Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Mestre Escola.png


 


 


Durante o fim de semana da Páscoa foi um alívio não ter que apanhar sistematicamente com o primeiro-ministro Passos Coelho a entrar em casa pela porta dos canais televisivos de informação dos noticiários dos canais generalistas. Se entrou foi discretamente porque não o vi e ainda bem.


Não tenho nada contra os canais de televisão que têm o dever de informar o que anda por aí a fazer o primeiro-ministro. Aliás ele vai fazendo todos os possíveis por aparecer na sua campanha eleitoral, digo, pré-eleitoral.


Passos, durante as suas digressões pelo país, vai parando aqui e ali para umas inauguraçõezitas e uma ou outra reunião com estes, ou com aqueles. Faz-me lembrar um mestre-escola, antiquado professor do ensino primário com as suas preleções dum magister dixit, do tipo que não admite discussão. Enfim, talvez consiga uns votitos a mais que lhe deem jeito.


Até a história de Portugal lhe serve para o efeito. Depois de ter eliminado o feriado do primeiro de dezembro, comemoração da restauração da independência e da nossa soberania em 1640 que nos manteve, durante quarenta anos, sob domínio espanhol, o primeiro-ministro Passos Coelho, numa intervenção na localidade de Fronteira, piscando o olho ao voto das forças armadas, recordou a Batalha de Atoleiros em 1384 em que o exército português, comandado por Nuno Ávares Pereira, venceu as forças castelhanas. Se isto não é para rir o que será então?


Fala sobre tudo e vende a "sua banha da cobra", panaceia para todas as graves maleitas que atormentam o país. Tece elogios ao melhor dos mundos possíveis que é Portugal que ele ajudou a destruir, mas diz ter criado e melhorado, ao fim de quatro anos com uma maioria atabalhoada que governa por navegação à vista, fazendo tudo em cima dos joelhos das sumidades políticas, sem quaisquer avaliações de impactos. Sai mal? Tudo bem. Depois corrige-se. Esquecem-se que governam para as PESSOAS.


Passos Coelho defende até à saciedade elementos do seu governo com responsabilidades políticas que têm cometido erros graves que, em qualquer outro país não do terciro mundo, causariam demissões. Por cá, demitem-se ou obriga-se secretamente a demitir quem não tem responsabilidades políticas e, no limite, coloca-se-lhe uma ação em tribunal ou um processo disciplinar. Para cúmulo da hipocrisia fingem ter determinados princípios, ideias, opiniões ou sentimentos mas passam a seguir diligentemente a regra da omissão da responsabilidade política que eles próprios criaram.


Mas não ficamos por aqui. Começaram a lançar mais uma regra: colocar em causa a credibilidade das estatísticas do INE -Instituto Nacional de Estatística quando não lhes agradam os valores divulgados.


Quem iniciou esse estigma foi o próprio Pedro Passos Coelho confrontado pela oposição com os números de desemprego. Ele e um dos seus acólitos deputado, em pleno Parlamento, levantaram dúvidas sobre a divulgada revisão em alta da taxa de desemprego. O tal deputado chegou mesmo a dizer que "é preciso que o INE explique de forma muito clara como é que chega aos resultados e por que é que as estimativas para a taxa de desemprego têm variações tão significativas.". O que entretanto já foi mais do que esclarecido. O desemprego está mesmo a subir.


Mas há mais. Na passada terça-feira foi a vez do ministro da saúde, Paulo Macedo, colocar em causa um estudo do INE publicado no Dia Mundial da Saúde publicado na passada segunda-feira, aponta entre outras situações, para a diminuição do número de camas de internamento nos hospitais públicos e o aumento do crescimento dos hospitais privados. Paulo Macedo reagiu considerando que é uma "tolice" a comparação. Basta lermos o estudo para questionarmos qual será a competência de Macedo em análise e tratamento de dados estatísticos para criticar a credibilidade do INE. Ele e o seu primeiro estão em consonância. Não lhe agradam os números? Temos pena!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28

Dias em São Vicente, Cabo Verde

por Manuel_AR, em 31.07.14
Duas semanas de julho em S. Vicente, Cabo Verde, permitiram tirar centenas de fotografias e alguns filmes que não ficaram com a qualidade requerida. O fotógrafo também não era grande coisa.

