Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um refrão sobre o povo da nossa terra

por Manuel_AR, em 18.09.21

Gente da minha terra-2.png

Este texto foi escrito em 2016, já lá vão exatamente cinco anos. Reli-o e continuo a considerá-lo atual pelo que resolvi publicá-lo novamente após uma curta revisão e inseri algumas atualizações até porque é tempo de eleições autárquicas em que o nosso povo é mais envolvido e motivado para ir às urnas para eleger o seu poder local. 

No entanto, devo alertar para generalizações que não se deverão fazer. A generalização sendo uma operação mental que consiste em comparar as qualidades comuns a uma classe de indivíduos, desprezando as suas diferenças e reunindo essas qualidades comuns numa só ideia, corre-se o risco de transformar premissas em extensões arbitrárias de valores e de avaliações menos corretas podendo incorrer-se numa falácia. As generalizações podem, imprudentemente, levar a retirar uma conclusão geral da análise de uma situação particular ou de situações particulares que não são representativas de todos os casos possíveis.

Dizer, por exemplo, que os portugueses têm uma determinada característica estaria a incluir também portugueses que poderão não a ter. Exemplo: Pedro é político e boa pessoa. Por isso, todos os políticos são boas pessoas. Também quando se diz que os portugueses são invejosos não quer dizer que os portugueses X, Y e Z o sejam.

Quando me refiro à gente do meu país ou da minha terra, eu e o leitor, poderemos, ou não, estar incluídos nos atributos referidos. Se for o caso, cada um que calce o que lhe sirva. Muitos escritores o fizeram sem apelo nem agravo atribuindo-lhes características que nem todos tinham.

Resta esclarecer, para que puristas de género não me venham acusar de “machista”, que as palavras que escrevi quando foram do género masculino referem-se também ao feminino, evitando os parênteses à frente para (o/os) e o (a/as). Neste contexto, os portugueses e a gente do meu país são todos independentemente do género.

Para finalizar que me desculpem também os adeptos de futebol pela crítica que faço aos comentários que muitas vezes se vêm e ouvem nas televisões, as críticas não se dirigem a eles, mas sim aos que as pronunciam estupidificando os espectadores.

Posto isto, relembro o refrão “Ó gente da minha terra” de um fado interpretado por Mariza entre outros cantores. Contrariamente ao que consta por aí não foi ela que o escreveu. O mérito deve-se à excecional interpretação. Esta canção tem música de Tiago Machado e poema de Amália Rodrigues e o refrão versa assim:

Ó gente da minha terra

Agora é que eu percebi,

Esta tristeza que trago

Foi de vós que recebi.

Inicio este “post” com esta quadra porque recordei autores como Eça de Queiroz e Guerra Junqueiro e outros tantos escritores e políticos que nas suas obras, cada um à sua maneira, traçaram perfis dos portugueses.

O povo português é muito acolhedor, sociável e hospitaleiro e recebe bem tudo quanto é estrangeiro e nos visita. Mostra, a seu modo, a sua subserviência disfarçada de hospitalidade. Genericamente é um povo que ajuda o seu próximo quando necessário, é solidário quando se trata de defesa dos interesses da sua comunidade em que se integra. Falsamente pacífico, introvertido apesar de alegre, preocupa-se mais com a vida dos outros do que em expor a sua. Há várias citações sobre os portugueses, algumas delas antagónicas.

Vejamos algumas dentre as várias personalidades do mundo da literatura e da política. Começo pelo Padre António Vieira, filósofo, escritor e orador português do século VIII que, numa das suas cartas escreveu: “Dizem que temos valor, mas que nos falta dinheiro e união; e todos nos prognosticam os fados que naturalmente se seguem destas infelizes premissas.”. Tem-se confirmado isto, os políticos que o digam.

Em 1997 António Lobo Antunes escrevia: “Eu gosto desta terra. Nós somos feios, pequenos, estúpidos, mas eu gosto disto.” Enfim, uma forma de nos olhar.

A gente do meu país tem uma incapacidade de autocrítica, tudo o que se faz de mal a culpa é sempre dos outros. Teve e tem a mania das grandezas. Fazer-se mais do que aquilo que é, é um dos seus atributos. Mostra aos outros aquilo que, na maior parte das vezes, não é.  A passividade e a falta de dinamismo são doenças sociais e crónicas que lhes foram inoculadas pela ditadura de Salazar que leva a nossa gente a ficar à espera que os problemas desapareçam. O "pai" Salazar e o clericalismo católico resolviam tudo menos a pobreza e a miséria, que a ambos interessava e estava patente nos seus discursos. "Não discutimos Deus e a virtude. Não discutimos a pátria e a sua história. Não discutimos a autoridade e o seu prestígio. Não discutimos a família e a sua moral. Não discutimos a glória do trabalho e o seu dever.". Pronunciava Salazar num discurso em 1936. "Ensinai aos vossos filhos o trabalho, ensinai às vossas filhas a modéstia, ensinai a todos a virtude da economia. E se não poderdes fazer deles santos, fazei ao menos deles cristãos."

A não ser na altura dos descobrimentos, salvo algumas exceções, a originalidade da gente do meu país é parca, imita o que vem de fora, às vezes nem sempre o melhor. Não valoriza aquilo que tem de bom. Busca no estrangeiro o que há de pior e que passa a chamar de novo conceito. Não procura o que o pode distinguir pela diferença.

Felizmente que já pós a revolução do 25 de Abril muitos portugueses e portuguesas distinguiram-se lá fora. Aliás, os portugueses que emigraram eram considerados muito bons trabalhadores. Mas, cá dentro o trabalho é bom para os outros.talvez resquícios do colonialismo. O aumento de direitos, regalias e de salários  estão na ordem do dia e, sempre que possível, a redução dos deveres.

Estão na moda há algum tempo os chamados novos conceitos, termo querido pelos que são escolhidos a dedo e que são chamados às televisões para perorarem sobre os seus negócios inovadores que, passados meses ou poucos anos, acabam por encerrar portas. Quase sempre estes inovadores não transportam a qualidade até quem se destina o produto ou serviço. Muito pelo contrário. Caso típico é o da restauração. Proliferam por aí restaurantezitos, os tais dos novos conceitos onde passaram a colocar toalhetes de papel ou de plástico “made in China” colocados sobre uma mesa de ripas de madeira, onde, por vezes, mal cabem o prato e os talheres que se dobram ao cortar o hambúrguer e onde as pessoas se sentam em pequenas cadeiras do mesmo tipo ripado ficando conforme os casos com parte do traseiro fora do assento. Mas o mais caricato é que alguns colocam no interior mesas altas com cadeiras que é preciso escalar para chegar à mesa para comer amostras de iguarias, a que chamam degustação, inventadas pelo chef.

Depois há a ementa. Sob a capa de gastronomia tradicional portuguesa mostram preços com poucas diferenças dos restaurantes clássicos decentes. Ementas enganadoras proliferam desde pataniscas de bacalhau com arroz de feijão que são farinha frita com o sabor do dito. Esparguete à bolonhesa com escassez de carne picada que se afoga no meio duma tomatada do tipo "Ketchup". Hambúrguer no prato com salada e batatas fritas identificadas pelo sabor como de proveniência das mais conceituadas indústrias de congelação alimentar, entre outras iguarias do género. Onde está o bom sabor tradicional da boa batata frita caseira que nas verdadeiras tascas se servia? Não está. É batata congelada frita ou pré-frita.

Os fãs dos novos "conceitos" gastronómicos destes insípidos locais a quem a critica faz publicidade. A esses locais “sem caráter” atribuem os seus inovadores proprietários nomes à antiga portuguesa que se iniciam por Tasca do…, ou da…, Taberna da…, ou do…, Mercado de…, ou da… Muitos deles pertencem a cadeias que proliferam pelas principais cidades do país. E lá vamos nós, a gente portuguesinha a correr para desfrutar do novo conceito do bem comer e bem servir. No entanto quem pensa diferente e emite outros juízos é de imediato apelidado de conservador de retrógrado que se recusa acompanhar o progresso, ou de um perfeito "cota" por não aderir aos tais novos "conceitos".

Mas não ficamos por aqui. Vamos agora à língua portuguesa. Recupero da minha memória Lauro António que tinha um programa de crítica de cinema na televisão. Para fazer a apresentação do excerto dum filme para divulgação apresentava a peça de lançamento que Herman José posteriormente parodiou numa das sua peças humorísticas dizendo a certa altura: “let´s look at a trailer”. Isto passou-se há umas dezenas de anos.

A riqueza da língua portuguesa é depauperada pelos “senhores da comunicação”, sobretudo da rádio, e por quem convidam, que usam e abusam de palavras inglesas para se exprimirem, produzindo com elas uma amálgama de frases das quais se perde o verdadeiro significado. O português não é uma língua falada por meia dúzia de pessoas, porra!

Se alguém quiser dar-se ao trabalho de analisar por exemplo de línguas como a francesa e a espanhola não encontrará palavras de origem anglo-saxónica no seu vocabulário mesmo em expressões científicas e técnicas. Para salvaguardar a sua língua procuram termos adequados para o mesmo conceito.

Sim, já sabemos que há uma linguagem científica que é internacional e que as comunicações em congressos e outros eventos, são feitos em inglês que é a língua oficial. A distinção é que, internamente, naqueles dois países procuram termos equivalente para o seu vocabulário.

