


Nas suas intervenções proclamava a instabilidade governativa como prejudicial a Portugal sugerindo esse facto como prejudicial caso a coligação de direita não ganhasse maioria absoluta que agora parece ter deixado de ter qualquer importância. Num regresso ao passado relembra agora que ele, quando primeiro-ministro, e que no tempo de José Sócrates, que agora já serve de exemplo, também houve governos de gestão.


Ainda hoje numa missão de propaganda do ex-governo que protegeu voltou a elogiá-lo e regressou mais uma vez ao passado. Este Presidente não é mais do que uma pouca-vergonha para Portugal. Uma mancha na história da nossa democracia.


Os mercados, os credores já não são relevantes. Provavelmente, Cavaco Silva estaria interessado em que reconhecessem que havia instabilidade governativa para poder justificar as decisões políticas mal-amanhadas que viesse a tomar. Parece que os tais mercados não até hoje não o demonstram porque Lisboa dispara 2,5%. A melhor sessão desde as eleições. Isto também foi devido ao anterior Governo ou ao de gestão de Passos Coelho?


 Onde estão agora os superiores interesses da nação? O que diz e o que faz são antagónicos. "Agrei sempre…, mas sempre de acordo com os interesses superiores de Portugal...", proclama. Mas será? A prática não o confirma.


Cavaco Silva, enquanto Presidente, diz que não é político. Mas que afirmação mais disparatada. Não terá a função de Presidente da República, um dos órgãos de soberania, uma função também política. É um político até de mais agravado pelo seu partidarismo porque age como um Presidente partidário.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:18


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.