Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O contágio

por Manuel_AR, em 13.11.16

Trump_Presidente.png

A eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos tem sido considerada com reservas pela maior parte dos analistas políticos e comunicação social da direita à esquerda. Há. no entanto, alguns que ainda lhe dão o benefício da dúvida e lá acabam por dizer que não será tão mau presidente como as pessoas o julgam. Neste rol encontra-se o editorial do “jornal i” que, em síntese, diz que ainda é cedo para ver, e que Trump ainda vai mudar. É tudo possível, mas é bom não esquecer que a maioria do eleitorado que o colocou na presidência espera que cumpra o que prometeu. Se o Senado e a Câmara dos Representantes que também têm a maioria republicana lhe forem favoráveis, assim como o Supremo Tribunal, então pode seguir em frente sem obstáculos.

Se alguns entraves lhe surgirem pelo caminho que possam atrasar os seus intentos pedirá um segundo mandato para o seu cumprimento. Aliás, pelos primeiros nomes da sua equipa antecipados por alguns órgãos de comunicação dos EUA, nomes bem conhecidos pelas ideias e afirmações que defenderam no passado, não se deve esperar grande coisa.

Em sentido figurado, Donald Trump poderá vir a ser a versão preliminar do Anticristo e um dos quatro cavaleiros do Apocalipse (Peste, Guerra, Fome, Morte) não sabemos é qual deles será, ou se será o quatro em um.

A fórmula “God Bless América” poderá vir a deixar de ser pronunciada, pela primeira vez, na sua tomada de posse. 

A estratégia de Hitler para chegar ao poder foi, com aproximação, seguida por Trump, arranjar bodes expiatórios e trazer à superfície o ódio contido que na sociedade americana estava contido. A sociedade americana por falta de cultura geral e geo-histórica desconhece o passado da Europa. Não foi por acaso que o líder máximo neonazi e do Klu Klux Klan saiu da sombra e já marcou uma manifestação para dezembro para celebrar a vitória de Trump.

Na Europa o efeito de contágio já começou confirmado pelas reações das extremas-direitas europeias como a de Geert Wilders que escreveu no Twitter “O dia de ontem mostrou, e isso é que vou dizer aos meus eleitores, que tudo é possível e isto não vai parar por aqui – vamos assistir a este movimento em vários países europeus… A vitória de Trump é um grande incentivo para todos nós – que amamos a pátria e a liberdade.” Marine Le Pen acompanha-o dizendo que “não é o fim do ´mundo´, mas o fim de um mundo”.

O partido neonazi grego Aurora Dourada celebrou a eleição de Trump para a Casa Branca, que considerou uma vitória contra a "imigração ilegal", a favor das nações "etnicamente limpas" e dos "estados nacionais contra a globalização", numa mensagem em vídeo difundida na internet.

A onda de contágio pode não se fazer apenas pelos líderes da extrema-direita e grupos neonazis que se sentirão reforçados e apoiados por declarações de Trump cuja difusão, através das redes sociais, poderá ter um efeito de contágio sobre os pouco avisados ou desconhecedores de consequências que elas poderão trazer, arrastando-os para ideologias próximas ou piores do que as de Trump.

O perigo do crescimento de ideologias como as que Trump defendeu/defende pode muito bem fazer ressurgir o seu oposto, isto é, a reorganização e o reforço dos partidos comunistas e das esquerdas radicais na europa que entraram em estado de hibernação e se levantarão novamente sob a forma duma contrarrevolução.

Facto como este que se está a verificar nos EUA pode ser uma prova de que não há democracias irreversíveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:05

Olhem bem para mim, alto, forte, louro, bem constituído, praticamente de raça ariana, sou agora o vosso Presidente. Reparem, aqui ao meu lado, no meu descendente e na sua pureza de jovem branco e louro.


Isto vai ser um bom prenúncio para o povo americano. Eu sou o messias que trago esperança ao nosso povo que voltará a ser impoluto de misturas. Sou o intérprete do sentir do povo. Iremos voltar ao nosso glorioso passado racista e segregacionista, vamos unir-nos em volta dos que acreditam na América e no seu passado, com orgulho militante. Não deixaremos que outros ocupem as nossas escolas, empregos e organizações.


A culpa das sucessivas crises económicas, do desemprego e as perdas que a América têm sofrido tem responsáveis: os imigrantes negros e latinos que deixaram entrar no nosso amado país, que foi grande, e irá voltar a sê-lo.


Vamos unir-nos, desunindo! Traremos valor à nossa América, limpando os lixos minoritários de homossexuais, e lésbicas. Colocaremos também as mulheres no seu respetivo lugar que é o de cuidar do lar e dos filhos para darem lugar aos maridos que encontrarão trabalho para sustentar a família, como sempre foi no tempo do nosso glorioso passado. A minha missão será conduzir a América a um progresso nunca visto e o regresso ao orgulho nacional.


Como todos os americanos puderam confirmar, durante na minha campanha eleitoral, sou exclusivamente qualificado para dirigir os destinos da América, elevando-a a um plano de grandeza. Tenho conhecimento dos males do mundo e de como dominá-los. A nossa sociedade está a ser minada e destruída pela predominância e proliferação de raças que imigraram para o nosso país e ocuparam o nosso espaço, vital para o nosso desenvolvimento. À semelhança do que a ex-União Soviética fez em Berlim, iremos nós também construir um muro junto à fronteiras.


Destruiremos o chamado sistema nacional de saúde que nos quiseram impor e que será privatizado, reduzindo os gastos públicos e lançando-o para mãos dos privados, que são os grandes motores do desenvolvimento económico.


Tenho a certeza das minhas convicções, como viram pela minha campanha. Elas são facilmente compreensíveis e todas muito simples e expressas em termos de preto e branco mas, neste meu mundo, todos serão bem-vindos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:49


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.