Viviam-se as comemorações da assinatura da independência do país. Devido ao dia da partida perdemos o festival da kavala onde seriam apresentados pratos, confeccionados pelos "chefs" dos melhores restaurantes, com este peixe abundante em Cabo Verde. Valeu um livro de receitas com aquele peixe que o Embaixador Luís Fonseca, também autor do prefácio, teve a amabilidade de conseguir  autograr por todos quantos colaboraram na sua edição.

Dias maravilha, inesquecíveis, que os nossos primos Fernanda Fonseca e Luís Fonseca nos proporcionaram ao acolherem-nos na sua casa durante estes quinze dias que, se mais fossem mais ficara...




Estrada Marginal vista do alto da réplica da Torre de Belem no Mindelo

 


 


Réplica da Torre de Belém no Mindelo


 





Vista do Ilhéu frente à Praia da Laguinha

 





Monte Cara visto do recinto Ponto d' Água

 





No Estádio Municipal Adérito Sena no dia das comemorações da independência.

Desfile militar

 



 


No Estádio Municipal Adérito Sena no dia das comemorações da independência.

Exibição de ginástica rítmica

 





Pescadores descarregam peixe junto ao mercado do peixe

 





Vista da Marina e da Baía do Mindelo

 




Ponto d' Água - Local de Bares, lazer e Restaurante junto à Marina

 




Barco atracado frente à cidade

 




Monte Cara visto da Praia da Laginha

 



 


Ilhéu de S. Vicente


 



 


Ilhéu e a Ilha de Santo Antão com a neblina


 





Quiosque do Jardim da Praça Nova

 





Mindelo visto do Complexo Desportivo do Lazareto

 





Plano aproximado do Monte Cara




 


Cidade do Mindelo vista do lado extremo oposto da baía


 



 


Baía João d' Évora na face Norte da Ilha de São Vicente


 





Vista da Marina no alto do fortim

 





Fachada central da Camâra Municipal

 





Igreja Matriz

 





O Bar Algarve na Rua Lisboa

 





Por do Sol I visto do bar flutuante da Marina

 





Por do Sol  IIvisto do bar flutuante da Marina

 





Vista noturna do bar flutuante da Marina






Resort Foya Branca na Praia da São Pedro

 



 



 Resort Foya Branca na Praia da São Pedro


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:34

Cabo Verde 39 anos de independência

por Manuel_AR, em 09.07.14

 


Hoje, 5 de julho, o povo de São Vicente e de todo o arquipélago de Cabo Verde viveu e comemoraram os 39 anos da independência, este ano descentralizados.


Encontro-me na cidade Mindelo onde assisti a alguas da comemorações que tiveram grande adesão popular. Povo que vibrava sempre que a sua bandeira era apresentada durante as várias exibições de ginástica, prática de diversas modalidades de defesa pessoal, exercícios de aplicação militar e combate corpo a corpo, todas amplamente aplaudidas pelo povo que enchia o estádio Adérito Sena. Na véspera, no  centro cultural do Mindelo atividades culturais com a exibição  da banda do exército e do grupo coral de uma escola  


À noite num palco instalado  na Rua de Lisboa, frente ao Palácio do Povo, assistia-se a um concerto de música de popular de Cabo Verde por jovens e promissores artistas que proporcionaram um espetáculo de grande qualidade musical.


As minhas relações com Cabo Vede são de família e, como tal, sinto-me em casa.


 



 


 



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:02


Defenestração do traidor Miguel de Vasconcelos no Terreiro do Paço

 


A opção deste governo, de eliminar o feriado do 1º de dezembro a partir do próximo ano revela a ignorância e o desprezo pela cultura histórica e política de Portugal e pelo povo português. Não se trata de gozar mais ou menos um feriado num ano, mas o desprezo que estes senhores têm pelo nosso passado histórico, que lhes advém da formação que pagaram em universidades privadas, algumas de duvidosa qualidade e seriedade. Recordo-me, por exemplo, da extinta universidade moderna para não falar de outras que, apesar de terem qualidade pecaram ao oferecer licenciaturas que não deviam, o que levou a que a qualidade do ensino fosse posta em causa por uma condenação pública precipitada, que adveio do oportunismo de alguns deste senhores que nos governam.


Mas isto é revelador da fraca formação que compraram. O dia da restauração de Portugal tem um significado patriótico da restauração da nossa soberania e independência, da então monarquia portuguesa. Não por que eu tenha qualquer simpatia por tal regime político, mas porque o que estava em causa era precisamente a refundação da nossa independência e soberania, coisa que, hoje em dia está cada vez mais nas mãos de terceiros e que se agravou nos dois últimos anos.


