Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A derrota do Capitão América

por Manuel_AR, em 10.04.20

Coronavirus e Estados Unidos.png


Estive nos Estados Unidos da América, mais propriamente em Nova York, em 2003. Foram quinze dias inesquecíveis que me souberam a pouco. Era o tempo em que George W. Bush era Presidente do mais poderoso país do Mundo, aliás muito criticado, não por ser republicano, mas pela sua política disparatada e que, por isso, será lembrado. Muitos dos seus atos políticos serão difíceis de esquecer. O mesmo aconteceu com as suas frases, que eram motivo de risos e de constante perplexidade. Relembro uma das muitas frases malucas que Bush Júnior proferiu ao longo de sua carreira política tais como esta: "Os nossos inimigos são inovadores e engenhosos, mas nós também. Eles nunca param de pensar em como prejudicar nosso país e nosso povo. Nós também não" (Washington, 5 de agosto de 2004).


Podemos chamar-lhe trocadilho, lapso, ou quer que seja, mas em nada se comparam às contradições, mentiras, provocações malévolas, negacionismo do atual e pouco estadista presidente Donald Trump.


Peritos de saúde nos Estados Unidos têm ainda estado em desacordo com Donald Trump, que tem feito uma série de afirmações questionáveis, ou simplesmente falsas, a propósito do coronavírus. Disse que a taxa de mortalidade da gripe comum é “muito mais alta” do que 0,1% (depois de ter confirmado que era 0,1%, como dizem os especialistas); que “ninguém sabia o que era o Ébola antes de 2014” (o Ébola foi descoberto em 1976); desvalorizou o perigo e a progressão da doença, falando da possibilidade de uma vacina aparecer rapidamente (estima-se que leve um ano a ano e meio a estar pronta); mencionando os efeitos económicos do coronavírus, declarou: “Vai passar. Tenham calma.”


Segundo a BBC e dados do Censo, com valores referentes ao mês de março, mostram que mais de 27,5 milhões de americanos não têm acesso a seguros de saúde, o que terá feito com que muitos que apresentam sintomas ou requerem tratamento não recorram a hospitais por medo dos custos elevados. Mas para muitos que têm plano de saúde, o dinheiro com a coparticipação ou franquia têm de desembolsar uma quantidade de dinheiro que as seguradoras não cobrem e que em algumas ocasiões pode ser de milhares de dólares e também pode fazer com que muitos descartem a possibilidade de ir ao médico. Segundo dados da ONG Commonwealth Fund, mais de 44 milhões de pessoas encontram-se neste último grupo de "seguro insuficiente".


Com a conivência do partido Republicano Trump encara os EUA como se fosse o seu condomínio privado, um qualquer espaço de recreio infantil sujeito aos seus caprichos momentâneos e aleatórios dizendo tão rapidamente quanto desdiz. O que em uns dias seria uma verdade absoluta deixa de o ser na semana ou mês seguinte.  Uma postura ridícula de poder é notória quando mostra para as câmaras a sua assinatura que lembra uma peça publicitária de mau gosto.


Em 2003 tinham passado somente 3 anos dos atentados do 11 de setembro, trauma na altura ainda fresco, mas respirava-se naquela altura a agitada vida nova-iorquina, a cidade sem descanso. Hoje Nova Yorque está e a passar por uma catástrofe humana, social e económica nunca vistas, nem vividas desde a destruição das torres gémeas por grupos de criminosos terroristas. Hoje é o “terrorismo” da pandemia do novo coronavírus sobre a saúde pública americana que ataca selvaticamente a população de Nova Yorque e os EUA a que Trump assiste impávido e sereno dizendo trivialidades nas conferências de imprensa.


Trump, com manifesto desprezo pela vida humana - que não a dele, claro – inicialmente, e ainda continua a fazê-lo, desdramatizou, adiou, retardou ao extremo, não se sabe se propositadamente,  medidas para salvaguardar a saúde pública que se impunham como necessárias. Se não tivesse sido pressionado não tomaria quaisquer medidas para proteção da população. Para ele a economia e os lucros das grandes empresas que o têm mantido no poder valem mais do que a vida dos seus concidadãos americanos.


