Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Educação ou má educação. Eis a questão!

Fundamentando uma opinião

por Manuel_AR, em 27.01.21

Escola e ma-educação.png

A leitura de um artigo de opinião que Henrique Raposo escreveu para o semanário Expresso sobre má educação levou-me a refletir um pouco e a esboçar a minha sobre o tema que o autor aborda. Antes, porém, devo dizer que concordo com a maior parte do que o autor escreveu, mas situemo-nos em primeiro lugar nos conceitos de educação que, neste contexto, entendo deverem ser esclarecidos.

Entende-se por educação o conjunto dos princípios, valores e normas de conduta socialmente transmitidas que estruturam a personalidade de um sujeito. Não confundamos com outro conceito de educação que é o processo educativo formal sob a forma de escolarização, isto é, de instrução em ambientes educativos especializados onde as pessoas passam alguns anos da sua vida.

Há quem pense que a má ou a boa educação terá a ver com a classe social...

Educação ou má educação.pdf

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29

Festa do Avante-2.png

Há alguns artigos de opinião escritos por profissionais jornalistas que são para mim de difícil compreensão. Goste-se ou não do que escrevem, concordemos, ou não, cada um pode escrever o que quiser sobre o que quiser e não os podemos criticar por isso.

Quando se trata de opiniões cujo tema venha em defesa de circunstâncias justificada por argumentos que, apesar de serem aceites como válidos, possam delinear em prejuízo da comunidade, pondo-a em perigo, parece-me inaceitável. Alguns dos argumentos são falaciosos e desajustados por comparações feitas entre diferentes realidades com características específicas. Comparar praias cheias em espaços largamente abertos e sem barreiras, que não sejam as barreiras de contacto social físico, onde pequenos grupos se dispersam, com eventos políticos, religiosos ou culturais de dezenas de milhar de pessoas realizados mesmo que em espaços restritos embora amplos e heterógenos, onde a tendência é o agrupamento inevitável, parece-me absurdo.  Quem leu o artigo de Henrique Raposo publicado no Expresso diário de 10 do corrente “Avante!: dez razões para a festa avançar” fica com essa impressão, e eu fiquei.

O artigo escrito pelo “liberal” de iniciativa, é ele que se define politicamente, não sou eu. Conforme com as suas próprias palavras: “Até vos digo uma coisa: se não tivesse a Iniciativa Liberal no boletim de voto, votaria PCP nas próximas eleições.”

Vemos que, de facto, o liberalismo, defende uma liberdade pela rebeldia, como escreve Henrique Raposo: “É urgente reforçar o lado da rebeldia e da liberdade numa sociedade tão paralisada, tão medrosa, tão obediente”. O que ele omite é que, na realidade, após instalada a rebeldia para reforço da liberdade, o novo Estado daí saído reforçaria de imediato a sua autoridade para depois exercer a repressão contra outra rebeldia instalada.  Nesse novo mundo da Liberdade neoliberal seria acionada para alcançar um “sol na terra”, nome com que em tempo o falecido Álvaro Cunhal designou a URSS em determinada altura, mas agora com sinal contrário.

Em tempos graves de epidemia quando na Europa se voltam a tomar medidas mais drástica para defesa da saúde pública o artigo está impregnado de inconsciência e desprezo pela saúde do próximo. Mais parecem argumentos de Trump e Bolsonaro, mas com mais sofisticadas palavras.

Henrique Raposo coloca a tónica sobretudo nos aspetos da economia ao longo de dez razões em que algumas mais me parecem ser conotadas com: morram muitos, adoeçam milhares, propague-se a doença, mas deixem-nos fazer o que quisermos para que tudo continue como foi no passado recente. Tudo ao molho e fez em Deus. É fazer saltar o simbólico Laissez-faire do liberalismo económico fundamentalista, na sua versão mais pura de capitalismo, para o Laissez-faire, Laissez-passer na saúde pública.

Henrique Raposo defende que a Festas do “Avante!” assim como qualquer outro evento cultural, desportivo e musical deveriam passar a deixar de ter quaisquer restrições. Leitura minha errada? Talvez, mas quem lê o artigo e não esteja na cabeça do autor é o que presume.