Recordo-me, aquando da polémica sobre os feriados a eliminar, de ouvir alguns responsáveis no governo dizerem que este tipo de feriados já não diz nada às atuais gerações. Este argumento apenas confirma o que afirmei anteriormente, ignorância total sobre a nossa história e cultura e a falta de sentido patriótico.


O lamentável é que a ignorância atávica desta nova classe política deve desconhecer que, por exemplo, os Estado Unidos da América festejam com pompa e circunstância o seu dia da independência (Independence Day a 4 de junho). Acham de facto que as gerações atuais dos EUA desconhecem o significado daquela data e que a deixam de festejar? Seria impensável! Mas em Portugal é tudo pensável basta vermos e ouvirmos as entrevistas do primeiro-ministro.


A Alemanha tem um feriado oficial a 3 de outubro 2013 o Tag der Deutschen Einheit (Dia da Unidade Alemã) feriado oficial na Alemanha.


Em França no dia 14 de julho o feriado da Fête National de la France, data revolucionária francesa que se tornou festa nacional, e que é também conhecida como “o Dia da Bastilha" pois foi neste dia que foi tomada a prisão da Bastilha. Será que também aqui as atuais gerações que também não viveram o acontecimento deixaram de festejar este dia? Em Portugal há datas marcantes que são símbolos da nossa história como a Restauração de Portugal, o 5 de Outubro e o 25 de Abril que muitos querem fazer esquecer.


O mais grave é que as imposições vindas do lado da europa do norte, que não têm a mínima noção das tradições e cultura portuguesas são seguidas com reverência, seguidismo e sobreserviência, traindo o país, a sua cultura própria e os nossos princípios e valores sociais, coisas das quia aqueles países nunca abdicam. Passámos a ser uns "paus mandados".


A Restauração da independência que libertou Portugal de sessenta anos de domínio espanhol teve várias causas sendo as seguintes  as mais relevantes:



  • O grande descontentamento geral dos portugueses devido ao não cumprimento das promessas feitas nas cortes de Tomar.

  • Distribuição por Filipe II de Portugal (rei espanhol) de cargos da administração e do governo a espanhóis.

  • Aumento dos impostos, por Filipe III de Portugal (rei espanhol), que provocou várias revoltas populares.

  • Utilização das tropas e navios portugueses nas guerras espanholas contra ingleses, holandeses e franceses.


O que atualmente se vê é outro tipo de traições ao povo português por sujeitos sem sentido de estado, nem patriotismo, que ocupam o poder por questões pessoais que têm a ver, sobretudo, com a sua carreira ou, ainda, porque fora dos governos e da política, a maior parte deles não encontra ocupação.


Veja-se este estrato elucidativo do que foi a restauração da soberania portuguesa, extraído da História Concisa de Portugal pelo Prof. Hermano Saraiva:


“A revolta assumiu a forma de uma operação de surpresa sobre o palácio real. Em 1 de Dezembro de 1640, entraram de súbito no paço quarenta fidalgos, forçando as guardas, e procuraram o Secretário de Estado Miguel de Vasconcelos, cuja morte tinha sido previamente decidida. Abateram-no e forçaram a duquesa de Mântua, prima do rei de Espanha e vice-rainha, a escrever ordens para que as guarnições castelhanas do Castelo de S. Jorge e das fortalezas do Tejo se rendessem sem resistência. Só depois de concluído o golpe foi pedida a intervenção do povo. "Às dez horas do dia - havendo uma que o caso acontecera - andavam as mulheres apregoando peixe pelas ruas, fruta e mais coisas de venda, e nas praças e ribeiras [estavam] as padeiras e tendeiras com aquela paz e repouso que pudera haver se o negócio fora uma coisa de pouco mais ou menos...", diz um memorialista que tomara parte no assalto ao terreiro do paço. Todo o País aderiu à revolução, mal teve notícia dela. Algumas centenas de estudantes portugueses da Universidade de Salamanca voltaram para Portugal, para se alistarem nas fileiras. Mas dos numerosos nobres que se encontravam na corte de Madrid, quase todos ficaram ao serviço de Filipe IV.”.


 


Como é fácil perceber, os tais que se diziam patriotas e com sentido de estado, quando ao serviço do governo dos Filipes, preferiram manter os seus cargos ao serviço de Espanha do que voltar para servir Portugal.


Sobre as analogias que se podem fazer com a atualidade, cada um que faça as suas.


 


 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.