Nos EUA a questão do aumento do emprego e do desemprego relacionam-se com as empresas e a política. Quando uma presidência lhes é favorável, e porque sabem que liberalização dos despedimentos os protege, contratam pessoal facilmente e as estatísticas do desemprego diminuem, mostrando assim a virtude das políticas da administração que então se encontre na Casa Branca. Tem sido assim que, com Trump, o emprego nos EUA tem aumentado, mas agora em altura de crise o desemprego aumenta para níveis assustadores.  


Como é que Trump justifica agora aos americanos o que está a acontecer com o Covid-19? Muito simples, arranjam-se culpados para justificar a sua inépcia. Primeiro chamou-lhe o vírus chinês que era apenas uma pequena gripe, em março de 2020 Trump acusa UE de falhar na resposta ao Covid-19 e promover infeções nos EUA, agora acusa a OMS – Organização Mundial de Saúde de não ter o avisado e de ser pró-chinesa. Mas, então, a OMS não avisou há meses e quase diariamente o que estava a acontecer e assim como as previsões. Está a chamar indiretamente aos seus compatriotas e ao resto do mundo imbecis.  Ao que chegou o Partido Republicano que sustenta gente como esta, é coisa nunca vista, tanto quanto se conhece da história e da política dos EUA mesmo em anos maus.


Trump está a perder o respeito no palco mundial, ou melhor, já o perdeu, que o afasta cada vez mais das diversas realidades. Vive num mundo só dele e dos que ainda o continuam a apoiar. Por outro lado, os países da U.E. com as suas tricas internas devidas a egoísmos nacionalistas encobertos e à falta de solidariedade parecem não ter percebido que estão a ajudar Putin e Trump que aproveitam todas as oportunidades para a desmoronar, aliás como Trump parece ter feito durante o seu mandato. Não é novidade que Trump aconselhou o Reino Unido a sair da União Europeia. Emmanuel Macron, em maio de 2019, denunciou haver "uma convergência entre nacionalistas e interesses estrangeiros" para destruir a União Europeia, referindo-se a Steve Bannon, ex-estratega político de Donald Trump, e à Rússia. "Só podemos estar perturbados e não podemos ser ingénuos", disse Macron numa entrevista a 41 jornais regionais em que afirma, sem dar pormenores, que "russos e outros" estão a financiar partidos extremistas na Europa".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59

Ter os olhos bem abertos

por Manuel_AR, em 15.11.16

Trump_Presidente2.png


 


Há cerca de dois anos passei duas semanas no EUA, concretamente em Nova York, em casa de família que, na altura, lá estava como Embaixador. Apesar do controle exigido desde os atentados do onze de setembro respirava-se liberdade. Frequentar aquelas extensas avenidas era um prazer. Respirava-se paz, movimento, agitação, trabalho, comércio, passeio, cultura, cruzamento de etnias. Receio que tudo isso se vá perder regressando ao passado da desconfiança, do racismo, da perseguição, da insegurança justificada pela necessidade de mais segurança. Talvez por tudo isso, no estado de Nova York a democracia venceu.


Chamemos o que quisermos a Donald Trump, e critiquemos o seu projeto político, mas ele apenas foi o intérprete do sentir duma parte do povo da América. Foi assim que o III Reich (Alemanha nazista) conquistou o poder após as eleições de 1932. Como no governo do III Reich, Trump também glorifica o passado ao pretender “fazer a América grande de novo” e considera inimigos os que lá trabalham em serviços que os americanos já não querem fazer. Dizer que os imigrantes estão a retirar empregos é uma falácia. Nos Estados Unidos o desemprego é baixíssimo cerca de 4,2%. Criar postos de trabalho? Quais e para quem? Foi um ardil para iludir o eleitorado.


Se não era o manifesto sentir do povo Trump fez com que o fosse sem que houvesse um desmontar do seu populismo por parte os media que, aqui e ali, foram desdramatizando, como se Trump fosse aquele que, apesar das sondagens se aproximarem dos democratas não ganharia as eleições.


Comentadores há que, sapientemente, falam de esquerda e direita no EUA. Não há esses epítetos nos Estados Unidos onde há um sistema bipartidário, Republicanos e Democratas. O que há, de facto, são várias tendências que se congregam em cada um dos partidos.


Racismo, segregacionismo, xenofobia, islamofobia e misoginia estão a tornar-se as palavras chave nos Estados Unidos. As tenebrosas organizações racistas surgem sem vergonha à luz do sol e na sombra da noite, Trump e os que nomeará para o seu Governo serão o escudo.