Há alguns, muitos, que não puderam, nem podem ficar em casa confinados (#ficaremcasa segundo o autor para seguir a moda do hashtag) porque têm de trabalhar. É certo. Entretanto ao ler o artigo uma dúvida me assaltou: será que Raposo não esteve confinado no acolhimento do seu lar escrevendo os seus artigos em segurança enquanto outros tiveram de sair de casa para os poder publicar, tratar da edição e fazer a impressão do jornal para onde escreve?

 Os argumentos utilizados pela direita radical liberal são argumentos semelhantes aos de alguma esquerda radical como o são, nesta matéria, alguns dos publicados por Raquel Varela que tive oportunidade de ler no seu blog durante março e abril. Defendem o mesmo contra as medidas de exceção, mas de sinal ideológico contrário. Aqui os extremos também se tocam.

Quando os da Iniciativa Liberal falam em Liberdade confundem o conceito para baralhar quem os escuta. O liberalismo económico sempre utilizou o conceito de liberdade absoluta para os da alta finança e, para outros, liberdade, mas pouca. Para isso, e se tal for necessário, coarta todas as outras liberdades e direitos. Os únicos direitos que defendem são a liberdade e o direito à obtenção de riqueza por qualquer meio, sem regulação, e o direito e a liberdade para a manutenção da pobreza e da liberalização do mercado de trabalho sem quaisquer restrições, porque deles depende a sua sobrevivência.  

Os neoliberais, ou aqueles que se intitulam de liberais, que nos seus discursos demagógicos e populistas usam a palavra liberdade e combatem a instituição do Estado democrático, porque querem que gaste pouco e cobre pouco, ou seja, que tenha pouco poder. Estes senhores ou não entenderam o que é o liberalismo e como temos de proteger as liberdades individuais no séc. XXI, combatendo os seus verdadeiros inimigos; ou só querem iludir as pessoas porque têm como cúmplices aquela pequena minoria que está a acumular todo o poder económico e financeiro para beneficiarem com o definhamento dos Estados democráticos.

Nas democracias liberais o Estado não é visto como um inimigo, é um catalisador e um regulador das liberdades individuais, isto é, de uma boa distribuição dessas liberdades por todos.

João Miguel Tavares, sendo de direita, também não entende a realização da Festa do “Avante!”  neste momento o que o leva a comentar no jornal Público: “Em bom rigor, até podemos dizer que esta Festa do Avante! é uma iniciativa antissistema; uma rebeldia contra a ditadura do medo na era covid. Infelizmente para o PCP, só mesmo os seus militantes e alguma direita (ler, por exemplo, o texto de Henrique Raposo no Expresso: “Avante! dez razões para a festa avançar”) é que conseguem ver a coisa dessa forma. O português comum olha para aquilo com o ar de que os comunistas se acham mais do que os outros e reclamam privilégios que estão vedados ao comum dos mortais. E assim, para o PCP ganhar mais umas massas, o Chega vai ganhar mais alguns votos. É um mau negócio.”

O autor Henrique Raposo é um dos que diz ser liberal que vem em defesa do PCP e da sua festa, que passou a ser, por conveniência, um evento político. Os liberais que apregoam serem contra o Estado social e são pela baixa de impostos e contra toda a espécie de estatização em nome dos sistemas financeiros e os outros que defendem o contrário em nome da justiça social. Vamos lá entender esta gente dos liberais. Há um motivo: atacar utilizando a pandemia o PS e o Governo.   

Enfim, os argumentos de alguma direita radical mais parecem estar a fazer oposição ao governo e às medidas que têm sido adotadas para combate e minimização da covid-19 e são os mesmo que defendem a total liberdade em tempo de pandemia e que, caso esta ficasse sem controle, atacariam o poder por este não ter tomado medidas. Conhecemos muito bem o jogo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52

Os almofadados

por Manuel_AR, em 18.03.14



Será que já não se pode, nem deve, discutir os problemas do país por causa dos mercados?


Será que já não se pode apresentar alternativas diferentes do poder estabelecido?


Será que passou a haver uma censura, já não através do lápis azul, mas de pressões de outra natureza por causa dos mercados, da Merkel ou de qualquer outra desculpa?


 


O manifesto "Preparar a Reestruturação da Dívida" provocou no primeiro-ministro e nos setores neoliberais uma polémica desnecessária, nomeadamente nos comentadores e jornalistas que apoiam e defendem as medidas do Governo.


Escreveram-se e verbalizam as maiores atrocidades e disparates, algumas ofensivas, sobre as personalidades que subscreveram o manifesto, para além de mentiras descaradas ditas por irritadiços jornalistas dos jornais económicos onde a falta de isenção foi mais do que evidente.


Foi longe demais o descaramento ao expressarem nos seus comentários sectários, frente às câmaras de televisão, mentindo sobre o conteúdo do manifesto deturpando o seu sentido e acrescentando da sua lavra o que muito bem entendiam para confundir a opinião pública.


Estes sujeitos sabem que aqueles para quem falam e escrevem não têm acesso ao documento ou, não têm a formação suficiente para o descodificarem e, por isso, reservam-se o direito de fazer interpretações falseadas do seu conteúdo. Para o confirmar bastaria que fosse lido com atenção.


Clara Ferreira Alves, no último programa Eixo do Mal, foi clara no seu esvoaçar de borboleta, desta vez, fazendo voos de toca e foge às posições defendidas por Passo Coelho no que respeita ao momento próprio para o manifesto que, segundo ela, já devia ter sido feita há mais tempo e referindo-se à Alemanha como a "Grande Alemanha". Até falou em "haircut" da dívida coisa que nem está no manifesto. É notório, ao longo dos programas, o seu esvoaçar de pensamento errático não clarificando a sua posição. Como ainda não tem almofada procura uma com todo o afinco.


Jornalistas e comentadores têm o direito e a liberdade de exprimirem livremente a sua opinião dentro de uma ética e moral que não agrida a liberdade dos outros, o que nem sempre é praticado.


Aqueles a que me refiro defendem até à exaustão Passos Coelho e as suas políticas, e enodoam a maior parte das vezes a opinião pública com propaganda descarada, na expectativa de poderem obter uns cargozinhos pagos à custa dos nossos impostos. Veja-se a o caso de Pedro Lomba.


Mas há mais, por exemplo Henrique Raposo, nas suas opiniões demagógicas, às vezes futurológicas, transforma o manifesto como se fosse uma discussão menorizada sobre as reformas dos que a assinaram, o que revela a pequenez duma mente que avalia a dívida portuguesa, que é grave e necessita de alternativas, como uma questão de receber ou não receber reformas. Este escriba de opiniões tem responsabilidades porque escreve no Jornal Expresso. Apesar de muito expectante e pessimista no que se refere à sua futura reforma está de certeza bem almofadado. Como o estão, decerto, todos que ele apoia e fazem parte do governo.


Defendem medidas iníquas e desproporcionadas a aplicar a outros porque sabem que não serão atingidos por elas e, mesmo que assim fosse, estariam bem almofadados para ficarem sempre bem acomodados.


Eruditos jornalistas e comentadores, nas suas crónicas e comentários opinativos, têm vindo a alinhar e a subscrever as medidas do Governo e temem que se proponham outras alternativas que possam colocar em causa as suas próprias crenças que vêm apregoamndo durante tanto tempo. Até o próprio primeiro-ministro, creio que sem ler o documento, irracional e emotivamente, entrou quase em pânico atirando para os jornalistas disparates vagos e sem consistência.


A questão que se coloca é a saber qual é o problema de cidadãos chegarem a um consenso sobre determinados pontos, tão fundamentais para o país, e não poderem e não deverem ser discutidos publicamente. A desculpa já gasta é a dos mercados e da credibilidade. Quer dizer, qualquer debate interno, sobre política económica e assistência financeira, num país livre são à partida coibidos de poderem ser refletidos e discutidos. Será que já não se pode, nem deve, discutir os problemas do país por causa dos mercados? Será que já não se pode apresentar alternativas diferentes do poder estabelecido? Será que passou a haver uma censura, já não através do lápis azul, mas de pressões de outra natureza por causa dos mercados, da Merkel ou qualquer outra desculpa?


Apresentam os papões dos mercados, da troica, do protetorado, da credibilidade.


Os portugueses já não temem os papões porque maior papão do que este Governo não deve existir.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:24

Neoliberalismo alimentar contra a fome

por Manuel_AR, em 13.12.13



Tenho um enorme respeito pelo Banco Alimentar contra a Fome e pela obra desenvolvida e muitas vezes tenho contribuído quando e conforme posso. Deste modo, tudo quanto venha a dizer a seguir trata-se apenas de um comentário ao artigo de opinião de Henrique Raposo intitulado “O Banco Alimentar e o Ódio” publicado no jornal Expresso de 7 dezembro último e em nada tem a ver com a minha posição sobre



 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.