Mas nós, a gente portuguesa, queremos parecer originais, dar nas vistas e temos a necessidade de internacionalização para se justificar a utilização da língua inglesa em Portugal. A internacionalização é lá para fora não é cá para dentro. Veja-se o caso de muitas universidades e outras instituições que, para se darem ares de internacionalização utilizam nas suas designações palavras inglesas: Nova School of Business and Economics; Católica Lisbon School of Business & Economics, entre outras.

Estamos a abdicar de um dos valores mais importante na nossa cultura, a língua. As televisões e os emissores de rádio dão uma ajuda para esta abdicação. A ânsia de ser “cool” é tal que usam e abusam de termos ingleses que muitos espetadores e ouvintes desses canais nem sabem o significado. São sumidades que falam para outras sumidades da modernidade bacoca.

Será que os linguistas portugueses não conseguirão encontrar termos adequados em português de palavras inglesas técnicas e específicas da linguagem científica? Estou em crer que sim. Mas, como somos portugueses gostamos de mostrar que estamos “in” e, de certo, modo mostrarmos a nossa subserviência, cedendo até na própria língua, perdendo aos poucos o pouco orgulho que ainda temos (exceção feita ao futebol). A nossa gente está a ser inconscientemente aculturada a vários níveis. A apropriação desses estrangeirismos está na moda, faz parte do parecer, e não do ser. Fica bem. Parece bem. É cool.

Vejamos apenas alguns termos que se encontram por aí na gíria da comunicação social: Stakeholder, Cool, Red Carpet, Roof, In, Out, Sunset, Skills, Frendly, Brunch, Players, Pack, Resort, Look, Fashion.

A partir destes termos amplamente utilizados podemos imaginar uma reportagem com uma locução como esta:

O sunset de hoje foi abrilhantado pela fashion e pelo look das personalidades na nossa vida social e artística que atravessaram a red carpet. O acontecimento cool foi posteriormente continuado com uma conferência sobre as possibilidades de negócio que tais eventos podem possibilitar e onde os players negociaram com outros stackeholders. Um dos intervenientes referiu as skills necessárias para o sucesso deste tipo de negócio.  O evento frendly foi organizado num conhecido Resort de luxo onde foi servido um brunch.

Cool, não acham?   

O fundador do PSD, Francisco Sá Carneiro disse em 1975 “Portugal precisa de apoio internacional generalizado e merece-o. Esse apoio, venha de onde vier, tem de respeitar a nossa independência e uma rigorosa não ingerência nos nossos assuntos.” O que vemos hoje é o contrário, sancionado pelo governo dos quatro anos de Passos Coelho. O desrespeito pela nossa independência também passa pela língua. Muita gente da nossa terra sustentou esta tese com o argumento de que quem empresta até nos pode matar se quiser, ainda que se cumpra o contrato. E há ainda quem aplauda teses como estas. Tudo o que é estrangeiro, mesmo que seja péssimo, é bom para a nossa gente. Tem que respeitar o estrangeiro mesmo que a faça padecer e humilhar. Até quando se discutiam as sanções a Portugal muita da nossa gente letrada sintonizava com europeus da união dizendo que regras são regras e devem ser cumpridas.

O vandalismo que infelizmente existe em toda parte em Portugal tem mais requinte. Nisso també temos que imitar e sermos ainda melhores. Tens um carro novo? Eu risco-o de uma ponta a outra. Para que serve uma floresta? Apenas para dar sombra e se é do vizinho rival ainda melhor, incendeia-se. O ramo da tua árvore incomoda-me, faz sombra na minha horta, se não o cortas deito-te a árvore a baixo. Há relatos especialmente a norte de homicídios devido à utilização de águas de um riacho. Um puxava a água e não deixava o outro regar. Não há negociação. Mata-se e pronto. As reservas naturais são anti progresso, não deixam que se construa. Incendeia-se e mata-se o bicho.

Somos um país de gente insana que provoca incêndios premeditados nas nossas florestas, loucos, alcoólicos, drogados, desempregados, dizem-nos nas televisões e como crédulos que somos acreditamos. Não há rede organizada mas atos isolados o que confirma a insanidade das gentes. Somos autores de espetáculos gratuitos para as televisões que vibram com tanta notícia.

Danificar com rabiscos, a que chamam "grafitis", paredes de edifícios públicos e outros,  faz parte do grupo da gente do vandalismo. Excluo daqui as pinturas que são um expressão artística urbana desde que escolhido o local certo. Esses que as fazem são outra gente.

A chamada mania das grandezas é outra nota que define a nossa gente e a que os sucessivos governos vão dando expressão, quer em tempo de abundância, quer em tempo de restrições, o chamado tempo das "vacas magras". Se uns fazem nós também temos que fazer, assim pensa a gente das autarquias. Quando há dinheiro esbanja-se em coisas de utilidade discutível para a comunidade local, depois vive-se na penúria.

Um caso histórico e paradigmático do passado é o Convento de Mafra, construção iniciada por D. João V com o ouro que vinha do Brasil. Homem fervorosamente católico, não está com meias medidas, e, para cumprimento duma promessa, caso obtivesse sucessão do seu casamento com a rainha D. Maria Ana de Áustria manda construir um convento gigantesco. Alto e importante desígnio nacional. E, a gente da nossa terra, vivendo na miséria, aplaudia com o apoio clerical. Maior convento não haveria no mundo, diziam.

O sentimento que se tem pela prosperidade e pelo desejo de possuir o que outros possuem faz parte e é característico da gente da minha terra. Tu tens? Eu invejo. Tu compras? Eu também. Tu viajas? Eu também. Se possível melhor, mesmo que isso me custe os olhos da cara e me endivide.

A gente do interior, fechada sobre si e pouco comunicativa, quando algum afoito intrometido tenta conversa refugia-se no estado do tempo. É a conversa da treta sem sentido cujo diálogo é quase sempre o mesmo. Veja-se este exemplo:

- Bom dia D. Zulmira! Então está a regar a suas couves?

- Pois é. Tem que ser.

- O tempo não tem estado nada bom. Tem sido uma desgraça para as alfaces.

- Tenha fé senhora. Deus há de ajudar.

- Olhe, nem queira saber! Tinha lá um feijão verde "sameado" estragou-se-me todo. Com isto assim não sei onde vamos parar.

- Tudo isto é uma calamidade e o governo não faz nada…

A gente da agricultura apresenta sempre a mesma escusa. No inverno é frio e a chuva e no verão é o calor e a seca. Basta escutar nos locais do interior a conversa entre vizinhos e conhecidos. Virgílio Ferreira tinha razão quando disse que "Frente a uma situação difícil, o Português opta pela espera de um milagre ou pela descompressão de uma anedota. O grave disto é que o milagre não vem e a anedota descomprime de tudo. Ficamos assim à mercê do azar e nem restos de razão para mexer um dedo". 

Face a algo imprevisto ou revés não é raro ver por esse país a mobilização de multidões, motivadas pela religião, em procissões de agradecimento aos mais diversos santinhos e santinhas de qualquer coisa ou lugar, e há mais do que muitos, pelo bem com que os agraciou ou pelo mal ter passado, não importa como aconteceu. Agradece-se pelo que aconteceu, ou pelo que parou de acontecer ou roga-se para que não volte a acontecer e aconteça o que ainda pode acontecer. Depois regressa-se a casa.

É o efeito da religiosidade da gente que vive obcecada com o divino que tudo resolve e a quem tudo é devido. A gente da minha terra faz manifestações e revolta-se quando um pároco é substituído, mas permanece queda a tudo o resto, mesmo ao que possa prejudicar ou mudar a sua vida ou a da comunidade. Facilmente manipulada por outras gentes lá se vai manifestando, de vez em quando, contra algo que não está bem, sobretudo quando descontente com o partido que ganhou ou não gosta dum primeiro-ministro pelos mais disparatados motivos.

E aqui a gente da minha terra divide-se entre o norte e o sul do rio Tejo. A norte o conservadorismo bacoco gerado pela ignorância. É como se um certo tipo de gene tivesse marcado a gente por sessenta anos de mentalização de Salazar que deu os seus frutos e se tem propagado através das gerações. A sul a gente é mais afoita e sem medo e também conservadora mas em sentido oposto porque aí a religião conta menos. São os "mouros" como lhe chamam os do norte. Não se deixam conduzir por homilias com matizes de política disfarçada.

As gentes de Portugal não gostam de discutir o papel da religião dominante, deveria dizer antes clericalismo dominante aceitando acriticamente a sua moralidade hipócrita. Seguem a preceito o postulado de Salazar "Portugal nasceu à sombra da Igreja e a religião católica foi desde o começo o elemento formativo da alma da nação e o traço dominante do carácter do povo português".

Somos ainda uma gente de fé que peregrina e cumpre promessas por graças que lhe foram concedidas por santos milagreiros. Locais de peregrinação são casos paradigmáticos onde se vão cumprir promessas de graças julgadas concedidas e fazer pedidos para aquilo que os Homens não lhes podem dar.

Somos uma gente maioritariamente cristã e crédula a quem é prometido o céu e acredita nos pregadores dos ofícios religiosos quando lhe dizem que as desigualdades sociais não têm importância na nossa curta vida, são condições de provação que serão compensadas na vida eterna. Assim é alimentado o espírito das mentes ingénuas e boas das gentes deste Portugal.

Em fevereiro de 1878 Eça de Queiroz em Cartas a Joaquim Araújo escrevia que “(...) o povo em Portugal, nas províncias, não é católico - é padrista: que sabe ele da moral do cristianismo? da teologia? do ultramontanismo (partidário da autoridade absoluta do papa) ? Sabe do santo de barro que tem em casa, e do cura que está na igreja."

Em 2012 a revista Sábado publicou uma crónica "Nós, os Portugueses" onde caracterizava a gente portuguesa escrevendo a certa altura: "Como se pode caracterizar, ainda que de maneira genérica, o povo português? Somos atenciosos, cordiais, flexíveis, facilmente nos moldamos à cultura do interlocutor e dialogamos, sem reservas, sobre diversos temas de forma animada. Contudo, e ainda que possamos achar uma certa piada às graças sobre os atrasos sistemáticos, para encontros, ou sobre o não cumprimento de prazos, apreciamos que os nossos “brandos e bons costumes” sejam respeitados!".

A arrogância e superioridade da nossa gente, quando em contacto com povos de outras culturas africanas e orientais, é notório pelo tratamento “por tu” sem que haja qualquer justificação de proximidade. É uma espécie de mostra de superioridade face ao seu interlocutor de outra cultura ou de outra cor de pele. Mas, cuspir para o chão e deitar objetos no espaço por onde passa ou frequenta que atingem o auge em momentos de concentração popular são reveladores da sua "superioridade".

Há outra gente, que frequenta meios cujas revistas cor-de-rosa se encarregam de divulgar. A gente do meu país, especialmente  a das grandes cidades, não passa sem a sua dose de cultura. Telenovelas, "Reality Shows” tais como “Big Brother”, "Quinta das celebridades", "Love on Top" e outras rasquices televisivas semelhantes, fazem parte das suas preferências culturais. A estas ainda se incluem a leitura de revistas cor-de-rosa que pode ser comprovado pelo número das tiragens semanais e onde proliferam fotografias de colunáveis a que se atribuem nomes de boa origem inglesa como "socialites", que passou a ser incorporado na língua portuguesa, tal e qual, jet set e outras piroseiras, misturadas com outras gentes que deixam devassar a sua vida privada.

Milhares das nossas gentes frequentam redes sociais, especialmente o Instagram, onde se expõem de corpo e alma, sobretudo de corpo,  para recolherem muitos "likes"  de seguidores(as) que os levarão ao êxtase da visibilidade e exposição.

O voyeurismo da vida dos outros vende, aliena, leva ao consumismo por imitação. Gente anónima, que quer mostrtar que existe, mas sobretudo, atores de telenovela e outros como futebolistas, treinadores, apresentadores de TV, políticos, banqueiros, cozinheiros (a quem agora se passou a chamar "chefs"), empresários de renome, ilustres desconhecidos (as) catapultados (as) pelo atrelar a outros (as) já bem conhecidos (as), sem profissão e por aí adiante, são vasculhados e expõem-se, deixam revelar a sua vida, a sua intimidade familiar, fazem poses frente às câmaras para fotografias que sabem sairão nas próximas edições. Passam a ser referências, exemplos modistas para quem compra e lê essas revistas e vê programas televisivos do género.

Nada escapa ao vasculho. Uns põem-se a jeito, outros para se tornarem popularuchos porque, quem não aparece esquece como diz a nossa gente. Reis e rainhas, príncipes e princesas, condes e condessas todos são servidos de bandeja à gente ávida de escândalos e conhecimento do modo de vida de tais nobres figuras. A vida dessa outra gente é o que interessa. Casamentos, trajes, divórcios, nascimentos, batizados, aniversários, festas, discotecas são essenciais são o pão para a alma.

É o mundo que tem material para os cronistas da vida mundana cuja pobreza e vazio intelectual são evidentes para quem os vê e escuta, com o distanciamento necessário, em alguns programas televisivos. Essa gente comentadora é colocada à frente das câmaras para abordar temas sérios com uma frivolidade confrangedora. Não é por acaso que programas de qualidade duvidosa têm as audiências que têm. É o mundo da outra gente, que a nossa gente ajuda a viver. Os canais de televisão oferecem conteúdos que as gentes gostam de ver. Dá à gente o que ela quer. Cabe aqui a pergunta que é de saber quem surgiu primeiro, se o ovo ou a galinha, no sentido de saber se não terão sido criados certos “apetites” que depois são exigidos como ofertas. Dar a provar para gerar necessidade.

Fertiliza-lhes a imaginação, ajuda-os a sonhar com uma vida a que nunca terão acesso. Ficam-se pelo sonho. E sonhar é bom. Fazem-lhe esquecer e alienar-se do que é importante. Mas a realidade é inexorável, e volta sempre, mas não constatam que é nela, e por ela, que devem lutar

De norte a sul as gentes do meu país adoram futebol. Sofrem, vibram, participam de forma passiva uns, mais ativamente e furiosamente outros. Deslocam-se atrás do seu clube para onde quer que vá. São desportistas do passeio que transforma o espírito desportivo, que deveria ser pacífico, numa atividade grupal insana e de rivalidades permanentes. E, mais uma vez, as televisões ajudam com debates intermináveis onde os participantes gritam, ofendem-se mutuamente, insultam-se, mexem-se convulsivamente nas cadeiras, gesticulam. Sei lá? E isto tudo tem audiências. É o que importa afinal. Captar audiências à custa da confusão que desinforma, mais do que informa.

Os senhores da bola são gente que se dão ares de especialistas e que acha que o futebol também é uma ciência com estatuto e linguagem própria. Vê-se pelas declarações futebolísticas que são duma pobreza confrangedora. Usam uma linguagem composta por palavras que juntas nada dizem de objetivo. São os intelectuais da bola.

Vejamos alguns vídeos:  

 

 

Retira-se que:

Sim… foi um bom jogo… Para mim e para a equipa… Chegou-se a um resultado positivo… Que era a vitória. Vamos festejar esta vitória e pensar no próximo jogo. É sempre importante conseguir as vitórias…

 

Pois claro. digo eu!... O óbvio

 

 

Dedicatórias, vitórias do grupo da união e do trabalho… O jogo já é história, temos que pensar é no próximo…

Frase profunda do comentador

… compreensão que temos que fazer do adversário…

Alta psicologia.

Parabéns a todos…

Que mais se poderia dizer?

Não tenho nada a apontar aos meus jogadores. Fizemos tudo para superar os cinco jogadores… Por várias vezes superámos quatro, por várias vezes superámos três, nunca conseguimos ultrapassar os cinco, mas… foi profundamente ingrato…

 

 

Filosofia da melhor.

 

 …jogo tradicionalmente difícil e tornou-se na realidade difícil… porque  (?) uma boa equipa, uma equipa que nas últimas quatro jornadas teve três vitórias, uma equipa que se bate muito bem… nunca desiste e via à procura do resultado… mas acabou por ganhar na minha perspetiva a melhor equipa… tivemos as melhores oportunidades, podíamos ter feito um pouco mais cedo… era um campo que tínhamos que vencer e que era uma jornada importante…

Do mal, o menos, em futebol o que mais se poderá dizer? Nada… E o resto é o vazio…

O seguinte vídeo mostra de facto a elegância e a fluidez verbal da terminologia futebolística.

 

 

É disto que a gente do meu país, amante do futebol, gosta. Por isso o futebol merece um pouco mais de desenvolvimento. Tendo pretensões a mostra que há uma ciência futebolística, já que não o é pelo discurso pelo menos tenta pelos métodos. Assim, fazem estatísticas com dados ao segundo de golos marcados e por marcar, lances, remates à baliza por jogador, cartões amarelos e vermelhos dos jogos, lesões por jogador, resumos semanais, mensais e até anuais, comparações que não conduzem a resultado nenhum, nem contribuem para nada a não ser demonstrar o indemonstrável. E, na época seguinte, nada se avançou repete-se mais ou menos o que se disse na época anterior, até à exaustão da paciência da outra parte de nossa gente que não vai em cantigas de futebol enquanto tema de discussão.

Não há técnica, nem estatísticas nem o que quer que inventem para prever quem ganha ou perde jogos, se assim fosse todos os especialistas ganhavam o totobola. Os jogos ganham-se com as pernas dos jogadores e uma bola a saltar dum lado para o outro até que haja uma abertura para ela entrar no retângulo duma das balizas. Certezas nunca há. Os inquisidores futebolísticos, porque há uma inquisição futebolística, escusam de culpabilizar treinadores e jogadores lançando-os na próxima oportunidade à fogueira da opinião pública dos adeptos e clubistas. É o que muitas vezes se verifica quando um clube perde um jogo e, sobretudo, se for um campeonato.

É um fenómeno mundial, dizem sociólogos. Pois é, não é por acaso. Não veem que tudo isto é, em todo o mundo, um negócio de milhões para alguns. O futebol deixou de ser um desporto de competição para ser um mercado e um negócio que a nossa gente e outras gentes alegremente acarinham. Se a isto juntarmos ainda os furiosos gangues de adeptos que se auto denominam claques, apadrinhadas pelos clubes, que utilizam a violência gratuita uns contra os outros e contra outros cidadãos com intuitos desmoralizadores sobre as equipas adversárias temos um perfeito caldo de cultura.

Para além do futebol há o delírio dos concertos e dos festivais que começaram a proliferar por aí, especialmente durante os meses de verão, e tão do agrado especialmente da nossa gente jovem mais urbana cujos ascendentes fugiram há muito do interior para as grandes cidades para mudar da vida.

É o delírio. Todos os lugares querem ter visibilidade e a melhor forma é um festival "rock". As televisões ajudarão à promoção. São autênticas migrações de jovens deslocando-se de norte a sul para verem os seus ídolos. As entradas são caras, sem contar com deslocações, estadia e alimentação, mas os euros aparecem sempre. Para as contas do país da nossa gente é que é o problema porque, o caché pago funciona como importações o que vai ajudar ao desequilíbrio da balança comercial. São milhões de euros. Mas que importa isso. Quem promove e organiza festivais sabe que é dinheiro em caixa e daí a proliferação deste tipo de negócio. É bom porque movimenta as economias locais, mas muito melhor é para quem os organiza. Até a “Festa do Avante” para atrair a gente jovem convida grupos "rock". Ainda bem!

Mais uma vez nos dizem que não é só cá. Lá fora, no estrangeiro, e o mesmo. Pois é, mas também nos dizem que somos uma país pobre e que temos que pagar com juros os milhares de milhões que a troika nos emprestou por termos gasto acima das possibilidades. Afinal quem paga tudo isto?

Na política os jovens filhos da nossa gente ingressam pelas juventudes partidárias. Gente jovem a quem a educação para os valores não lhes foi transmitida nem incutida que quer obter o sucesso a qualquer preço. Valem-se da intriga, da mentira, denegrindo pessoas… pegam na política do vale tudo, do desdém pelo próximo que colocam ao serviço da política filiando-se num partido que os possa catapultar para lugares onde possam viver à custa do erário público.

Mesquinhez, inveja, egoísmo, mexeriquice, passividade, iliteracia, conservadorismo a vários níveis, desprezo pelos bens de terceiros, desprezo pelo nosso património cultural e florestal, dar importância ao parecer, mais do que ao ser, etc., etc..

Mas nada disto é recente, pois Guerra Junqueiro dizia em 1896 que somos "Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, - reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta (...)

A imbecilidade reproduz-se ao longo dos anos e neste século XXI mantém-se, emerge sempre que uma oportunidade surge. O facto novo que confirma a dose de estupidez que agora começou a percorrer a nossa gente urbana são as manifestações negacionistas. Grupelhos de gente do meu país, manipulada pelas redes sociais, que rejeita hoje as recomendações resultantes da investigação  científica sobre vacinação e alterações climáticas agitam-se com teorias da conspiração e pós-verdades ficando-se pelo domínio da estupidez demonstrada em manifestações de ódio, rebeldes, agressivas e sem nexo. 

É a gente do meu país!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:23

Sporting a mais segurança a menos

por Manuel_AR, em 15.05.21

sporting manife.png

Mas que o evento sportinguista foi uma argolada do presidente Medina e do ministro Cabrita que poderá custar votos ao PS, lá isso foi!

Durante ano e meio contivemos a avidez de passeios, viagens, cultos religiosos, cultura, gastronomia por entre outros apetites humanos para que, em algumas horas o esforço se tenha desvanecido com a desbunda do festejo sportinguista (foi este o clube o mesmo seria com outro qualquer) com o risco de pagarmos mais tarde com a saúde pública causa potenciam da dita “manifestação” requerida pela claque sportinguista e autorizada pelas autoridades.

Manifestação? Mas que manifestação estava implícita no pedido!? Não! A palavra manifestação serviu apenas para “fintar” as autoridades com base numa interpretação falaciosa de um artigo da Constituição da República.

Segundo o Notícias ao Minuto, Bruno Pereira, do sindicato da PSP, “deu também conta que a festa junto ao estádio do Sporting foi feita depois de um pedido de autorização ao abrigo do direito à manifestação feito pela Juve Leo à Câmara de Lisboa. Segundo o vice-presidente do sindicato que representa os oficiais da PSP, o pedido de autorização inclui a indicação de que seriam montados uma infraestrutura com painéis audiovisuais e um disco jóquei.”. "Sobre isso a PSP também tomou uma posição quando auscultada pela câmara, dando nota de que esses elementos poderiam ser claramente potenciadores de uma concentração ainda maior do que aquela que já era previsível", afirmou, salientando que a PSP recomendou que não fosse instalado o écran gigante.” Isto é, a Câmara esteve a tramar-se para as recomendações da PSP. Vamos lá saber porquê? Tempo de campanha eleitoral autárquica para atrair votos de adeptos do sporting com potenciais custos para a saúde pública.

Nesta senda, e mais uma vez, surge um ministro, o da Administração Interna e a Câmara de Lisboa com o seu presidente Medina que diz haver um mail com o parecer da PSP que se terá perdido!!(?)

A culpa não estará no Sporting nem na claque Juve Leo mas nas autoridades, porque o que se passou era previsível. Só por desleixo ou incompetência é que as autoridades policiais e o Ministério da Administração Interna não soubessem o que estava em causa. Se não o sabiam então é por incompetência e se sabiam então foi por demissão das suas responsabilidades.

A Câmara de Lisboa tem a tutela sobre a Polícia Municipal e, em vez de promover os festejos de forma responsável e contida, promoveu o contrário com ecrãs fora do estádio e um cortejo de autocarros. É um desprezo completo por todos os portugueses e pelo que têm vindo a fazer, apesar de alguma violência exercida sobre as suas liberdades, embora que assumida. É uma demonstração de que há atividades e pessoas que estão acima da lei.

Sobre o que aconteceu tenho que concordar com Francisco Mendes da Silva do CDS-PP quando escreveu no Público que “o maior problema continua a ser a leveza excessiva com que o Governo brinca com a autoridade do Estado. Quando impõe medidas duras de confinamento e fecho da economia, que põem em causa a liberdade e o sustento das pessoas, o Estado deve ter a sua autoridade moral intacta. Caso contrário, é natural que as pessoas deixem de acreditar na necessidade das medidas de saúde pública. Depois do que aconteceu esta semana, o Governo não se pode admirar que os sectores mais afectados pela pandemia, da restauração aos eventos, estejam já a exigir o fim das restrições”. E, mais adiante acrescenta que “o Governo aprecia muito pouco ter de lidar com as contrariedades. Quando algo importante corre visivelmente mal, o instinto do Governo nunca é o de assumir a responsabilidade do Estado e de reafirmar a sua autoridade. É sempre o de sacudir a água do capote. Desta vez, a culpa foi descarregada sobre a PSP, que já tem um processo de averiguações com que se entreter, apesar de ter sido a única instituição a alertar para o perigo do que estava a ser preparado”.

A manifestação sportinguista é um ponto com que o dito ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, tem andado a brincar às escondidas, mas que Sousa Tavares destapa quando escreve num artigo de opinião que saiu no semanário Expresso desta semana:

“Há ministro? Não, há Cabrita. Eduardo Cabrita tornou-se uma anedota ambulante, um personagem que nem os autores do “Yes, Minister” teriam conseguido imaginar, tão grandiloquentemente vácuo ao ponto de meter dó. Tudo nele é a encarnação da inutilidade do poder, como aqueles objectos cujo volume se esgota quase todo no papel de embrulho. Adivinha-se que ensaia ao espelho poses e sentenças que toma por sentido de Estado e que julga que governar é despejar dinheiro sobre qualquer problema para se ver livre dele. É assim que está convencido de que apaga incêndios, mantém activo o SIRESP, faz esquecer o assassínio de Ihor Homeniuk ou elege presidentes. Em cada oportunidade, também não se dispensou de se chegar à frente nas fotografias e insinuar que estava na linha da frente da vigilância da nossa segurança colectiva durante a pandemia. Mas bastou uma noite — a noite do Sporting campeão — para que a tão anunciada operação montada pelas forças de segurança sob sua tutela e em planeamento concertado, diziam, com o Sporting e a DGS descambasse no espectáculo de absoluta anarquia que Lisboa viveu durante 12 horas. Andámos nós tantos meses, mais de um ano, a observar tantas regras de segurança, sem poder ir a espectáculos, ao futebol, a passear nos jardins, aqui e acolá, ainda proibidos de estarmos juntos mais de seis, de estar nos restaurantes até depois das 22h30, e dezenas de milhares de pessoas fazem o que querem da cidade, sem quaisquer medidas de segurança e sem que se veja sombra de plano algum para o precaver! E, perguntado sobre isto no Parlamento, o que diz o primeiro-ministro? Primeiro que tudo, “parabéns ao Sporting!” (dá votos e é politicamente correcto). Depois, que não vai “atirar pedras a ninguém”. E depois que o ministro Cabrita já fez um despacho para que lhe expliquem qual era o plano de segurança e por que razão ele não funcionou. Ou seja, afinal, o ministro não sabia de plano algum e fazendo um despacho a posteriori a perguntar qual era livra-se de responsabilidades! Faça a si mesmo um favor, sr. ministro: despache-se! Sousa Tavares que escreve de acordo com a antiga ortografia

Se Cabrita como se tem dito é amigo de António Costa, mais uma razão para se exigirem responsabilidades. Ser amigo e exercer funções como as que Cabrita ou outro qualquer elemento do Governo exerça é razão mais do que suficiente para o exercício da competência. Não é apenas o merecimento da confiança de um primeiro-ministro que lha confere.  

Por outro lado, não será a demissão do ministro Eduardo Cabrita que irá contribuir para a resolução dos inúmeros problemas com que o Governo terá de se confrontar até às próximas legislativas. Um ministro bode expiatório fará sempre falta e poderá ser um fator distrator para a oposição fazer figura, deixando de lado outros problemas mais importantes.

Mas que o evento sportinguista foi uma argolada do presidente Medina e do ministro Cabrita que poderá custar votos ao PS, lá isso foi!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:11

António Costa no Benfica.png

Tenho ódio às touradas e ao futebol. Odiar talvez seja um verbo demasiado forte, mas detestar será talvez o mais adequado neste contexto. Não incluo os dois eventos no mesmo saco, mas, o futebol é, cada vez mais, uma real tourada sem touros.

Ter jogado andebol e futebol no colégio onde frequentei os estudos pré-universitários não veio contribuir para minimizar a minha aversão ao futebol que já vem de longe. Todavia, na altura era manifesta a minha simpatia pelo Benfica embora sem perceber muito bem porquê.

Recordo-me quando ainda criança ter ido um certo domingo a Évora para ver um qualquer jogo de futebol acompanhado pelo meu pai e uns amigos, um deles professor de ginástica do Lisboa Ginásio, ali para o lado dos Anjos, e um outro que trabalhava na companhia de seguros “O Trabalho” que, com o passar dos anos, foi absorvida por outra. Sinais dos tempos.

Tenho aversão ao futebol e ao mesmo tempo não sei explicar bem porquê. Não tem a ver com o desporto pois gosto de desporto, e talvez até de algum futebol, mas não daquele com que me injetam diariamente. Não devo ser caso único.

Investigações relativamente recentes na área da psicologia têm produzido trabalhos que têm estudado a dependência comportamental. O futebol passou a ser um aditivo, uma dependência comportamental que não depende de substâncias ingeridas por quaisquer vias. A dependência situa-se ao nível dos efeitos recompensadores.

Mas será que ser adepto e seguir um clube é uma dependência? Vários trabalhos científicos têm demonstrado a validade desta premissa e quem trabalha na área de marketing e na promoção de produtos acha que as empresas comerciais gostariam de conseguir o mesmo tipo de lealdade e de dependência em relação aos seus produtos e marcas idêntica à dependência que os fãs clubistas têm para com o futebol e os seus clubes.

É curioso como adeptos do futebol aceitam que clubes se movimentam muitos milhões de euros comprando e pagando a jogadores fortunas e não contestam nem criticam aceitando esta afronta aos trabalhadores deste país que lutam por melhor salário, mas que ao ser-lhes colocada esta questão a reposta é a de que o futebol lhes dá muitas alegrias. É o futebol a sobrepor-se a tudo e a todos, do indivíduo à política, e aos governos.

Recordo-me que em 2013 Jorge Jesus dizia que “estamos no caminho certo para dar muitas alegrias aos nossos adeptos”. É isso, o adorado futebol vale mais do que tudo porque dá muitas alegrias e Costa colabora desta vez e seguiu o slogan para mostrar o um caminho para dar também muita alegria desta vez apenas aos benfiquistas.

O convite que Luís Filipe Vieira fez recentemente ao primeiro-ministro António Costa e ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa Fernando Medina para integrarem a comissão de honra da sua recandidatura à presidência do Benfica, fez despontar a aversão que já tinha pelo futebol e pelas manobras dos seus dirigentes que se imiscuem na política com o objetivo de obter posteriores vantagens para o que der e vier. Neste rol incluo também os políticos em exercício que comentam futebol nos canais de televisão com a desculpa de que estão ali como cidadãos(!?). Para os políticos a utilização do conceito de cidadão serve para toda a justificação de interesse pessoal.

Ao aceitar António Costa, primeiro-ministro, atropela a democracia no Benfica ao apoiar um candidato em detrimento de outros. António Costa como primeiro-ministro poderia exercer o seu direito de voto sem se pronunciar a favor ou contra qualquer candidato. O primeiro-ministro de Portugal entrou e fez campanha eleitoral por um candidato cujo o cargo influenciará as eleições em prejuízo de outros candidatos.

É certo que houve muitos outros de vários partidos que também foram convidados. Não seria controverso caso António Costa não fosse primeiro-ministro e fosse apenas um sócio e adepto do Benfica. Há cargos que não se podem confundir com o de cidadão. Foi mais um passo para complementar a já promíscua relação futebol-política.

O convite ao responsável máximo pela governação do país para fazer parte da comissão de honra de apoio a uma candidatura à presidência de um clube de futebol implica um comprometimento, e não venha o senhor primeiro-ministro António Costa esgrimir argumentos que barram com muros de incompreensão de muitos cidadãos e atraiçoam a lógica de boa política. Claro que benfiquistas apoiantes de Luís Filipe Vieira batem palmas de contentamento porque estão a ver o número de votos que recolhem de quem politicamente apoia António Costa e que, consequentemente, vão também apoiar Filipe Vieira.

Parece que o futebol pretende sobrepor-se e controlar a política. Quem pode falar de viva voz é Rui Rio que no passado quando era presidente da autarquia do Porto confrontou o Futebol Clube do Porto e Pinto da Costa. Concordo com Rui Rio quando diz que a ação política “não deve ser ditada por imperativos de ordem emocional ou de simpatia clubística” e que “hoje até há problemas quase de ordem judicial metidos nisto”.

Também é certo que António Costa não deixa de ser cidadão por ser primeiro-ministro, mas sendo este um cargo que supostamente deve ser de elevação, isenção e independência não deveria consentir-se a colagens daquele tipo. Não foram os adeptos do Benfica ou de qualquer outro clube que o colocaram naquele cargo foi a maioria dos cidadãos adeptos ou não de qualquer clube e que, por isso, merecem o seu respeito.

A atitude de António Costa que em primeiro lugar e nestas circunstâncias é primeiro-ministro e, por consequência, do seu cargo não pode ser considerada como colagem e cumplicidade apenas do cidadão com Luís Filipe Vieira, dirigente desportivo apontado como alegado beneficiário da fraude do BES ou de estar envolvido em vários processos judiciais como arguido ou suspeito.

A comissão que António Costa integra e para a qual foi convidado terá o propósito de enaltecer alguém que é um dirigente clubista cuja perceção é encarada por muitos cidadãos como uma das faces do país minado pelo favor e pela corrupção. Para muitos cidadãos o primeiro-ministro António Costa, mesmo que não o quisesse e não fosse sua intenção, meteu-se no pântano do futebol.  Muitos dos que aí proliferam e vociferam contra a corrupção vêm agora justificar este ato de aceitação clubista.

Filipe Vieira neste momento, queiram ou não os benfiquistas, está na mira da justiça ainda que venha publicamente a afirmar que são tudo calúnias. José Sócrates também teve e tem o mesmo argumento ainda que não se saiba ainda como terminarão os julgamentos.

Em 2016 foi aprovado pelo conselho de ministros que o Código de Conduta do Governo refere que «Os membros do Governo devem recusar liminarmente quaisquer ofertas, convites ou outras facilidades que possam ser fornecidas na expectativa de troca de uma qualquer contrapartida ou favorecimento». A Estratégia Nacional de Combate à Corrupção 2020 – 2024 identifica como 3.ª prioridade comprometer o setor privado na prevenção, deteção e repressão da corrupção. Pode não haver contrapartidas ou favorecimentos, mas a suspeição fica.

São várias as acusações que podem vir a pesar sobre Luís Filipe Vieira que foram divulgadas em julho devendo ser acusado muito brevemente pelo crime de recebimento indevido de vantagem. Segundo a TVI “Será a primeira acusação formal da justiça a ter como alvo o presidente do Benfica, enquanto ainda correm em segredo outros processos contra responsáveis das águias, nomeadamente por corrupção desportiva. Entende a magistrada que, neste caso, Vieira se serviu da sua posição de poder no Benfica para oferecer cargos no clube a Rangel em troca de favores judiciais para a sua vida pessoal. O juiz desembargador terá mesmo chegado à fala com outro magistrado, no Tribunal de Sintra, para que este influenciasse um terceiro colega numa decisão fiscal que deveria ser favorável a Luís Filipe Vieira”.

Costa não se pode admirar que a sua atitude faça o PS perder votos nas próximas eleições, mas pensa também que tudo isto irá acabar por se diluir como muitas outras polémicas que caem no esquecimento público e assim ficará novamente na mó de cima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28

Os intocáveis

por Manuel_AR, em 04.08.20

Não aprecio futebol, e, por isso, não discuto enquanto tal,  pronto. Há várias razões para tal, uma dleas é que o desporto não deve ser alienação, outra é que todos são contra a corrupção na política ligada aos negócios, mas quanto ao futebol vamos lá ver..., não é bem assim. Para a extrema direita a corrupção na política é uma das suas armas de batalha. Mas, quando se trata da corrupção no futebol mesmo quando envolvida com a política a coisa pia mais fino, ou melhor, não pia e, por maioria de razões quando algum desses pertence a um desses clubes.


Todos dizemos ser contra a corrupção mas não basta ser contra  e escrever artigos tendo em vista publicitação de intervenções que dizem participar em ações contra a dita tendo como base a Lei n.º 83/2017 de 18 de agosto que estabelece medidas de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, que transpõe parcialmente as Diretivas 2015/849/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de maio de 2015, e 2016/2258/UE. Os políticos podem utilizá-la como disfarce quando estão no mesmo saco e sabem como lhe dar a volta bem dada.