Em Portugal e na Europa aliados à extrema-direita já estão a vir sem medos para fora das tocas.


Na política externa Trump quer fechar-se, está contra todos, contra a Europa e com as suas relações comerciais, contra os muçulmanos, todos terroristas, contra os países da América do Sul, nomeadamente o México, donde provém os imigrantes que se acomodaram no seu país, cerca de três milhões de marginais e assassinos que pretende expulsar ou encarcerar das prisões. Não se sabe é como. Deverá ser à custa de muita construção civil que levará Trump, através das suas empresas, a retirar vantagens. É contra a China, é contra a NATO, é contra a comprovação científica do aquecimento global e das alterações climáticas que são uma invenção dos chineses, enfim está contra tudo e todos que não sejam da américa fechada e refém de si própria.


É a favor das negociações a leste, com Putin. Resta saber se quebrará as relações com a Coreia do Sul e restabelecerá alianças com a Coreia do Norte de Kim Jong-un.


Na pior das hipóteses irá promover o regresso ao passado das perseguições Mccartistas com acusações de subversão ou de traição através de alegações injustas por denúncias de outros cidadão para restringir a divergência e a crítica política.  Na política externa poderá verificar-se uma espécie de Guerra Fria de sentido contrário, não com a Rússia, mas com o ocidente.


Não concretizar as promessas que fez será o que menos ele deseja.


Esperemos para ver, mas com olhos bem abertos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:46

O contágio

por Manuel_AR, em 13.11.16

Trump_Presidente.png

A eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos tem sido considerada com reservas pela maior parte dos analistas políticos e comunicação social da direita à esquerda. Há. no entanto, alguns que ainda lhe dão o benefício da dúvida e lá acabam por dizer que não será tão mau presidente como as pessoas o julgam. Neste rol encontra-se o editorial do “jornal i” que, em síntese, diz que ainda é cedo para ver, e que Trump ainda vai mudar. É tudo possível, mas é bom não esquecer que a maioria do eleitorado que o colocou na presidência espera que cumpra o que prometeu. Se o Senado e a Câmara dos Representantes que também têm a maioria republicana lhe forem favoráveis, assim como o Supremo Tribunal, então pode seguir em frente sem obstáculos.

Se alguns entraves lhe surgirem pelo caminho que possam atrasar os seus intentos pedirá um segundo mandato para o seu cumprimento. Aliás, pelos primeiros nomes da sua equipa antecipados por alguns órgãos de comunicação dos EUA, nomes bem conhecidos pelas ideias e afirmações que defenderam no passado, não se deve esperar grande coisa.

Em sentido figurado, Donald Trump poderá vir a ser a versão preliminar do Anticristo e um dos quatro cavaleiros do Apocalipse (Peste, Guerra, Fome, Morte) não sabemos é qual deles será, ou se será o quatro em um.

A fórmula “God Bless América” poderá vir a deixar de ser pronunciada, pela primeira vez, na sua tomada de posse. 

A estratégia de Hitler para chegar ao poder foi, com aproximação, seguida por Trump, arranjar bodes expiatórios e trazer à superfície o ódio contido que na sociedade americana estava contido. A sociedade americana por falta de cultura geral e geo-histórica desconhece o passado da Europa. Não foi por acaso que o líder máximo neonazi e do Klu Klux Klan saiu da sombra e já marcou uma manifestação para dezembro para celebrar a vitória de Trump.

Na Europa o efeito de contágio já começou confirmado pelas reações das extremas-direitas europeias como a de Geert Wilders que escreveu no Twitter “O dia de ontem mostrou, e isso é que vou dizer aos meus eleitores, que tudo é possível e isto não vai parar por aqui – vamos assistir a este movimento em vários países europeus… A vitória de Trump é um grande incentivo para todos nós – que amamos a pátria e a liberdade.” Marine Le Pen acompanha-o dizendo que “não é o fim do ´mundo´, mas o fim de um mundo”.

O partido neonazi grego Aurora Dourada celebrou a eleição de Trump para a Casa Branca, que considerou uma vitória contra a "imigração ilegal", a favor das nações "etnicamente limpas" e dos "estados nacionais contra a globalização", numa mensagem em vídeo difundida na internet.

