Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


OPINIÃO

Jornal Público-logotipo.png

Não sabe o que é o nó górdio? Se não sabe devia saber

José Pacheco Pereira

In Jornal Público, 2 de julho de 2020

turnover geracional político e jornalístico criou uma espécie de simbiose no pensar, no falar, no viver entre os jovens políticos e jornalistas.

Ele há dias, em bom rigor cada vez mais dias, em que o meu interesse pela política corrente portuguesa, se não é nulo, é quase nulo. Não é uma atitude aconselhável, porque o desinteresse pela coisa pública não é uma atitude cívica que se deva ter, mas não consigo, pura e simplesmente não consigo, passar o dia a ouvir e a ler sobre as trapalhadas entre António Costa e Pedro Nuno Santos, ou sobre a tragédia da menina Jessica, ou sobre as “contingências” na saúde, ou as ciclópicas tarefas do novo líder do PSD. No entanto, em todas estas histórias há aspectos relevantes, seja a qualidade da acção governativa, seja o retrato da miséria física e moral do mundo da pobreza e a sua implícita violência, seja o conflito larvar entre corporações poderosas, interesses privados e, de novo, a incompetência da governação, ou sobre o dilema entre uma oposição dos decibéis ou uma oposição reformista num país demasiado pequeno e atrasado para poder ultrapassar os interesses instalados.

De novo, insisto, tudo isto é relevante e não merece indiferença, mas… a pasta informativa que nos é servida todos os dias transforma-o numa espécie de puré de batata, ou melhor num puré de maçã adornado por frutos vermelhos e uma pétala ou uma pequena flor por cima, como um pastiche da pseudo-comida francesa que por aí se come. E quando não é só isso, no meio do puré está um fio de veneno, com a crescente politização escondida da informação, que torna mais saudável ler o Abril, Abril, um site informativo do PCP que não engana ninguém, do que a mais sofisticada e profissional manipulação da Rádio Observador pelas manhãs. Isto para quem não seja seguidor de Mitridates do Ponto, como eu sou há muito tempo, e corra o risco de se envenenar mesmo a sério.

A culpa é dos jornalistas? Já foi mais do que o que é, porque, entretanto, o turnover geracional político e jornalístico criou uma espécie de simbiose no pensar, no falar, no viver entre os jovens políticos e jornalistas - jovem aqui segue o critério do Konsomol - que cada vez são mais parecidos na visão do mundo, no vocabulário, no modo de viver entre si, na frequência de lugares, de restaurantes, de leituras, de “sítios”, do que vêem na televisão e ouvem na rádio, que se entendem como quem respira. É uma coisa que se tem vindo a desenvolver nos últimos anos, uma comunidade de vida e cultura, uma redução da política a critérios mediáticos, uma espécie de contínuo entre a má política e o mau jornalismo feito de uma atenção quase obsessiva às chamadas “redes sociais”, de uma redução da complexidade a favor de um simplismo redutor, de uma pobreza vocabular de que resulta numa incapacidade expressiva e, por isso mesmo, ou uma brutalidade argumentativa ou uma sucessão de lugares comuns, muito pouco estudo e uma dose exagerada de comentários e debates televisivos.

Todos os rodriguinhos dos nossos tempos são absorvidos, quer como aspirações, quer como tabus, com um medo pânico e um não-pensar em relação às matérias proibidas, seja o racismo, seja a homofobia, seja a condição feminina, seja, noutra área de “negócios”, a interiorização da economia da troika, a começar pelo PS. A indiferença face aos estragos feitos à língua portuguesa pelo Acordo Ortográfico, que só subsiste pela inércia cultural da ignorância, é mais difícil de mudar do que pôr-nos a todos a dizer “todes” para sermos politicamente correctos.

Viver vidas a sério, ou seja as que têm dificuldades e escolhas, não garante experiência, mas as vidas de plástico aproximam-se muito do mundo imbecil das/dos influenciadores das revistas do jetset. Esperem para chegar a praia e vão ver como é. Ler muito também não garante nem qualidade nem razão, mas ler pouco garante muita ignorância e, para quem vive num mundo com uma forte componente explícita de símbolos e escondida de interesses, resulta num modus operandi de rotina e incompetência e de serviço aos glutões que por aí andam e comem estes políticos e jornalistas ao pequeno-almoço.

Dizer isto é elitismo e sobranceria? Talvez. Mas tenho por mim a memória de José Medeiros Ferreira e um seu momento numa entrevista em que falou do “nó górdio”, e a jornalista perguntou-lhe o que era. Medeiros Ferreira irritou-se e respondeu: “Se não sabe devia saber”.

O autor é colunista do PÚBLICO

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:41

cavaco-silva-8.jpg

Os portugueses sempre foram sebastianistas não nos amidaremos, portanto, que andem sempre à procura de um qualquer salvador que um dia surgir. Mas, quando aparece, e começa a “tratar-lhes da saúde” assobiam para o lado e queixam-se para o vizinho do lado que nada teve a ver com o caso.

Após a eleição de Luis Montenegro para líder do PSD saiu outra vez do refúgio desta vez com o impacto que desejaria e daí esperarmos que aproveitará ou criará as oportunidades que surjam para poder sair mais vezes.

Desta vez, numa entrevista à CNN feita por uma espécie de múmia jornalística que olhava embevecida para o entrevistado que criticou a comunicação social que, disse, ter ajudado António Costa e o PS a obter maioria absoluta. Esperemos, que essa mesma comunicação social não se sinta atingida nem culpabilizada e não corra a fazer a contrição e lhe dê agora um protagonismo indevido, exagerado e imerecido, encurralada por uma múmia política fora do seu tempo. Portugal, de tempos a tempos, seja nos bons ou maus momentos, sobretudo nos de crise, refugia-se no elogio ao passado, numa espécie de purga para solução dos problemas.

Cavaco Silva saiu da inércia parcial a que se dedicou, salvo em aparecimentos pontuais para lançar memórias e outros escritos que a sua autoestima lhe dita e para conseguir algum protagonismo que acha lhe ser devido.

Cada vez que aparece à tona as suas mensagens são azedas, prenhes de pessimismo e despeito. É uma espécie de profeta e arauto da desgraça dirigida aos da sua fação, mesmo que os resultados demonstrem o contrário.

Não admira que ainda haja saudosistas dessa figura mais ou menos austera, salazarenta, pouco sociável, que se dedicou à observação das cagarras no final do seu lúgubre mandato presidencial. Este personagem que se transformou numa caricatura de político saiu ressabiado por António Costa ter conseguido formar uma maioria de esquerda de incidência parlamentar estável, contra a previsões da figura sinistra da presidência que, se o conseguisse, permitam-me a especulação, imporia uma democracia musculosa ao país, depois de ter dado descaradamente a mão a Passos Coelho para a manutenção de um governo minoritário saído das eleições legislativas de 2015.

Com a maioria absoluta do PS os traumatizados da direita vão aproveitar tudo quanto vier à tona para desclassificar, desgastar e corroer António Costa e o PS. Veja-se o que, uma tal Pipa, escreveu num comentário um artigo de opinião que Cavaco Silva escreveu para vermos ao que chega o disparate, a falsidade e as mentiras que se escrevem:

“Que grande lição! Com uma oposição em condições e uma comunicação social isenta nunca o Costa seria reeleito, muito menos com maioria. Estamos a ser ultrapassados por todos os países de leste, o povo está esmagado e empobrecido por impostos e um salário médio quase igual ao mínimo, sem crescimento, com dívida pública brutal, com uma inflação gigante e são negados aumentos de salários/pensões, uma gestão desastrosa da pandemia, um SNS de rastos, um sistema educativo miserável, uma emigração em massa ao nível dos tempos de Salazar... e mesmo assim este homem foi premiado com uma maioria absoluta? De fato controlar as TVs e a sua propaganda diária pró-PS faz milagres.”

Quem escreve uma tal verborreia pertence à fação dos que já se esqueceram do tempo do governo de Passos Coelho com o apoio, do na altura, do presidente Cavaco. Este comentário totalmente deturpado e de mentira intencional foi objeto de desmontagem num outro artigo de opinião da Bárbara Reis no jornal Público.  Se analisarmos o texto do dito comentário está próxima das palavras de ordem da extrema-esquerda que poderá estar a colar-se à direita para fazer oposição ao PS.

 

 

Para se presentear com algum protagonismo e sair da toca do esquecimento veio agitar divisões e prejuízos idênticos aos que provocou no tempo da troica fazendo com o seu dileto aprendiz Passos Coelho

Os regressos ao passado agravando divisionismos não têm dado bons resultados, mas eles continuam a ressurgir em Portugal e por essa Europa e Cavaco parece estar a surfar nessa onda.

Cavaco Silva foi muito claro ao dizer na entrevista que o PSD tem que falar para todos mesmo para aqueles que não gostam do PS (o sublinhado é meu).  É óbvio que está a conotar-se com o GHEGA e com a IL. O extremismo de direita está bem presente neste pensamento de Cavaco que não consegue disfarçar.

Saudosistas e admiradores acríticos da personagem prestam-lhe vénia com elogios à mistura sobre a sua “vasta obra de escritos” ou, no dizer de João Miguel Tavares, “vários textos marcantes ao longo da carreira”. Para alguns, felizmente poucos fiéis adeptos, Cavaco será uma figura sábia, portanto, digna de qual Prémio Nobel da literatura, da economia, da política, da democracia, isto digo eu. Isto tudo porquê? Apenas e por causa de um artigo critico que ele escreveu sobre António Costa. É que, não sei se se recordam, a memória do povo é fraca, mas a ira e a fria vingança estão instaladas nesta mesquinha personagem da política que não consegue esquecer e distanciar-se dos constrangimentos, ressentimento e revolta que António Costa lhe causou no final do seu mandato ao ter que aceitar a negociação parlamentar com o PCP e o BE que veio a ser a causa do derrube do governo de Passos Coelho e à maioria de esquerda encontrada no âmbito da Assembleia da República, a tal “geringonça”.

Cavaco não consegue ver a três dimensões, vê a política a uma dimensão, a dele.

Atualmente, por coincidência, ou não, depois de Luís Montenegro ter ganho as eleições para a liderança do PSD Cavaco, mais uma vez, saiu da sua letargia e os seus admiradores incondicionais apressaram-se a elogiar os mandatos de primeiro-ministro marcados pelo betão e pelas obras megalómanas para que ficasse na história. Momentos de reconstrução com fundos europeus que Cavaco não fez mais do que a sua obrigação, utilizá-los para desenvolver as infraestruturas de Portugal.

E, claro, Montenegro irá ser um fiel seguidor “offline” dos doutos conselhos cavaquistas. Não é por acaso que surge neste momento o artigo de opinião crítico a António Costa. Atrevo-me a dizer que irão surgir aparições e convites mais frequentes nas televisões desse santo padroeiro por parte do PSD. Aliás, não tardou e a CNN já iniciou o périplo dando-lhe voz onde começou a atirar a todos os alvos numa simbiose de ira e vingança onde teceu duras críticas à liderança de Rui Rio e elogios a Luís Montenegro.

Não terá sido por acaso que que Cavaco surge logo após a vitória de Montenegro, este sabe que sabe terá nele um precioso auxiliar na oposição ao PS que já iniciou ao sair da toca dos políticos escondidos. Cavaco sabe que é o momento para voltar ao protagonismo.

Estamos a ver que as previsões/especulações sobre Montenegro que tracei num blogue anterior começam a verificar-se. Montenegro não só é seguidor de Passos Coelho, como também vê em Cavaco o seu inspirador político.    

Cavaco Silva pretende mostrar-se como um visionário da política por antecipação e procura teorias da conspiração. Veja-se esta com base numa afirmação de Rui Rio proferida em abril de 2019 quando disse que “Nós não somos de direita. Nós somos do centro, somos moderados”. Afirmara ainda Rui Rio, líder dos sociais-democratas que “votar no PSD dá garantia de moderação”. E, claro, a douta personagem infere que “Foi um erro o PSD deixar-se enlear numa dicotomia direita esquerda”. E acrescenta que “era uma armadilha montada pelo PS e alguns órgãos de comunicação social para desqualificar o PSD e impedir alguns votantes de saírem do PS para votarem no PSD”.

Altas conspirações e conluios entre um partido e órgãos e comunicação. Mostra também a sua ira contra” alguns” órgãos de comunicação social, talvez, a SIC porque não lhe dará a papa que ele gostaria.  Num processo de avaliação não sei se não ficaria bem classificado numa escala de senilidade.  

Duvido que este político “sagaz” não consiga discernir que muitos do que não votaram PSD saíram para a IL e para o CHEGA. Mas, ao elogiar Montenegro, vem reforçar a ideia de que é um péssimo líder e vai matar o PSD. Problemático será se, como prevejo, novas lideranças venham a cheirar tanto a bafio como estes "antiquíssimos".

Em resposta ao artigo de opinião de Cavaco Silva publicado na passada quarta-feira, em que disse desafiar António Costa a “fazer mais e melhor” do que ele próprio fez nos seus governos maioritários. O atual líder do executivo afirmou na sexta-feira seguinte que está “preocupado com o futuro dos portugueses”, ao contrário de Cavaco Silva, que diz estar preocupado “com o seu lugar na história”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:08

Opinião

O “fetiche” de Jerónimo de Sousa

Há um discurso oficial e há outro mais soft para o comentariado nacional? Não é Paula Santos que tem que se vir explicar sobre a Ucrânia pela enésima vez. É Jerónimo de Sousa.

Jerónimo de Sousa irritou-se (caso inédito) com os jornalistas por lhe perguntarem na Avenida da Liberdade, no final do desfile do 25 de Abril, por que razão não usava a expressão “invasão” quando se referia à situação de guerra na Ucrânia. O problema aqui, veja-se, residia nas perguntas dos jornalistas que, segundo o secretário-geral do PCP, eram absurdas.

Absurdo é o facto de o PCP ter duas caras nesta questão da guerra na Europa. No recente debate sobre o Orçamento do Estado para 2022, a 26 de Abril, o deputado comunista Bruno Dias admitia que se estava perante uma invasão: “Nem a guerra na Ucrânia começou a 24 de Fevereiro, já durava há oito anos, nem os problemas de que estamos a falar começaram com a invasão da Ucrânia em Fevereiro”. Na comunicação social, instados a comentar o caso, vários dirigentes também o fizeram na mesma linha, como António Filipe, na CNN em Março, altura em que ainda era vice-presidente do Parlamento (“há uma invasão que todos condenamos”) ou João Ferreira, ex-candidato presidencial, na SICN, que declarou que o PCP faz uma “condenação clara e inequívoca da violação da integridade territorial da Ucrânia, o uso da força, e que a invasão da Ucrânia é, à luz do direito internacional, inaceitável e merece condenação”.

Jerónimo de Sousa tem deixado o odioso da questão com a líder parlamentar do PCP, Paula Santos, que deu conferências de imprensa para anunciar que os deputados do PCP iriam faltar à sessão plenária em que o Presidente da Ucrânia ia ser ouvido via video-conferência (levando até um puxão de orelhas público do presidente da Assembleia da República que ficou a saber pelos media) e para comentar, mal terminou, o discurso de Zelenskii que fizeram questão de não ouvir in loco no hemiciclo.

Se pesquisarmos no site do PCP, em lado nenhum aparece a expressão “invasão da Ucrânia” a propósito do que se passou a partir de 24 de Fevereiro. E no célebre comício do PCP no Campo Pequeno em que Jerónimo de Sousa foi efusivamente aplaudido, alguém se recorda das exactas palavras do líder?

Pois bem. Há um discurso oficial e há outro mais soft para o comentariado nacional? Não é Paula Santos que tem que vir explicar-se sobre a Ucrânia pela enésima vez. É Jerónimo de Sousa. Portanto, que se faça a pergunta novamente. Pode ser que para a próxima o secretário-geral do PCP tenha uma resposta mais bem preparada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:43

Direita Chega-IL.png

…”quem diz que os votos do Chega se devem somar aos do PSD e da IL assume que o racismo, a xenofobia, o apoio a retrocessos civilizacionais e a vontade de destruir princípios básicos do estado de direito faz parte do património político da direita portuguesa. Não faz.”

(Pedro Marque Lopes, in Facebook)

Comentários e opiniões sobre a maioria absoluta do Partido Socialista arrastam-se no resultado das eleições de 30 de janeiro. Recomendações, regressos ao passado do “socratismo” pré-troika, da troika e do pós-troika. Ele são os cavaquistas; ele são os da crença num movimento profético que surgirá em Portugal pela mão “passista”; ele são os traumatizados que viram em 2015 uma maioria relativa, mas sem maioria parlamentar, desaparecer por via de uma “geringonça” que conduziu ao desaparecimento político de Passos Coelho; ele são os que, ainda a medo e aos poucos, vão clarificando as suas opções ideológicas extremista de direita; ele são os que pretendem colar os jovens aos votos na Iniciativa Liberal; eles são os que acusam os mais velhos de terem contribuído para a maioria absoluta do PS. Há-os para todos os gostos e feitios.

As minhas previsões para a política dos próximos quatro anos vão ser anos do tipo “annus horribilis”. Não consulto oráculos, não faço profecias,  nem tomo o lugar de Pítia portuguesa, mas os próximos anos vão ser extremamente ruins.

O Partido Socialista irá confrontar-se com o circo propagandístico do partido extremista CHEGA na Assembleia da República, com as violentas oposições que virão da direita e da esquerda e pelos apaixonados, emotivos e facciosos jornalistas, natas dos artigos de opinião, comentadores em muitos jornais, rádios, televisões e por aí fora.

Não perdem tempo basta lermos, vermos e ouvirmos o que se publica e se profere, e o que ainda se publicará e divulgará na comunicação social. A espécie de “perseguição” ao Governo proveniente da maioria absoluta não seguirá dentro de momentos já está no ar.

Um outro contributo para o possível annus horribilis virá do PCP cujo seu líder, Jerónimo de Sousa, já voltou ao apelo à “luta de massas”, (leia-se luta de classes) a que, por acréscimo, irá certamente juntar-se o BE. É o contributo “democrático” destes partidos. Quando perdem lançam-se numa espécie de “contra a decisão do povo”. Não aceitam o escrutínio eleitoral. É a ditadura das massas. Não aceitam a democracia tal como ela é, não assumem a derrota e ameaçam. Aliás Jerónimo não assume erros na campanha, apenas “desvantagens”, e apela à “luta de massas”.

Haverá momentos em que as direitas que se dizem contra a esquerda radical e contra a “geringonça” irão alinhar com as duas extremas-esquerda para causarem pressão sobre o governo socialista liberal que recusa o dualismo irredutível, que sempre recusou, e prefere, a integração e o compromisso como a principal maneira de escapar tanto da armadilha extremista da direita neoliberal, quanto da coletivista.

A imprensa politicamente de direita como o Observador, o Nascer do Sol, o Novo e outros jornais, rádios e televisões já estão a postos, na atual situação pós-eleitoral com opiniões e comentários editoriais, com as escolhas das personalidades que entrevistam e que, com mais veemência, criticarão e criticam o “socialismo”, e a “ditadura do PS” e de António Costa. Até agora que até agora têm estado mais preocupados com o estado do PSD e com a perspetiva da saída de Rui Rio. Alguns até estarão muito mais satisfeitos com o desastre do PSD e com a queda certa de Rui Rio do que com a maioria absoluta do PS.

Mas temos ainda a imprensa que aconchega os partidos radicais de direita que estão contra os mais elementares direitos. Será a bem de todos os portugueses ou apenas de alguns? Veja-se esta pérola publicada no jornal Nascer do Sol:

Qual medo da covid-19, qual quê? Medo, sim, é de perder a pensão, o subsídio de desemprego ou outra prestação assistencial qualquer, o Serviço Nacional de Saúde gratuito, a escola e os livros escolares e computadores à borla, a segurança do lugar e do vencimentozinho na Função Pública, o Estado-providência e redistribuidor da riqueza que é incapaz de gerar. O resto que se dane”.

O autor da opinião fala do ‘papão’ da direita liberal que se criou. Não se engana é mesmo. E pergunta no título “Quem tem medo do liberalismo?” A resposta é fácil, muitos milhões de portugueses.

Não me interessa neste caso o contexto donde foi retirada a citação, mas é de facto isto que os portugueses de norte a sul poderão esperar de partidos orientados contra os princípios mais elementares de vivência numa sociedade democrática lançaria centenas de milhares de pessoas num gueto social e numa pobreza ainda maior do que aquela já temos.

É de facto isto o que os liberais radicais de direita pretendem quando falam em reformas do Estado. Acabar com a assistência; acabar com o ensino público e pôr os jovens a pagar propinas no privado; acabar com o SNS ou mantê-lo apenas para indigentes e passar a saúde para o privado; reduzir reformas e, se possível, acabar com elas; reduzir o Estado e os seus trabalhadores, para que os dinheiros públicos sejam desviados para investimentos privados lucrativos que, em vez de criarem riqueza como dizem, geram lucros para distribuir por acionistas. Note-se que sou a favor da iniciativa privada enquanto geradora de riqueza, mas não com a que eles não dizem, mas que está nas entrelinhas.

Deparamo-nos com alguns dos tais fazedores de opinião a darem tratamento elogioso aos novos partidos radicais de direita que entraram na Assembleia e que falam em nome de uma “juventude” que mobilizaram e do seu dinamismo e que terão, presumivelmente, com esses partidos uma “nova”, e mais eficaz, oposição. Esta argumentação é mais evidente com a IL.

A atitude dos da IL é mais galante, mais simpática, deixando esbaterem-se as “linhas vermelhas” programáticas. Em comparação o Chega não tem compostura nas relações sociais, é grosseiro, raiando a agressividade e a má educação.

Mas o problema que se coloca é a da IL vir a ser um engodo para os jovens por os fazer pensar que, por exemplo, na profissão docente ou noutra qualquer, será a IL a dar-lhes melhores perspetivas de futuro. O neoliberalismo poderá trazer vantagem a uma reduzidíssima elite de "ganhadores" das start-ups, enquanto todos os outros, os "perdedores", ficarão cada vez mais pobres. Porque é óbvio que nem todos poderão ser empresários de sucesso e se limitarão a ser trabalhadores por conta de outrem que ficarão sem instrumentos de regulamentação de trabalho.

Foi a ameaça de um Estado e de uma economia neoliberal que levaram o povo a concentrar o voto no PS e a dar-lhe a maioria absoluta e isso Cotrim Figueiredo e muitos outros não terão percebido.

O Chega não é o “fofinho” da direita, procura a senda do retorno ao passado encoberto por alguns ajustes. Defende um conjunto de medidas que vão no caminho do ensino do passado cujos “conteúdos” foram vivenciados pelos mais velhos, mas que poderá atrair os mais novos a quem o passado nada diz por terem sempre vivido em liberdade.

O professor do programa é Gabriel Mithá Ribeiro (podem ver o que ele tem a dizer sobre o ensino aqui). Claramente tem defendido a valorização da ordem, da autoridade e da hierarquia, da família e da nação, combate ao valor da “solidariedade” trazido pelo 25 de Abril que para ele é um movimento secundário face à “autorresponsabilidade”, reabilitação da história colonial portuguesa e negacionista do racismo na atualidade.

Afinal podemos ter um espírito aberto e ao mesmo tempo crítico sem, contudo, acreditarmos em tudo o que nos dizem. Podemos fazer perguntas às quais ainda não nos deram respostas objetivas.

O que propõem, ou melhor, o que prometem estes partidos que dizem ter soluções para bem do país e do povo? Falam em reformas em sentido lato; falam na reforma dos Estado sem dizer em quê e como; falam em mudar a vida das pessoas (em quê e a quais pessoas?); falam em baixa de impostos sem dizerem como e quando o farão.

Outras perguntas se podem ainda fazer: como pensam os eleitores que aqueles partidos irão contribuir para melhorar a sua vida e a do povo em geral? Por que razões defendem com tanta veemência esses partidos os seus apoiantes? Como pensam que ficaria Portugal sob o domínio desses mesmos partidos? Para o justificarem adjetivo “melhor”, sem mais nada, não serve.

Que vantagens obteriam com maiorias destes partidos? A resposta tirar o socialismo do poder não serve.  O derrube do PS e de António Costa que vantagens traria para o país e para eles próprios? Estará esta gente preocupada com o país e com as pessoas que nele trabalham e vivem? Os órgãos de comunicação social de direita e de quem com ela se identifica estarão de facto preocupados com a vida dos portugueses em geral ou com apenas a de alguns?

As perguntas parecem ser redundantes, mas é mesmo assim. Naqueles partidos as propostas também são redundantes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:33

PSD diretas-sebastianismo (1).png

A propósito das eleições diretas no PSD, independentemente de quem as ganhe, é fácil antecipar que, durante as próximas semanas, ouviremos falar de entrevistas e comunicações até à saturação sobre a derrota ou a vitória de um dos ainda candidatos.

Permito-me fazer um prognóstico sobre quem vai liderar o PSD, se Rio ou Rangel. Com a esperança de me enganar acho que Rangel será o ganhador. E, se o for, é válido o pensamento de quem considera que foram comentadores na maior parte da comunicação social que para isso contribuíram.

Para os militantes do PSD, se não a maioria, o partido está há cerca de seis   anos fora da governação do país, e a saudade é muita, e muitos dos seus boys anseiam por cargos. Muitos embarcam no mito tipo sebastianista, isto é, delírio sentimental e ideológico, para eles verdadeiro, embora racionalmente falso. O “passismo”, é o motor dos militantes e adeptos do PSD que os força a acreditar na personificação de Passos Coelho e do seu ideário em Paulo Rangel.

 Como também salientei no  blogue com o título “As eleições diretas no PSD que podem transformar-se em indiretas” Sousa Tavares escreveu no semanário Expresso: “Rangel recusa-se a dizer o que fará se ganhar sem maioria absoluta ou que lhe permita governar em coligação à direita ou o que fará se o mesmo acontecer ao PS; Rio diz que o interesse do país e da governabilidade está à frente do interesse do partido e, portanto, facilitaria um Governo do PS minoritário, esperando que o PS fizesse o mesmo a um Governo PSD minoritário.”

A grande diferença é que Passos Coelho quando primeiro-ministro era pouco palavroso, nada meloso, pouco demagógico, transmitia segurança mesmo a quem não aderia às suas ideias neoliberais e, sobretudo, não era propagandista de ideias falsas, fazia o que estava nos seus projetos mesmo sabendo que desagradava, ao contrário de Rangel cujo discurso é perigosamente demagógico e falacioso e vive num ideal só dele sobre o que acha deve ser será um opositor e um primeiro-ministro.

Desde então a verdadeira identidade política do PSD foi-se perdendo com o Governo de Passos em coligação com Paulo Portas sob supervisão da troika. Estava a reajustar-se com Rui Rio quando apareceram os antigos apoiantes das políticas de Passos como Luís Montenegro e, recentemente, Paulo Rangel que irá contribui para a lavagem daqueles anos que tem estado em curso, para gáudio dos nostálgicos passistas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59

Esquerda desconcertada (1).png

A propósito da crise gerada pelo BE e pelo PCP que estes partidos pretendem imputar ao PS, o desconcerto de Catarina Martins do Bloco de Esquerda, coadjuvada por opiniões e comentários de Francisco Louçã Fernando Rosas e Daniel Oliveira e outros comentadores, cada um ao seu estilo, saem do quadro da razoabilidade política.

Catarina Martins dia sim, dia sim, afirma que o Primeiro-ministro “quebrou pontes com a esquerda na obsessão da maioria absoluta” que a culpa de tudo o que se passou durante a discussão do O.E. 22 não aprovado juntamente com a direita é da responsabilidade do PS e, claro, de António Costa.

Catarina diariamente traz inovações e retóricas para demonstrar que a crise política é “artificial, desnecessária e é um truque de António Costa”. Parece uma obsessão compulsiva da Catarina estar a ser perseguida por maiorias absolutas.

É uma obsessão de Catarina e também de Jerónimo atacarem o PS que é, segundo eles, onde está o grande perigo.  Para eles o perigo não vem da direita, vem do PS. Esta obsessão está rapidamente a transformar-se numa fobia da maioria absoluta do PS. Estão a ficar partidariamente megalofóbicos, ou seja, estão a ter medo de algo maior do que para eles é considerado o normal. Isto é, sentem-se desconfortáveis e agitados, por um partido ou um personagem que possa vir a ser maior e mais poderoso (PS?), (António Costa?).

A fobia é um medo irracional e desproporcional em relação a algo. O medo é uma emoção causada por um tipo de ameaça ou dano real ou ilusório. A reação ao medo é um mecanismo de defesa adaptativo e de grande utilidade, pois serve como um aviso de perigo. É entre o medo e a fobia que os partidos, quer o PCP, quer o BE, se situam.

E para sublimar os seus medos e combaterem a sua fobia (a da maioria absoluta do PS) repetem os mesmos argumentos fazendo de alvo o PS. A sublimação é o mecanismo de defesa que transforma uma frustração e energia em impulsos que possam ser bem vistos pela sociedade e, neste caso, também úteis para os partidos.  Isto é, a sublimação ameniza, por exemplo, dor, angústia, frustração, entre outros.

Jerónimo de Sousa do PCP, embora mais moderado, segue os passos de Catarina. A sua obsessão  é também o chamado bloco central com que “A direita sonha novamente”, dizem. Sobre isto Jerónimo de Sousa lá vai lançando para o ar que (eles) "queriam e querem, no fundo, que o PS consiga uma maioria absoluta e, se depois perder, roda outra vez para os partidos do chamado 'bloco central'. Começa-se outra vez a ouvir falar no bloco central. Corrigidas as zangas lá na direita, do PSD e do CDS, lá sonham outra vez com o bloco central", sustentou em 6 de novembro Jerónimo de Sousa, num discurso no final de um jantar comemorativo do centenário do PCP.

Para além desta obsessão Jerónimo de Sousa acumula à semelhança de Catarina a fobia da maioria absoluta do PS e, para evitar tal “catástrofe” (este nome que aqui insiro é ironia), Jerónimo de Sousa também pede o voto no PCP que é a forma de evitar a maioria absoluta do PS e o regresso do "Bloco Central". Estas obsessões da maioria absoluta têm como objetivo enfraquecer o PS e recuperar votos perdidos.

Isto do Bloco Central é um mito que serve como prenúncio de um mal que é utilizado pelo BE e pelo PCP. Duvido que o PS vá alinhar numa fórmula como de entendimento político entre o Partido Socialista e o Partido Social-Democrata.  Entre 1983 e 1985, com Mário Soares como primeiro-ministro partidos na altura de centro-esquerda e de centro-direita respetivamente formaram uma coligação de Governo. Os dois partidos à esquerda do PS, críticos da U.E., serão sempre contra coligações como a que foi feita na Alemanha, a denominada Grande Coligação, que durou cerca de dezasseis anos e que proporcionou estabilidade no país.

Em Portugal um acordo ao centro seria possível sem ser como Bloco Central que possuiu uma carga negativa. Seria antes uma espécie de “trotinete”, uma espécie de compromisso assente em dois partidos cuja extremidade guiadora seria o governo e que permitiria dirigir as duas rodas (partidos) e se propelia com o impulso dos dois.

O que Jerónimo de Sousa e Catarina Martins, cada um a seu modo, estão a tentar com as suas declarações não é mais do que uma gestão/reparação de danos que os respetivos partidos causaram a si próprios culpabilizando o Governo e o PS. Em sentido figurado, claro, tudo está a passar-se como se, após um "crime", o "criminoso" culpasse a vítima por ter morrido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30

A morte anunciada de um Orçamento Estado

por Manuel_AR, em 29.10.21

Chumbo Orçamento 22.png

Logo após a notícia do chumbo do Orçamento de Estado para 2022 veio-me à memória o de livro de Gabriel Garcia Marquez, Crónicas de uma Morte Anunciada do qual faço uma sinopse: um jovem vítima da denúncia falaciosa de uma mulher repudiada na noite de núpcias, foi condenado à morte pelos irmãos da sua hipotética amante, como forma de vingar publicamente a sua honra ultrajada sob o olhar cúmplice ou impotente da população expectante de uma aldeia colombiana. O enredo do livro, baseado numa história verídica nada tem a ver com política, mas serviu-me como raciocínio através do qual inferi de uma semelhança não comprovada um facto de semelhança comprovado, a morte anunciada do orçamento.

O destino do O.E. já seria conhecido de antemão por todos e apenas um milagre ou passe de magia poderia salvá-lo embora muitos acreditassem anda que poderia passar.  O chumbo do Orçamento despertou a indignação de uns, a satisfação de outros e a tentativa de distorção do facto por outros. A indiferença, o desprezo e o egoísmo partidário e introvertido levaram a que dois partidos, o BE e o PCP, acabassem regendo o processo que culminou simbolicamente na morte da vítima que é o interesse do país e dos portugueses.

Antes da votação final a morte anunciada do O.E. despertou nas pessoas, comentadores e analistas políticos sentimentos diversos e conflituantes por entre visões diferentes, especialmente nos atores durante a discussão do objeto do litígio.

Alguns ouvintes e observadores da trágica anunciação colocaram-se em posição de descrença, acreditando devotamente que os executores da sentença de morte não levariam o seu plano adiante. Para outros, o ódio nutrido pela vítima, leia-se orçamento, resultou numa posição de indiferença quanto ao resultado provável, a sua morte. De qualquer modo o que se observou, em quase todas as reações, foi que, a despeito da trágica notícia da morte ser por todos previamente conhecida, ninguém agiu exceto a já conhecida vítima o protagonista no sentido de evitar o resultado final.

Quem provocou a crise não foi a direita, mas ajudou, foram as esquerdas radicais. A direita foi honesta. Desde o início que O.E. se não fosse alterado não era o que aprovariam, e, muito menos, após os ajustes dados como benesses aos dois partidos à esquerda do PS.  Por outro lado, um entendimento à direita foi logo rejeitado por António Costa ao dizer em agosto que “No dia em que a subsistência deste Governo depender de um acordo com o PSD, nesse dia este Governo acabou”. Pois foi, acabou pelas mãos dos antigos parceiros do PS.

A ideia inicial de acabar com os muros que, ao longo dos anos, marginalizavam os partidos à esquerda do PS foi democrática, idealistas, romântica.  Depositavam-se muitas esperanças na aproximação. Todavia, pareceu uma ingenuidade da parte de António Costa e de alguns setores do PS meterem-se na cama com o “assassino”, nome de filme um cujo título é “Dormindo com um Assassino”. Em 2015 alguém disse que aqueles dois partidos não eram de fiar.

Com a assombração da perda de votos nas eleições que os penalizaram posteriormente ao acordo o PCP e o BE começaram a ver no PS o seu principal inimigo e direcionaram a sua tática para o combater a qualquer preço.

A estabilidade e a sobrevivência política que se viveu até ontem foi baseada num paradigma que, em vez de olhar para o futuro, visava apenas o combate à herança de Passos Coelho que agora ameaça regressar. O que prevaleceu no final foi o desprezo pelos interesses do país em favor dos dogmas partidários das esquerdas radicais Bloco e PCP que só sobrevivem do protesto, das greves e do combate ao modelo social e económico europeu, da aversão ao mercado e ao liberalismo europeu que um partido social-democrata como o PS perfilha.

É o regresso à praia preferida do PCP e do BE onde, só aí, sabem surfar e conseguem sobreviver às ondas da democracia. Neste aspeto há semelhanças com a extrema-direita que se congratula, a única que ganhar porque prospera por entre os pântanos políticos.

Os políticos pressionados pelos seus partidos têm o centro do olhar no seu umbigo, com um sectarismo cego obediente às estratégias partidárias. Na política as estratégias são necessárias quando o objetivo é o de chegar ao poder deixando os interesses da maioria do povo para segundo plano. A extrema-esquerda não têm esta ambição porque estes partidos sabem que, isoladamente e através de eleições, nunca chegarão ao poder. A sua política centra-se na instabilidade usando tudo o que a democracia lhes permite como manifestações, greves, movimentos sindicais. Se estas estratégias há tempos eram apenas das extremas-esquerda hoje em dia as extremas-direita adotaram as mesmas e infiltrações em manifestações para provocarem instabilidade.

A política como atividade ocupacional que nós todos pagamos deveria ter a função de conseguir articular equilíbrios o que exige a capacidade de julgamento, visão de conjunto, prudência, intuição, sentido de tempo e de oportunidade, jeito e disposição para tomar decisões sobre assuntos sobre as quais não existem certezas absolutas. A falta destas qualidades revelou-se nos políticos de todos os partidos à esquerda do PS ao chumbarem o Orçamento de Estado com exceção do PAN e das deputadas não inscritas.

A política não serve apenas para gerir objetivos governativos ou de oposição tem mais que ver com ponderação sobre o significado social das decisões, certas ou erradas, que se tomam assim como da sua oportunidade e do modo como podem afetar as pessoas. É disto que o PCP e o BE têm falta, - e não apenas estes - centrando-se, como já afirmei, no seu umbigo partidário dogmático mesmo em situações cuja gravidade nos afetará a todos. A questão ideológica está entranhada no inconsciente revolucionário daqueles partidos que vem do passado, é uma espécie de arquétipo que se sobrepõe à racionalidade e ao bom senso.

A essência ideológica dos partidos da esquerda radical ainda se mantém, contudo, personalizou-se, deu lugar simultaneamente à personalização da decisão que é aceite por um “mercado” eleitoral amorfo e ideologicamente desinteressado. O eleitor vota por vezes no sujeito A ou no sujeito B e não da ideologia que move os partidos em que votou.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:13

Orçamento22-Líderes.png

As máfias tipo Cosa Nostra funcionavam com sua hierarquia estrutura vertical e centralizada o que é incompatível com a flexibilidade negocial exigida hoje em dia pelos negócios de qualquer organização mesmo que mafiosa.

Os pedidos de favores que forem concedidos terão um custo que é a contrapartida que, quando necessário, e oportuno, os favorecidos terão que pagar através de um preço por vezes demasiado alto que não será apenas monetário. Para tal a “organização” exerce pressão sob a forma de chantagem.

Recordo-me de um filme muito antigo que vi em 1962 quando era jovem, Mafioso, realizado por Alberto Lattuada e protagonizado por Alberto Sordi no papel de Antonio Badalamenti. Nino, (Alberto Sordi), reencontra Don Vincenzo (Ugo Attanazio) o chefe da “organização”. Durante a narrativa fílmica vemos como, por pequenas etapas, uma armadilha fecha-se, pouco a pouco, sobre Nino, a partir do pedido do diretor da fábrica onde trabalhava para que ele leve um presente ao homem rico da sua aldeia. Em síntese: em vez de ir caçar perdizes e lebres, como pensava Nino é levado a “caçar” outro homem sob pena dele próprio e da sua família se transformarem em caça caso não o fizesse. Nino acabava de ser escolhido para realizar uma missão para a máfia. Mas nada lhe é dito abertamente, fica tudo subentendido em meias palavras.

O que é que o filme tem a ver com a aprovação do O.E.? Nada. Mas o facto é que podemos estabelecer uma analogia com o que se está a passar com os partidos da extrema-esquerda PCP e BE que têm feito, ao longo das últimas semanas, uma espécie de chantagem. Durante os dois últimos anos prestaram “favores” ao Governo PS aprovando orçamentos (no último apenas aprovado pelo PCP) , agora, como retorno desse favor, exigem-lhe um preço demasiado alto utilizando como arma (a chantagem) a possibilidade de não aprovação do Orçamento de Estado para 2022 que, nesta hora em que escrevo já foi anunciada. Pretendiam como objetivo final a obtenção de todas as exigências algumas delas impossíveis de cedência por colocarem em risco a sustentabilidade financeira e económica do país. Numa espécie de hooliganismo partidário não facilitaram nem possibilitaram qualquer espécie de consenso passando o Orçamento ser o da extrema-esquerda BE e PCP que passaria a ser uma mera amostra da razoabilidade do inicial.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41

Lideres-PS-BE-PCP (3).png

Desde que o partido Socialistas está no Governo nunca se viu um Orçamento de Estado com tão difícil negociação. O BE e o PCP jogam a cartada política mais vil: a chantagem. Outra coisa não seria de esperar se tivermos em conta que ambos têm saído prejudicados nas eleições desde que iniciaram acordos com o PS tendo sistematicamente perdidos votos entre 2015 e 2021 quer nas eleições legislativas quer nas autárquicas.

Legislativas

PCP-PEV                 BE

2011      7,91%        5,17%

 2015     8,25%        10,19%

2019      6,33%        9,26%

Autárquicas

PCP-PEV               BE

2013    11,06%      2,42%

2017    9,45%        3,29%

2021    8,21%        2,75%

Estes dois partidos lutam pela sobrevivência e o PS pela manutenção do poder e dos eleitores que, por razões várias, não lhe têm dado maioria absoluta, o que poderia contribuir para manutenção da estabilidade. Parece que, todavia, recordando ainda outras maiorias absolutas por coligação, estas de direita e de má memória, a aparada tem sido evitá-las, e as campanhas do PCP e do BE nisso têm apostado. 

Os partidos de extrema-esquerda soft como são o PCP e o BE não são muito dados a consensos, dadas as suas próprias características ideológicas receiam poderem vir a ser considerados colaboracionistas com governações a que chamam de direita que, para eles, são todos os que não sigam as regras revolucionárias e reivindicativas sejam elas leninistas ou trotskistas.

Estes dois partidos têm praticado durante as conversações do orçamento para 2022 uma espécie de hooliganismo político-partidário de origem umbilical disfarçados de lutarem pelos interesses do povo e dos trabalhadores, centrando-se em princípios que, para eles, dizem serem irredutíveis. Utilizam todos os meios de pressão muitas vezes associando-se a coligações negativas com as direitas mesmo que estas sejam prejudiciais ao país. Os princípios irredutíveis são os que atraem as massas trabalhadoras das classes mais baixas como salários, regalias e menos horas de trabalho, sem medirem as consequências que daí advêm para todos. Tudo o resto são alvos a abater.

É certo que os acordos não são fáceis e exigem sacrifícios de todas as partes. Quando se pretende avançar é preciso estar disposto a isso e estar na disposição de abandonar transitória e temporariamente algo que seja valioso. Parece-me que o Governo do Partido Socialista o tem feito até demais. 

A valorização das pessoas, dos partidos e dos sindicatos não deve ser apenas pelos seus ideais, mas sim, e também, pelos seus compromissos, isto é, aquilo que estão dispostos a aceitar como suficiente como segunda melhor opção em benefício de todos. Parece-me que o sectarismo dos partidos PCP e, sobretudo, do BE levam apenas às pretensões para benefício de alguns em prejuízo do todo.

As estratégias de partidos de esquerda como aqueles que refiro são as de poderem num futuro próximos em comícios e campanhas reivindicarem, cada um por seu lado, e cada um para si, os êxitos conseguidos se forem aprovados a que chamarão vitórias.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:03

Os extremos não são o que nós queremos

por Manuel_AR, em 21.10.21

Lideres-PS-BE-PCP (1).png

O PS está no seu direito de questionar se esquerda prefere novamente direita no poder. Todos nos recordamos do tempo em que o PCP e o BE Em 2011, o Bloco de Esquerda e o PCP juntaram-se à direita para ajudarem a chumbar o PEC IV de José Sócrates, independentemente de ser ou não uma má governação o facto foi que contribuíram no todo para que a direita viesse em 2011, com Passos Coelho e Paulo Portas, ocupar o poder, já lá vão exatamente 20 anos.

Quem está agora a decidir se o momento da direita se movimentar para tomar novamente o poder com ou sem Passos Coelho é o Bloco de Esquerda, mas também o PCP, cada um à sua maneira. Mas afinal o preferem estes partidos um país à esquerda ou à direita?

A possibilidade destes dois partidos poderem, caso haja eleições antecipadas, recuperar votos são tão-só ilusões ideológicas. Parece-me que o país começa a estar farto deles. O PCP tem um grande poder de mobilização, tem nas mãos os sindicatos e ainda dar o contribuo para conter movimentos inorgânicos sem lei que por aí surgem. É um partido importante para preservação da democracia.

É provável que se houver eleições antecipadas a situação atual de maioria de esquerda se mantenha mesmo com algumas perdas de votos do PCP e do BE e um PS sem maioria absoluta. Se Rui Rio se mantiver no PSD será possível um novo alinhamento parlamentar, com o PS a virar ligeiramente á direita e o PSD a virar ligeiramente à esquerda o que ajudaria à governabilidade do país. Contudo, haveria que esperar uma “retaliação” do PCP com manifestações e greves a proliferar provocando instabilidade social.

O PCP, e, sobretudo, o BE estão-se a tramar para o país, está no seu ADN o leninismo para um e o trotskismo para outro. Há palavras de ordem que eles sabem que atrai as massas: salários, direitos, menos trabalho e mais férias.

Está em causa a aprovação do orçamento para 2022 e, sobre isto, escreveu ontem Manuel Carvalho no editorial do jornal Público:

“A cada orçamento constatava-se que o PS pagava o mínimo possível para poder executar o máximo possível. O preço da colaboração disparou. É no Orçamento que mais redistribui e mais agrava a despesa pública que o PCP e o Bloco mais exigem ao Governo. E, ao fazê-lo, intensificam a gravidade do dilema da governação para um patamar mais perigoso. Já não está apenas em causa a navegação à vista, a sempre eterna promessa do “virar de página da austeridade” ou um programa político excessivamente concentrado no Estado e nas suas funções públicas. O que está em causa é exactamente o equilíbrio que o Governo foi conseguindo gerir, entre o que dá e o défice, entre o que negoceia e executa. Se metade das exigências do Bloco e do PCP fossem atendidas, quem na verdade governaria eram eles e não o PS.

O que está agora em causa não é, portanto, uma natural cedência entre as partes. É o risco de, em nome da estabilidade, o país ter de pagar uma factura insustentável para o futuro. A escolha é difícil e é isso que é preocupante: entre um orçamento lunático e o risco da instabilidade política, o país ficará sempre a perder.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.