A corrupção abrange um vasto espetro de pessoas e de influências, compadrios, áreas  e temas que não se resumem apenas ao suborno para  obter vantagem em negociatas onde se favorece uma pessoa ou grupo em detrimento de outros. Pode também passar por objetivos publicitários indiretos de organizações desportivas e até pela repressão e perseguição a opositores desportivos. 


Segundo a revista Sábado as investigações nos processos do futebol Leaks cruzam clubes e transferências de atletas. No Benfica visam-se clubes estrangeiros e empresas de intermediação por causa de jogadores e que o clube e Luís Filipe Vieira são dois dos alvos privilegiados da investigação.


Mas há também os intocáveis que normalmente estão protegidos por grandes influências ou por pessoas poderosas. E ainda as comprovadas pretenções dos dirigentes dos clubes para influenciar políticos a pertencerem aos órgãos dirigentes como aconteceu  com o Presidente do Benfica Filipe Vieira que, em 6 de junho do corrente ano, disse querer "contar com o atual presidente da Câmara Municipal de Lisboa no Conselho Estratégico do clube. Única condição deste órgão social do clube é ser sócio efetivo do Benfica".


Face aos acontecimentos surgem os negacionistas e os "doentinhos" do futebol clubista a dizer que tudo são "inventonas", que nada aconteceu, que são os inimigos e os adversários do clube... etc., etc.. E ainda aparece o poder político que, quando se fala de futebol nem quer falar e empurra para outras instâncias. Sabemos bem porquê. Os votos do clubistas também contam...


O futebol não pode sair incólume, nem haver intocáveis. Pedro Santos Guerreiro num artigo no jornal Expresso que abaixo incluo, refire-se a alguns intocáveis, apesar da parcialidade benfiquista de parte do seu artigo sob pena de trair o seu clube.


O intocável de Portugal


Corrupção_Benfica.png


(Pedro Santos Guerreiro, in Expresso, 01/08/2020)



Não é o mais poderoso, não é o mais influente, mas é o mais intocável de Portugal: o presidente do Benfica. Não este, todos. Mas, de todos, este é o que mais poder centra e concentra. Um poder aquém e além-desporto, que faz a ação política, judicial e jornalística sentir-se condicionada. Às vezes pelo que esta faz, mais vezes pelo que não faz. É também por isso que o fim dos debates combates televisivos é um desafio em si mesmo. É apenas um dos necessários.


Em 13 anos de direções de jornais, conheci frentes diversas do exercício do poder, contra o qual os jornalistas estão por função e vocação. Há forças, insídias, orquestrações e eficácias em todos eles, da política aos bancos, das organizações semiclandestinas às empresas, mas nenhum deles se compara ao futebol na falta de regras, na agressividade, na comunicação ameaçadora, seja na cartilharia de alguns comentadores ou na artilharia de trolls nas redes sociais. E tudo isso (e mais) cria navalhas verbais e não-verbais contra quem quer que seja, semeando respeito pelo desrespeito e afastando pessoas, pelo desprezo ou pelo medo.



A decisão anunciada pela SIC e prenunciada pela TVI de acabar com debates com comentadores afetos aos clubes não é um saneamento, é uma medida pela nossa sanidade e de emancipação dos próprios meios de comunicação social à pressão de os clubes mandarem até no espaço em que se lhes faz contraditório. Aplaudo de pé.



O fim dos debates combates televisivos de futebol não é uma decisão sanitária mas de sanidade. Mas nem isso pára a ameaça de violência que afasta a sociedade


Se dou exemplos sobre mim é só para servir de testemunha: durante a investigação do Football Leaks juntei a mensagens anónimas participadas à polícia uma série de mentiras factuais ditas em sinal aberto na televisão sobre quem sou, fui, que amigos tenho e até a que casamentos fui. Mentiras ridículas, que nem merecem ser citadas senão para relatar que muitas outras há que são perigosas, pondo em causa a honra e até a vida de algumas pessoas. Não exagero nem invento.


O problema não é a paixão que cega, é o medo que faz fechar os olhos. Sobretudo quando esse medo impregna as instituições. De todos, os mais medrosos (ou calculistas) são os políticos. Lamento pôr todos no mesmo saco, é claro que não são todos iguais (viva Ana Gomes!), mas o silêncio concreto adornado de anúncio de medidas gerais é uma covardia que persiste. “À justiça o que é da justiça” e etc. Ou os casos de violência. Ou o silêncio chocante em casos como o de Marega, vítima de racismo horripilante em Guimarães, que acabou por dar mais ou menos em nada.



Sou benfiquista, estou com azia por termos perdido um campeonato que podíamos ter ganho: serve compensação ao campeonato de 2015/16, que ganhámos ao Sporting sem merecer nem (espero eu) pagar aos deuses para expiar pecados. Ser benfiquista só me torna mais exigente com o meu clube do que com outros.



É por isso que este não é um texto sobre futebol, mas sobre a sociedade em que vivemos, a justiça que queremos e a liberdade que precisamos de defender.


Luís Filipe Vieira tirou o Benfica do lodo desportivo e financeiro, ao lado de Domingos Soares de Oliveira. O clube não tem hoje rival na estratégia de formação nem nas contas da SAD. Mas o seu poder cresceu de mais e chegou a um ponto em que parecia intocável. Perdeu o apoio de Ricardo Salgado e de Morais Pires, porque o BES colapsou deixando créditos por cobrar como os dele. Hoje, também a banca se livrou do futebol, que já não financia. Mas a forma como muitos políticos e alguns jornais se lhe vergam demonstra poder a mais, o que na verdade responsabiliza quem se verga. Na Justiça, não me lembro de um presidente envolvido em tantos casos, mesmo que espante ver o clube amnistiado do caso Paulo Gonçalves e me enfureça ver Rui Pinto enjaulado como um ladrão de vidas. Não quero justiça, quero a Justiça, a que condena ou absolve sem medo nem favor. E observo como, apesar de tudo, a Justiça é hoje mais forte do que no tempo dos apitos dourados, arquivados na indecência dos anos.


Também não percebo como se gastam €20 milhões a contratar um treinador. Mas reconheço a manobra de contratar Jesus para mudar de assunto sobre a derrota no campeonato e alumiar as almas dos benfiquista para as próximas eleições. Afinal, é preciso ganhar. Um presidente do Benfica, supõe-se, é intocável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:47

As diatribes de um deputado hipócrita

por Manuel_AR, em 18.02.20

O que é preocupante não são as minorias barulhentas que se manifestam ruidosamente nas ruas, estádios e noutros locais. O que é preocupante são essas minorias e grupelhos que se encontram no silêncio, mas que têm pontas de lança na política que os representam.


Ventura e racismo.png


A TVI concedeu a André Ventura espaço para derramar o seu azedume acumulado contra todos os que se têm manifestado, incluindo a imprensa internacional, contra o que aconteceu com o jogador Marega no jogo entre o V. de Guimarães e F. C. do Porto. Ventura teve o seu momento ZEN de trafulhice intelectual emanada da sua mente vazia para poder fazer, como de costume, política populista e arruaceira.  


André Ventura do partido Chega vomitou ontem no Jornal das 8 da TVI um raciocínio espantosamente verborreico sobre o acontecimento Marega. Ficou claro para Ventura, e só para ele, que não há racismo no futebol. Miguel Sousa Tavares colocou-lhe questões pertinentes. Ventura mostrou ser uma espécie de besta ululante e negacionista remetendo o epíteto de hipócritas para todos os que condenaram publicamente o acontecimento. Da direita à esquerda, incluindo o Presidente da República e o Primeiro-ministro, foi ele o único que não condenou o caso. São hipócritas segundo as suas justificações.


Ventura, mostrando agitação e nervosismo, comportou-se como uma espécie de  comicieiro que pretende fazer passar os seus pontos de vista através de um discurso incoerente, disperso, apressado e repetitivo, afastando-se do tema central para fugir às perguntas e dúvidas, para ele incómodas, e para o qual terá sido convidado. Falou nos polícias e nas agressões, feitas durante o estabelecimento da ordem pública, falou num bombeiro, e noutros casos que em nada tinham a ver com o tema central, etc., etc...


A estratégia de Ventura era consumir o tempo de antena disponível tornando, na prática, a entrevista num monólogo em que debitava argumentos para escapar às respostas, se tal se pode chamar à chusma de dispartes enviesados, eivados de incoerência e fora do contexto do tema real do momento.


Hilariante e hipócrita foi também a declaração feita por Ventura logo no início, afirmando que não era racista nem xenófobo e que todos os outros são hipócritas dizendo: “condeno veementemente qualquer atitude racista, xenófoba e menorização por preconceito social” e mais, “é uma condenação sem hesitação” e, ainda “temos que acabar com isto, nós não temos um problema de racismo estrutural em Portugal”. Frases estas que mais parecem ser de lavagem e de negação do que tem dito e escrito em ocasiões anteriores. O descaramento intelectual deste sujeito é uma evidência incontornável para quem tem acompanhado as suas diatribes, quer na Assembleia da República, quer nas redes sociais quer em artigos de opinião.


Esta criatura, quando confrontada com pedidos de esclarecimento em público, nega “veementemente” atitudes e tudo o que disse anteriormente. Convém-lhe, nessas ocasiões, vestir a capa da moderação que tem reservada no armário bafiento das suas ideias para certas alturas mais complicadas em que possa estar envolvido.


Para além de nos chamar hipócritas a todos os que não estão em sintonia nem concordam com ele, pretende, ainda, fazer-nos passar por parvos, coisa que, nós portugueses, não gostamos nada que nos chamem. Parvos e hipócritas será ele e os do seu séquito de mentes vazias. Sobre os cânticos racistas no estádio fugiu à questão, dizendo que não viu e que aguarda pela investigação. Tretas!


Ventura diz que o acontecimento que se passou com Marega não é uma questão de racismo. Ah não? Então, e se o caso tivesse tido como protagonista um jogador branco teriam sido entoados esses mesmos ganidos sobre a forma de cantos racistas e impropérios contra ele? O que é que essa mente “politicamente esclarecida” teria a dizer?


É certo que, durante esses jogos, adeptos proferem as mais diversas ofensas a jogadores brancos, quando algo não acontece como eles desejariam. Outra coisa são as atitudes com cunho vincadamente relacionado com etnia ou com cor da pele.


O que é preocupante não são as minorias barulhentas que se manifestam ruidosamente nas ruas, estádios e noutros locais. O que é preocupante são essas minorias e grupelhos que se ocultam em silêncio, mas que têm pontas de lança não só na política como no futebol. Estes também ainda se fazem ouvir em alguns órgãos da comunicação social que, com o seu palavreado tentam lavar acontecimentos em consonância com os “venturas” que por aí andam nos cafés, nas churrasqueiras, bairros e outros locais onde o André angaria facilmente adeptos, talvez por ser do Benfica. São estes os mais perigosos.


São manifestas as orientações ideológicas de André Ventura já que conforme um artigo publicado no jornal Público “Ventura foi explicitamente racista e xenófobo contra uma colega deputada, ato reconhecido como discriminatório por todos os outros partidos, assim como o Presidente da Assembleia da República, nazis foram reconhecidos nos órgãos de direção do partido, uma saudação nazi foi feita num comício sem que André Ventura reagisse, neonazis já condenados como Mário Machado demonstraram o seu apoio ao partido. Os seus apoiantes atacam adversários nas redes sociais, insultam, fazem ameaças físicas e até de morte, concertam-se para deitar abaixo páginas e blogs, fazendo reinar um clima ditatorial, tentando impor o silêncio próprio dos regimes fascistas a quem ousa pôr em causa o líder” (in jornal Público).


E nos entretantos da intervenção de Ventura na TVI no topo do bolo cai a cereja. Para cúmulo da bazófia, lá foi afirmando com convicção que virá ser primeiro-ministro de Portugal. Onde é que já ouvimos isto? Ah!, já sei, foi Assunção Cristas quando era líder do CDS. Mas, apesar de tudo, com essa e com o seu partido sabemos com que contamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:48

Partido Chega2.png


A expressão que me veio à memória ao percorrer o que se tem dito e escrito sobre esse tal André Ventura foi “falem bem ou falem mal, mas falem de mim” que é a adaptação de uma sátira atribuída a Oscar Wild, famoso escritor, de origem irlandesa, que viveu no século XVIII.


Acho que, quanto mais importância se dá àquela figura, espécie de valete fora do baralho, que criou uma espécie de seita partidária que André Ventura, não sei se com mais alguém, a que posteriormente resolveu dar o nome de partido “Chega” para conseguir entrar no parlamento através de eleições livres e democráticas. Desculpem-me os seus fãs se não gostarem desta forma de o referir, mas é o que se pôde, até ver arranjar.


Tem havido demasiado chinfrim acerca de André Ventura e, falar-se demais, estamos a ir ao encontro do que ele pretende, que se fale dele. Deixar de falar não quero dizer que se desvalorize. Uma coisa é não lhe dar importância, outra é estar atento aos eventuais populismo e tramoias que dali surjam.


Por inerência de funções parlamentar podemos antecipar que os media lhe irão dar tempo de antena e, por isso, devemos ficar por aí. Estar atentos e não lhe dar “troco” ao que irá dizer, todavia haverá limites.


Hoje transcrevo algumas vozes que se têm levantado contra aquela figura que foi lançada com a promoção de alguns media através da ligação oportunista do comentário futebolístico à política.


Aqui vão algumas dessas vozes:


 11 outubro 2019 - 12:23


“Um grupo de notáveis sócios do Benfica, entre os quais o humorista Ricardo Araújo Pereia, o escritor Jacinto Lucas Pires e o historiador Henrique Raposo, escreveu uma carta aberta ao 'Expresso' mostrando toda a sua "indignação" por André Ventura ter usado "o Benfica para criar uma persona política".


“O advogado e comentador televisivo, eleito deputado nas últimas eleições legislativas, é líder do 'Chega', "partido de extrema-direita abertamente antissistema e xenófobo", que, dizem estes benfiquistas, "é a negação da identidade do Benfica". Veja aqui


------


“André Ventura diz que o conteúdo da carta não o afetou e ao ser político "tem de estar sujeito à crítica," mas sublinha que não é racista nem xenófobo, como afirmam na carta. O deputado disse ainda não ter decidido se vai colocar um ponto final na sua carreira como comentador desportivo.” Confirme aqui.


-----


11 de Outubro de 2019


“Contactado pela agência Lusa, o Benfica recusou comentar a carta aberta e remeteu para os estatutos do clube, nos quais é indicado que o clube não diferencia os sócios “em razão da raça, género, sexo, ascendência, língua, nacionalidade ou território de origem, condição económica e social e convicções políticas, ideológicas e religiosas”. Pode confirmar.


-----


 2019-10-12


“Ricardo Araújo Pereira exige a demarcação do Benfica em relação a André Ventura”


“No Governo Sombra, o humorista falou da carta aberta que assinou, exigindo o afastamento do seu clube em relação ao deputado da extrema-direita. E arrasou a crítica que Pedro Marques Lopes lhe fez”. Consulte em TVI



Hoje fico por aqui porque, para alguns, quanto mais se lhes bate mais se gosta deles, portanto, chega!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58

Futebol_política.png


Não é raro verem-se políticos, deputados, dirigentes partidários até, a comentar futebol em defesa ou não do seu clube. Esta apetência por parte dos políticos pelo comentário futebolístico passou a ser também uma via indireta para fazer campanha partidária que possa patrocinar alguns votos e lhe dê visibilidade.


Em Portugal quem for adepto de um dos principais clubes de futebol e político que pertença a um partido poderá ter caminho aberto para obter votos no seu partido por identificação das massas associativas por simpatias clubistas o que, ao mesmo tempo, pode ser uma espécie de faca de dois gumes. Poderá atrair alguns e afastar outros.


O futebol passou a ser, para além de outras coisas, uma estrada para uma possível obtenção de dividendos partidários. Veja-se como exemplo o caso do CDS, partido em que deputados são também comentadores televisivos de futebol.  Alguém afirmou no próprio partido que esta prática por parte de alguns responsáveis era uma vergonha e que representava o grau zero da política, defendendo que deveriam antes discutir as suas ideias políticas que pode conferir aqui.


Por exemplo, Telmo Correia, presidente da mesa do Conselho Nacional e vice-presidente da bancada do CDS, participa regularmente em programas de debate futebolístico assim como Nuno Magalhães, líder da bancada do mesmo partido.


Estou com Rui Rio quando argumenta que há “uma queda natural de quem está na política de se tentar encavalitar nos êxitos futebolísticos” o que cria estados de espírito emocionais por vezes sem qualquer racionalidade. “Misturam-se com essa componente extraordinariamente emocional e nada racional, quando nós na política temos de fazer um esforço de racionalidade”.


Tem havido a uma tentação tendenciosa para ganhar popularidade política à custa do futebol. Segundo o jornal Público de dezembro de 2018 a ligação do deputado Hélder Amaral, à anterior direção de um clube de futebol (a de Bruno de Carvalho, do Sporting) gerou mal-estar interno, sobretudo, quando a polémica se acentuou no clube e aconteceu o ataque à academia de Alcochete.


Os que gostam de futebol até devem achar bem quando tudo vai bem para os clubes a que pertencem, o problema está quando se verifica o inverso.


Já faltou mais para que no Canal Parlamento venha a ser discutido futebol. Não passa pela cabeça de alguém com bom senso a quem desempenha um alto cargo de estado por nomeação ou por eleição vir a público ser chamado a comentar sobre futebol e aceitar.


promiscuidade entre clubes e partidos políticos e a política em geral.  Promovem-se jantares entre deputados com os presidentes dos clubes a que pertencem com os dirigentes do Porto, Benfica e Sporting existindo algumas diferenças na forma como são organizados. A corrupção no futebol parece servir apenas para os clubes se digladiarem uns contra os outros. A corrupção no futebol passa com beneplácito de todos os que adoram o futebol e, aqui e ali vêm ao de cima casos e casinhos que vão andando por aí como, para já não falar de casos mais graves do Sporting e antigamente do FCP, o caso do Benfica caso de corrupção no futebol em que Filipe Vieira passou de acusador a acusado que tendo feito da luta contra a corrupção uma arma de afirmação no futebol português, mas vê-se agora colocado numa posição em que tem de se defender de múltiplas acusações como pode confirmar aqui e não me venham dizer que a redação da RTP é toda contra o Benfica.


Nada disto movimenta rios de protestos, nem manifestações de indignação popular ou jornalísticas e esta se não for pelas audiências, porque o futebol, para os portugueses, parece ser uma espécie de algo intocável contra o qual ninguém se deve manifestar contra, nem, tão pouco, contra os políticos que neles se encavilham, mas levantam-se brados quando é nomeado um ministro ou um secretário de estado, ou um qualquer chefe de gabinete que tem, porque já tinha, um familiar com um determinado cargo a trabalhar na função pública.


Viva o futebol instituição intocável onde vale tudo e onde a corrupção se resume a desvios de dinheiros subornos e outros que tais que são denunciados porque até lá nada tocou aos denunciadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:55

Futebol_Violencia.png


A estratégia terrorista tem vindo a difundir-se também no desporto e, sobretudo, no futebol que, como desporto de massas, é propício a este àquelas atividades cujas causas são várias, tais como o clubismo exacerbado, com manifestações intimidatórias e desenfreadas para com os adversários e a criação de instabilidade social com finalidades políticas. É nas chamadas claques, que se infiltram elementos de organizações políticas mais ou menos clandestinas e destinadas a provocar desacatos.


Até nos próprios clubes o terrorismo passou a estar presente no retângulo do confronto desportivo para passar a residir também no confronto físico entre as próprias equipas no terreno. Estes confrontos de violência já atinge as equipas de arbitragem. Oo que se passou no encontro entre o Sport Rio Tinto e Canelas que durou apenas três minutos, depois de um jogador da equipa gaiense ter agredido um atleta da formação da casa e o árbitro que foi hospitalizado, é bem evidente.


Alguns dos comportamentos violentos podem ser espontâneos, outros tomam formas de violência mais organizada. O primeiro tipo, a violência espontânea pode ser causada por uma decisão "errada" do árbitro, por exemplo, ou mesmo por uma "palavra" errada de alguém. Estas são situações que não se podem prever e que podem levar a um caos total. É muito perigoso e requer uma reação rápida da polícia. O último tipo, a violência organizada, pode até ser mais perigoso e de maior dimensão, como temos visto quando há desafios importantes.


Ainda hoje o Presidente do Boavista denunciou o "clima de agressões verbais, pressão, intimidação e autêntica coação" criado "por representantes diretos e indiretos dos chamados três grandes".


Muitos exemplos poderíamos encontrar para ilustrar o problema das lutas entre “adeptos furiosos” e bem organizadas contra outros grupos onde por vezes inocentes são sacrificados. Outro aspeto a considerar é que nos estádios a segurança tornou-se mais eficaz e isso torna mais difícil um motim no próprio estádio. Estes amotinadores encontram agora outros locais onde ainda podem continuar com suas atividades ilegais o que torna obviamente mais difícil o seu controle pela polícia.


O futebol é campo propício para avidez de violência que se encontra latente nos adeptos que concentram dentro de si as frustrações que vão libertar no futebol que manifestam pelas mais diversas formas.


A política também encontrou o seu lugar no futebol para se insinuar aos que gostam de futebol. Não é por acaso que muitos políticos no ativo se transformaram em comentadores desportivos, (leia-se de futebol), isto porque pode ser um meio de dar dividendos políticos a prazo.


Os próprios clubes, pelo menos os que mais se evidenciam, criaram condições psicológicas favoráveis para, em vez da competição saudável entre clubes, passar a ser uma competição que gera ansiedade individual pela iminência de um acontecimento desagradável, a perda do jogo pelo seu clube, e, entre grupos de adeptos, que se torna em violência patológica entre adeptos diferentes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:47

 






 

 


Antes do comentário que irei fazer cumprem-me fazer uma declaração prévia. O futebol não faz parte de todo dos meus interesses pessoais e, como tal, não tenho por hábito discutir futebol com quem quer que seja e quando o faço é pura e simplesmente no sentido de gracejar com o tema.


A condecoração de Cristiano Ronaldo com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, por parte do Presidente da República, Cavaco Silva, do meu ponto de vista não foi essencialmente por causa do seu contributo na projeção internacional do país, mas uma questão de imagem pessoal do próprio presidente. A projeção internacional de Ronaldo como tal não nos livra das dificuldades financeiras, tão pouco nos da crise e da austeridade nem contribui para a recuperação económica.


Apesar de ter havido uma ligeira recuperação, 1,5%, da popularidade de Cavaco Silva ele precisava de uma ajudinha, e onde ir buscá-la, claro que na área onde sabe que as emoções vêm à flor da pele, o futebol e Cristiano Ronaldo.


 Aqui o Presidente da República jogou uma dupla cartada que foi pensar nele mesmo, o que faz por norma, e no desvio das atenções dos problemas que se enfrentam. Um oportunismo político porque este espetáculo público sobretudo cai bem…


Mas assim como os portugueses têm memória curta na política, dizem, também a têm para estes factos efémeros que se esfumam quando, no quotidiano, se confrontam com as dificuldades e lutam para as ultrapassarem com grande esforço.


No seu discurso de entrega da condecoração o presidente instituiu o futebol como arte, disse ele, ao exaltar as qualidades de trabalho de Ronaldo como se fosse um exemplo a seguir pelos portugueses, tal como a "coragem de acreditar", não sabemos é em quê!


Como não há símbolos nacionais credíveis que mobilizem os portugueses Ronaldo é o que está à mão. As artes, as ciências, a investigação científica ficam ofuscadas por um


 


"Cesse tudo quanto a antiga musa canta,


Que outro valor mais alto se alevanta."


 


como Camões escreveu n' Os Lusíadas.


 


Mas que viva Ronaldo!


 


Ele é, e será, a salvação da Pátria porque dá alegria a milhões de portugueses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:35

Calibrar o pensamento

por Manuel_AR, em 14.01.14

Começo a pensar que devo calibrar o meu pensamento. O conceito de calibrar tem a ver com a ideia de comparar algo de uma espécie com outra da mesma espécie que serve de padrão. Será então um conjunto de operações que estabelece, sob condições específicas, a relação entre valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida de referência e os valores de grandezas estabelecidas por padrões. Com a calibração podemos conhecer o comportamento de um equipamento quantificando os erros que possa apresentar.


Por muito clubista que possa ser e muitas estima que tenha por Eusébio após os acontecimentos que rodearam a sua morte percebi que os meus padrões de pensamento necessitavam de ser calibrados de acordo com os valores de referência sociais, políticos, éticos e comunicacionais, porque não estavam aferidos com o arrebatamento exagerado que ocorreu.


A necessidade de calibragem sobreveio a partir do exagero dos órgãos de comunicação televisivos na ânsia de captar audiências. Foi um autêntico maná para a informação que mobilizou muitos milhares de telespectadores e laçou outros tantos para as ruas de Lisboa, mesmo aquelas que, sendo muito jovens, não viveram nem sentiram os momentos áureos que Eusébio deu a Portugal nos anos sessenta.


Há algo para mim inexplicável. Como é que muitos e muitos portugueses foram mobilizados e outros se automobilizaram a partir dos programas televisivos quando são incapazes de aderir a mobilizações, não importa agora quem as convoca, para se insurgirem contra o põe em causa a sua vida enquanto cidadãos e lhes retiram direitos que foram arduamente conquistados.


Devo calibrar o meu pensamento de acordo com certos padrões para perceber porque é que manifestações de pesar por Eusébio, às quais eu me associo embora não seja grande apreciador de futebol, tiveram mais afluência do que aquelas que estão contra a destruição de vidas e atentados aos direitos de milhares de cidadãos trabalhadores.


Pode haver uma explicação possível, os portugueses, tendo um défice de símbolos com que de facto se identifiquem e os envolva num projeto nacional agarram-se a símbolos efémeros e passageiros que em nada contribuem para melhorar as suas vidas. Agarram-se a "momentos de alegria" pontuais e passageiros que se esfumam na passagem dos dias. O projeto coletivo é unicamente o futebol que os une ou os desune consoante os interesses clubísticos.


Explicam-nos alguns frequentadores crónicos de momentos televisivos de informação que estas figuras tornam conhecido o nome de Portugal no mundo. Mas para quê, com que objetivo? Será que por aí se gera criação de riqueza e que, por isso, investidores virão a correr para Portugal para investir e gerar emprego? Ah! O turismo! Pois!


Por outro lado a cultura, não a futebolística claro, é simplesmente marginalizada porque, na perspetiva desta direita antissocial, não tem qualquer interesse e é vista apenas como algo que dá despesa.


A calibragem do meu pensamento não se consegue aferir no que reporta a valores que esquecem portugueses literatos, cientistas, artistas e outros, reconhecidos no estrangeiro que, de forma ignóbil, são esquecidos e se idolatram futebolistas cujas mais-valias, se é que existem neste âmbito, em nada contribuíram nem contribuem para o crescimento nem para tirar Portugal do marasmo económico e financeiro em sistematicamente que tem sido colocado. Recordo o caso do Campeonato Europeu de Futebol de 2004 em que se esbanjou dinheiro em estádios inúteis.


Claro que, no caso de Eusébio, os políticos com um acontecimento tão mediatizado tinham que estar todos presentes, sem exceção. Isso interessa a um certo o eleitorado porque a diferença de um voto a mais pode fazer toda a diferença. Alguns até deram demais nas vistas, com mostra a imagem abaixo. Hipocrisia? Marketing político puro? Dá votos e visibilidade? Então, até se lambe o chão se for preciso.


Não. Afinal resolvi não calibrar o meu pensamento com aquele tipo de valores.



 


Imagem de http://www.tvi24.iol.pt/fotos/3/342752


http://www.tvi24.iol.pt/multimedia/oratvi/multimedia/imagem/id/14050667/877x658

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:56


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.