A onda de contágio pode não se fazer apenas pelos líderes da extrema-direita e grupos neonazis que se sentirão reforçados e apoiados por declarações de Trump cuja difusão, através das redes sociais, poderá ter um efeito de contágio sobre os pouco avisados ou desconhecedores de consequências que elas poderão trazer, arrastando-os para ideologias próximas ou piores do que as de Trump.

O perigo do crescimento de ideologias como as que Trump defendeu/defende pode muito bem fazer ressurgir o seu oposto, isto é, a reorganização e o reforço dos partidos comunistas e das esquerdas radicais na europa que entraram em estado de hibernação e se levantarão novamente sob a forma duma contrarrevolução.

Facto como este que se está a verificar nos EUA pode ser uma prova de que não há democracias irreversíveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:05

Uma conversa possível sobre a Grécia

por Manuel_AR, em 17.07.15

Reunião_UE_EUA.png


 


Estou a imaginar o seguinte diálogo entre o Presidente dos Estados Unidos da América, Obama, claro! Há quem não goste dele. Estão no seu direito, eu também não gosto de outros que por ai andam a mandar bitates. Paciência, é a vida!


Dizia eu que imaginava um diálogo entre o Presidente dos EUA, ou qualquer mandatário, e uns tipos ou tipa importante que mandam na União Europeia.


Começa o do EUA.


«Eh pá, vejam lá essa porra da Grécia. Isto pode criar um problema do caraças! Vocês aí até parece que não sabem geografia nem ler mapas. Já viram bem o imbróglio que estão a criar ali na zona! Aquilo ali é nosso, faz parte da NATO, não podemos perder a nossa influência naquele lado, pá!»


«Mas senhor Presidente, aqueles tipos devem-nos dinheiro como ó caraças e não fizeram esforço para poupar e pagar».


«Vocês querem é aproveitar-se dos juros que cobram. Como querem que eles paguem se não ajudam a economia para poderem pagar. Vocês são mas é uns grandes cromos que só pensam no umbigo dum país. Pensem a longo prazo porra!».


O do lado proferiu um comentário sarcástico. «Diz-lhe mas é se ele quer as ilhas gregas no dólar e nós ficamos com Porto Rico no euro».


«Deixa-te mas é de gracinhas pá, e centra-te mas é no importante». Avisou o dos EUA. «Vamos falar com o FMI para dar uma ajudinha de modo a inverter a situação, vocês disfarçam, dizem que não é legal e tal e coisa, mas que irão ver se arranjam uma solução».


«Isso é complicado porque temos os parlamentos que têm também que aprovar o novo resgate e sabem como é… os credores. E depois há os "outros" que também estão em crise e com dívida que começam para aí a chatear que querem o mesmo. Vejam o caso de Portugal onde o primeiro-ministro que, sobre este assunto, anda sempre a nosso reboque é muito bom aluno e agora que está em período eleitoral vai ser lixado.»  


«Criaram o problema, emprestaram à balda quando na Grécia havia governos da vossa simpatia, agora amanhem-se. Quanto a esse tipo lá de Portugal não se preocupem, ele não faz mais do que o que vocês dizem para fazer, depois desenrasca-se e dirá o dito por não dito de modo a que ninguém perceba. Nós cá falaremos com ele sobre a Lajes e ficará todo contente. Ele contenta-se com pouco, precisa é que alguém de fora o mande fazer qualquer coisa.».


«Porreiro pá! Iremos tentar. Mas não prometemos que seja já. Sabem, estão também em jogo a nossa dignidade e os nossos eleitores, as coisas terão que ser a pouco e pouco.»


«OK. Já estamos a perde muito tempo com esta m., vamos dizer à Lagarde para mandar emitir um relatório sobre a dívida da Grécia. Poderá ser-lhes útil. Queremos manter aquela área de influência sobre nosso controlo. Lá do outro lado aquilo pode complicar-se. Depois há aqueles tipos das extremas-direitas que andam aí para os vossos lado e são perigosos. Podem captar votos se isto corre mal. E são muito piores que vários Syrizas juntos e aí vocês é que se tramam, sai-lhes tudo do euro.»


«F… já viste a m… em que nos meteste pá!» Vociferou um deles virando-se para um outro do grupo da U.E..

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:44


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados