Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


António Costa no Benfica.png

Tenho ódio às touradas e ao futebol. Odiar talvez seja um verbo demasiado forte, mas detestar será talvez o mais adequado neste contexto. Não incluo os dois eventos no mesmo saco, mas, o futebol é, cada vez mais, uma real tourada sem touros.

Ter jogado andebol e futebol no colégio onde frequentei os estudos pré-universitários não veio contribuir para minimizar a minha aversão ao futebol que já vem de longe. Todavia, na altura era manifesta a minha simpatia pelo Benfica embora sem perceber muito bem porquê.

Recordo-me quando ainda criança ter ido um certo domingo a Évora para ver um qualquer jogo de futebol acompanhado pelo meu pai e uns amigos, um deles professor de ginástica do Lisboa Ginásio, ali para o lado dos Anjos, e um outro que trabalhava na companhia de seguros “O Trabalho” que, com o passar dos anos, foi absorvida por outra. Sinais dos tempos.

Tenho aversão ao futebol e ao mesmo tempo não sei explicar bem porquê. Não tem a ver com o desporto pois gosto de desporto, e talvez até de algum futebol, mas não daquele com que me injetam diariamente. Não devo ser caso único.

Investigações relativamente recentes na área da psicologia têm produzido trabalhos que têm estudado a dependência comportamental. O futebol passou a ser um aditivo, uma dependência comportamental que não depende de substâncias ingeridas por quaisquer vias. A dependência situa-se ao nível dos efeitos recompensadores.

Mas será que ser adepto e seguir um clube é uma dependência? Vários trabalhos científicos têm demonstrado a validade desta premissa e quem trabalha na área de marketing e na promoção de produtos acha que as empresas comerciais gostariam de conseguir o mesmo tipo de lealdade e de dependência em relação aos seus produtos e marcas idêntica à dependência que os fãs clubistas têm para com o futebol e os seus clubes.

É curioso como adeptos do futebol aceitam que clubes se movimentam muitos milhões de euros comprando e pagando a jogadores fortunas e não contestam nem criticam aceitando esta afronta aos trabalhadores deste país que lutam por melhor salário, mas que ao ser-lhes colocada esta questão a reposta é a de que o futebol lhes dá muitas alegrias. É o futebol a sobrepor-se a tudo e a todos, do indivíduo à política, e aos governos.

Recordo-me que em 2013 Jorge Jesus dizia que “estamos no caminho certo para dar muitas alegrias aos nossos adeptos”. É isso, o adorado futebol vale mais do que tudo porque dá muitas alegrias e Costa colabora desta vez e seguiu o slogan para mostrar o um caminho para dar também muita alegria desta vez apenas aos benfiquistas.

O convite que Luís Filipe Vieira fez recentemente ao primeiro-ministro António Costa e ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa Fernando Medina para integrarem a comissão de honra da sua recandidatura à presidência do Benfica, fez despontar a aversão que já tinha pelo futebol e pelas manobras dos seus dirigentes que se imiscuem na política com o objetivo de obter posteriores vantagens para o que der e vier. Neste rol incluo também os políticos em exercício que comentam futebol nos canais de televisão com a desculpa de que estão ali como cidadãos(!?). Para os políticos a utilização do conceito de cidadão serve para toda a justificação de interesse pessoal.

Ao aceitar António Costa, primeiro-ministro, atropela a democracia no Benfica ao apoiar um candidato em detrimento de outros. António Costa como primeiro-ministro poderia exercer o seu direito de voto sem se pronunciar a favor ou contra qualquer candidato. O primeiro-ministro de Portugal entrou e fez campanha eleitoral por um candidato cujo o cargo influenciará as eleições em prejuízo de outros candidatos.

É certo que houve muitos outros de vários partidos que também foram convidados. Não seria controverso caso António Costa não fosse primeiro-ministro e fosse apenas um sócio e adepto do Benfica. Há cargos que não se podem confundir com o de cidadão. Foi mais um passo para complementar a já promíscua relação futebol-política.

O convite ao responsável máximo pela governação do país para fazer parte da comissão de honra de apoio a uma candidatura à presidência de um clube de futebol implica um comprometimento, e não venha o senhor primeiro-ministro António Costa esgrimir argumentos que barram com muros de incompreensão de muitos cidadãos e atraiçoam a lógica de boa política. Claro que benfiquistas apoiantes de Luís Filipe Vieira batem palmas de contentamento porque estão a ver o número de votos que recolhem de quem politicamente apoia António Costa e que, consequentemente, vão também apoiar Filipe Vieira.

Parece que o futebol pretende sobrepor-se e controlar a política. Quem pode falar de viva voz é Rui Rio que no passado quando era presidente da autarquia do Porto confrontou o Futebol Clube do Porto e Pinto da Costa. Concordo com Rui Rio quando diz que a ação política “não deve ser ditada por imperativos de ordem emocional ou de simpatia clubística” e que “hoje até há problemas quase de ordem judicial metidos nisto”.

Também é certo que António Costa não deixa de ser cidadão por ser primeiro-ministro, mas sendo este um cargo que supostamente deve ser de elevação, isenção e independência não deveria consentir-se a colagens daquele tipo. Não foram os adeptos do Benfica ou de qualquer outro clube que o colocaram naquele cargo foi a maioria dos cidadãos adeptos ou não de qualquer clube e que, por isso, merecem o seu respeito.

A atitude de António Costa que em primeiro lugar e nestas circunstâncias é primeiro-ministro e, por consequência, do seu cargo não pode ser considerada como colagem e cumplicidade apenas do cidadão com Luís Filipe Vieira, dirigente desportivo apontado como alegado beneficiário da fraude do BES ou de estar envolvido em vários processos judiciais como arguido ou suspeito.

A comissão que António Costa integra e para a qual foi convidado terá o propósito de enaltecer alguém que é um dirigente clubista cuja perceção é encarada por muitos cidadãos como uma das faces do país minado pelo favor e pela corrupção. Para muitos cidadãos o primeiro-ministro António Costa, mesmo que não o quisesse e não fosse sua intenção, meteu-se no pântano do futebol.  Muitos dos que aí proliferam e vociferam contra a corrupção vêm agora justificar este ato de aceitação clubista.

Filipe Vieira neste momento, queiram ou não os benfiquistas, está na mira da justiça ainda que venha publicamente a afirmar que são tudo calúnias. José Sócrates também teve e tem o mesmo argumento ainda que não se saiba ainda como terminarão os julgamentos.

Em 2016 foi aprovado pelo conselho de ministros que o Código de Conduta do Governo refere que «Os membros do Governo devem recusar liminarmente quaisquer ofertas, convites ou outras facilidades que possam ser fornecidas na expectativa de troca de uma qualquer contrapartida ou favorecimento». A Estratégia Nacional de Combate à Corrupção 2020 – 2024 identifica como 3.ª prioridade comprometer o setor privado na prevenção, deteção e repressão da corrupção. Pode não haver contrapartidas ou favorecimentos, mas a suspeição fica.

São várias as acusações que podem vir a pesar sobre Luís Filipe Vieira que foram divulgadas em julho devendo ser acusado muito brevemente pelo crime de recebimento indevido de vantagem. Segundo a TVI “Será a primeira acusação formal da justiça a ter como alvo o presidente do Benfica, enquanto ainda correm em segredo outros processos contra responsáveis das águias, nomeadamente por corrupção desportiva. Entende a magistrada que, neste caso, Vieira se serviu da sua posição de poder no Benfica para oferecer cargos no clube a Rangel em troca de favores judiciais para a sua vida pessoal. O juiz desembargador terá mesmo chegado à fala com outro magistrado, no Tribunal de Sintra, para que este influenciasse um terceiro colega numa decisão fiscal que deveria ser favorável a Luís Filipe Vieira”.

Costa não se pode admirar que a sua atitude faça o PS perder votos nas próximas eleições, mas pensa também que tudo isto irá acabar por se diluir como muitas outras polémicas que caem no esquecimento público e assim ficará novamente na mó de cima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:28

Os intocáveis

por Manuel_AR, em 04.08.20

Não aprecio futebol, e, por isso, não discuto enquanto tal,  pronto. Há várias razões para tal, uma dleas é que o desporto não deve ser alienação, outra é que todos são contra a corrupção na política ligada aos negócios, mas quanto ao futebol vamos lá ver..., não é bem assim. Para a extrema direita a corrupção na política é uma das suas armas de batalha. Mas, quando se trata da corrupção no futebol mesmo quando envolvida com a política a coisa pia mais fino, ou melhor, não pia e, por maioria de razões quando algum desses pertence a um desses clubes.


Todos dizemos ser contra a corrupção mas não basta ser contra  e escrever artigos tendo em vista publicitação de intervenções que dizem participar em ações contra a dita tendo como base a Lei n.º 83/2017 de 18 de agosto que estabelece medidas de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, que transpõe parcialmente as Diretivas 2015/849/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de maio de 2015, e 2016/2258/UE. Os políticos podem utilizá-la como disfarce quando estão no mesmo saco e sabem como lhe dar a volta bem dada.


A corrupção abrange um vasto espetro de pessoas e de influências, compadrios, áreas  e temas que não se resumem apenas ao suborno para  obter vantagem em negociatas onde se favorece uma pessoa ou grupo em detrimento de outros. Pode também passar por objetivos publicitários indiretos de organizações desportivas e até pela repressão e perseguição a opositores desportivos. 


Segundo a revista Sábado as investigações nos processos do futebol Leaks cruzam clubes e transferências de atletas. No Benfica visam-se clubes estrangeiros e empresas de intermediação por causa de jogadores e que o clube e Luís Filipe Vieira são dois dos alvos privilegiados da investigação.


Mas há também os intocáveis que normalmente estão protegidos por grandes influências ou por pessoas poderosas. E ainda as comprovadas pretenções dos dirigentes dos clubes para influenciar políticos a pertencerem aos órgãos dirigentes como aconteceu  com o Presidente do Benfica Filipe Vieira que, em 6 de junho do corrente ano, disse querer "contar com o atual presidente da Câmara Municipal de Lisboa no Conselho Estratégico do clube. Única condição deste órgão social do clube é ser sócio efetivo do Benfica".


Face aos acontecimentos surgem os negacionistas e os "doentinhos" do futebol clubista a dizer que tudo são "inventonas", que nada aconteceu, que são os inimigos e os adversários do clube... etc., etc.. E ainda aparece o poder político que, quando se fala de futebol nem quer falar e empurra para outras instâncias. Sabemos bem porquê. Os votos do clubistas também contam...


O futebol não pode sair incólume, nem haver intocáveis. Pedro Santos Guerreiro num artigo no jornal Expresso que abaixo incluo, refire-se a alguns intocáveis, apesar da parcialidade benfiquista de parte do seu artigo sob pena de trair o seu clube.


O intocável de Portugal


Corrupção_Benfica.png


(Pedro Santos Guerreiro, in Expresso, 01/08/2020)



Não é o mais poderoso, não é o mais influente, mas é o mais intocável de Portugal: o presidente do Benfica. Não este, todos. Mas, de todos, este é o que mais poder centra e concentra. Um poder aquém e além-desporto, que faz a ação política, judicial e jornalística sentir-se condicionada. Às vezes pelo que esta faz, mais vezes pelo que não faz. É também por isso que o fim dos debates combates televisivos é um desafio em si mesmo. É apenas um dos necessários.


Em 13 anos de direções de jornais, conheci frentes diversas do exercício do poder, contra o qual os jornalistas estão por função e vocação. Há forças, insídias, orquestrações e eficácias em todos eles, da política aos bancos, das organizações semiclandestinas às empresas, mas nenhum deles se compara ao futebol na falta de regras, na agressividade, na comunicação ameaçadora, seja na cartilharia de alguns comentadores ou na artilharia de trolls nas redes sociais. E tudo isso (e mais) cria navalhas verbais e não-verbais contra quem quer que seja, semeando respeito pelo desrespeito e afastando pessoas, pelo desprezo ou pelo medo.



A decisão anunciada pela SIC e prenunciada pela TVI de acabar com debates com comentadores afetos aos clubes não é um saneamento, é uma medida pela nossa sanidade e de emancipação dos próprios meios de comunicação social à pressão de os clubes mandarem até no espaço em que se lhes faz contraditório. Aplaudo de pé.



O fim dos debates combates televisivos de futebol não é uma decisão sanitária mas de sanidade. Mas nem isso pára a ameaça de violência que afasta a sociedade


Se dou exemplos sobre mim é só para servir de testemunha: durante a investigação do Football Leaks juntei a mensagens anónimas participadas à polícia uma série de mentiras factuais ditas em sinal aberto na televisão sobre quem sou, fui, que amigos tenho e até a que casamentos fui. Mentiras ridículas, que nem merecem ser citadas senão para relatar que muitas outras há que são perigosas, pondo em causa a honra e até a vida de algumas pessoas. Não exagero nem invento.


O problema não é a paixão que cega, é o medo que faz fechar os olhos. Sobretudo quando esse medo impregna as instituições. De todos, os mais medrosos (ou calculistas) são os políticos. Lamento pôr todos no mesmo saco, é claro que não são todos iguais (viva Ana Gomes!), mas o silêncio concreto adornado de anúncio de medidas gerais é uma covardia que persiste. “À justiça o que é da justiça” e etc. Ou os casos de violência. Ou o silêncio chocante em casos como o de Marega, vítima de racismo horripilante em Guimarães, que acabou por dar mais ou menos em nada.



Sou benfiquista, estou com azia por termos perdido um campeonato que podíamos ter ganho: serve compensação ao campeonato de 2015/16, que ganhámos ao Sporting sem merecer nem (espero eu) pagar aos deuses para expiar pecados. Ser benfiquista só me torna mais exigente com o meu clube do que com outros.



É por isso que este não é um texto sobre futebol, mas sobre a sociedade em que vivemos, a justiça que queremos e a liberdade que precisamos de defender.


Luís Filipe Vieira tirou o Benfica do lodo desportivo e financeiro, ao lado de Domingos Soares de Oliveira. O clube não tem hoje rival na estratégia de formação nem nas contas da SAD. Mas o seu poder cresceu de mais e chegou a um ponto em que parecia intocável. Perdeu o apoio de Ricardo Salgado e de Morais Pires, porque o BES colapsou deixando créditos por cobrar como os dele. Hoje, também a banca se livrou do futebol, que já não financia. Mas a forma como muitos políticos e alguns jornais se lhe vergam demonstra poder a mais, o que na verdade responsabiliza quem se verga. Na Justiça, não me lembro de um presidente envolvido em tantos casos, mesmo que espante ver o clube amnistiado do caso Paulo Gonçalves e me enfureça ver Rui Pinto enjaulado como um ladrão de vidas. Não quero justiça, quero a Justiça, a que condena ou absolve sem medo nem favor. E observo como, apesar de tudo, a Justiça é hoje mais forte do que no tempo dos apitos dourados, arquivados na indecência dos anos.


Também não percebo como se gastam €20 milhões a contratar um treinador. Mas reconheço a manobra de contratar Jesus para mudar de assunto sobre a derrota no campeonato e alumiar as almas dos benfiquista para as próximas eleições. Afinal, é preciso ganhar. Um presidente do Benfica, supõe-se, é intocável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:47

Partido Chega2.png


A expressão que me veio à memória ao percorrer o que se tem dito e escrito sobre esse tal André Ventura foi “falem bem ou falem mal, mas falem de mim” que é a adaptação de uma sátira atribuída a Oscar Wild, famoso escritor, de origem irlandesa, que viveu no século XVIII.


Acho que, quanto mais importância se dá àquela figura, espécie de valete fora do baralho, que criou uma espécie de seita partidária que André Ventura, não sei se com mais alguém, a que posteriormente resolveu dar o nome de partido “Chega” para conseguir entrar no parlamento através de eleições livres e democráticas. Desculpem-me os seus fãs se não gostarem desta forma de o referir, mas é o que se pôde, até ver arranjar.


Tem havido demasiado chinfrim acerca de André Ventura e, falar-se demais, estamos a ir ao encontro do que ele pretende, que se fale dele. Deixar de falar não quero dizer que se desvalorize. Uma coisa é não lhe dar importância, outra é estar atento aos eventuais populismo e tramoias que dali surjam.


Por inerência de funções parlamentar podemos antecipar que os media lhe irão dar tempo de antena e, por isso, devemos ficar por aí. Estar atentos e não lhe dar “troco” ao que irá dizer, todavia haverá limites.


Hoje transcrevo algumas vozes que se têm levantado contra aquela figura que foi lançada com a promoção de alguns media através da ligação oportunista do comentário futebolístico à política.


Aqui vão algumas dessas vozes:


 11 outubro 2019 - 12:23


“Um grupo de notáveis sócios do Benfica, entre os quais o humorista Ricardo Araújo Pereia, o escritor Jacinto Lucas Pires e o historiador Henrique Raposo, escreveu uma carta aberta ao 'Expresso' mostrando toda a sua "indignação" por André Ventura ter usado "o Benfica para criar uma persona política".


“O advogado e comentador televisivo, eleito deputado nas últimas eleições legislativas, é líder do 'Chega', "partido de extrema-direita abertamente antissistema e xenófobo", que, dizem estes benfiquistas, "é a negação da identidade do Benfica". Veja aqui


------


“André Ventura diz que o conteúdo da carta não o afetou e ao ser político "tem de estar sujeito à crítica," mas sublinha que não é racista nem xenófobo, como afirmam na carta. O deputado disse ainda não ter decidido se vai colocar um ponto final na sua carreira como comentador desportivo.” Confirme aqui.


-----


11 de Outubro de 2019


“Contactado pela agência Lusa, o Benfica recusou comentar a carta aberta e remeteu para os estatutos do clube, nos quais é indicado que o clube não diferencia os sócios “em razão da raça, género, sexo, ascendência, língua, nacionalidade ou território de origem, condição económica e social e convicções políticas, ideológicas e religiosas”. Pode confirmar.


-----


 2019-10-12


“Ricardo Araújo Pereira exige a demarcação do Benfica em relação a André Ventura”


“No Governo Sombra, o humorista falou da carta aberta que assinou, exigindo o afastamento do seu clube em relação ao deputado da extrema-direita. E arrasou a crítica que Pedro Marques Lopes lhe fez”. Consulte em TVI



Hoje fico por aqui porque, para alguns, quanto mais se lhes bate mais se gosta deles, portanto, chega!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:58

 



O desporto e a ação cultural podem propiciar espaços que resgatem, preservem e criem novos vínculos de solidariedade, onde o ser humano se sobreponha a todas as coisas, mas a despreocupação do Governo com a cultura e o desporto escolar tem sido notória.


Para a direita a cultura e o desporto, (exceto o futebol, que convém para captar votos), são atividades de segunda escolha e, por isso, tiveram direito apenas a uma secretaria de estado que, para além de ineficaz, ficou subordinada e dependente do primeiro-ministro e seu visto neoliberal.


As dificuldades financeiras do país dão para tudo. A cultura é a filha pobre do orçamento. Aliás a privatização total e progressiva da cultura é um dos pontos das políticas neoliberais. Deixar que ela sobreviva apenas através da iniciativa privada de patrocínios e de mecenas ou então morrer.


Há uma lógica de privatização para que o poder público se desvencilhe da sua função social. Os neoliberais endeusam o mercado e o culto ao individualismo exacerbado. É preciso cada vez mais valorizar a cultura e outros desportos, e não e apenas o futebol, como identidade de um povo.


Todavia, são sobretudo os clubes de futebol que têm dinamizado outras modalidades desportivas contribuindo para a formação física e mental de crianças, jovens e também adultos.


Encontra-se neste caso na linha da frente o clube Sport Lisboa e Benfica que no dia 10 de junho proporcionou um sarau de diversas modalidades desportivas onde estiveram presentes não apenas classes do Benfica mas também de outros ginásios. São exemplo o Acroáguias no Gym for Life 2015, cujo o vídeo se insere abaixo com imagens da modalidade de Ginástica Acrobática.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:56

Calibrar o pensamento

por Manuel_AR, em 14.01.14

Começo a pensar que devo calibrar o meu pensamento. O conceito de calibrar tem a ver com a ideia de comparar algo de uma espécie com outra da mesma espécie que serve de padrão. Será então um conjunto de operações que estabelece, sob condições específicas, a relação entre valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida de referência e os valores de grandezas estabelecidas por padrões. Com a calibração podemos conhecer o comportamento de um equipamento quantificando os erros que possa apresentar.


Por muito clubista que possa ser e muitas estima que tenha por Eusébio após os acontecimentos que rodearam a sua morte percebi que os meus padrões de pensamento necessitavam de ser calibrados de acordo com os valores de referência sociais, políticos, éticos e comunicacionais, porque não estavam aferidos com o arrebatamento exagerado que ocorreu.


A necessidade de calibragem sobreveio a partir do exagero dos órgãos de comunicação televisivos na ânsia de captar audiências. Foi um autêntico maná para a informação que mobilizou muitos milhares de telespectadores e laçou outros tantos para as ruas de Lisboa, mesmo aquelas que, sendo muito jovens, não viveram nem sentiram os momentos áureos que Eusébio deu a Portugal nos anos sessenta.


Há algo para mim inexplicável. Como é que muitos e muitos portugueses foram mobilizados e outros se automobilizaram a partir dos programas televisivos quando são incapazes de aderir a mobilizações, não importa agora quem as convoca, para se insurgirem contra o põe em causa a sua vida enquanto cidadãos e lhes retiram direitos que foram arduamente conquistados.


Devo calibrar o meu pensamento de acordo com certos padrões para perceber porque é que manifestações de pesar por Eusébio, às quais eu me associo embora não seja grande apreciador de futebol, tiveram mais afluência do que aquelas que estão contra a destruição de vidas e atentados aos direitos de milhares de cidadãos trabalhadores.


Pode haver uma explicação possível, os portugueses, tendo um défice de símbolos com que de facto se identifiquem e os envolva num projeto nacional agarram-se a símbolos efémeros e passageiros que em nada contribuem para melhorar as suas vidas. Agarram-se a "momentos de alegria" pontuais e passageiros que se esfumam na passagem dos dias. O projeto coletivo é unicamente o futebol que os une ou os desune consoante os interesses clubísticos.


Explicam-nos alguns frequentadores crónicos de momentos televisivos de informação que estas figuras tornam conhecido o nome de Portugal no mundo. Mas para quê, com que objetivo? Será que por aí se gera criação de riqueza e que, por isso, investidores virão a correr para Portugal para investir e gerar emprego? Ah! O turismo! Pois!


Por outro lado a cultura, não a futebolística claro, é simplesmente marginalizada porque, na perspetiva desta direita antissocial, não tem qualquer interesse e é vista apenas como algo que dá despesa.


A calibragem do meu pensamento não se consegue aferir no que reporta a valores que esquecem portugueses literatos, cientistas, artistas e outros, reconhecidos no estrangeiro que, de forma ignóbil, são esquecidos e se idolatram futebolistas cujas mais-valias, se é que existem neste âmbito, em nada contribuíram nem contribuem para o crescimento nem para tirar Portugal do marasmo económico e financeiro em sistematicamente que tem sido colocado. Recordo o caso do Campeonato Europeu de Futebol de 2004 em que se esbanjou dinheiro em estádios inúteis.


Claro que, no caso de Eusébio, os políticos com um acontecimento tão mediatizado tinham que estar todos presentes, sem exceção. Isso interessa a um certo o eleitorado porque a diferença de um voto a mais pode fazer toda a diferença. Alguns até deram demais nas vistas, com mostra a imagem abaixo. Hipocrisia? Marketing político puro? Dá votos e visibilidade? Então, até se lambe o chão se for preciso.


Não. Afinal resolvi não calibrar o meu pensamento com aquele tipo de valores.



 


Imagem de http://www.tvi24.iol.pt/fotos/3/342752


http://www.tvi24.iol.pt/multimedia/oratvi/multimedia/imagem/id/14050667/877x658

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:56

 



Tenho profundo respeito por quem professa uma religião e tem fé, seja la com base cristã ou não, quando a mesma assenta numa base sincera da sua crença e contribua para a formação de valores espirituais e sociais do Homem. Nada tenho contra quem, de forma ativa e militante, a vive e a pratica.


 


 Em campo diferente mas de certo modo semelhante, situo os apoiantes e admiradores do desporto, nomeadamente do futebol, que, não fazendo parte do domínio da fé como a religião, é vivido pelos adeptos quando se mobilizam para apoiar os seus clubes sem que disso lhes advenha qualquer prejuízo ou vantagem a não ser o prazer de uma vitória ou o desgosto de uma derrota.


 


As multidões que se movimentam naqueles dois campos são imensas. Veja-se o caso de Fátima nas datas mais comemorativas das aparições para onde se deslocam, em peregrinação ou não, pessoas das mais diversas classe e estratos sociais procurando algo milagroso que cure os seus males espirituais e ou materiais. Numa atitude meramente de fé procuram algo que circunstâncias pessoais fizeram perder, ou a sociedade não lhes concedeu ou retirou, sem qualquer certeza de que, esse algo, venha a ser obtido ou concedido, julgando previamente que o que procuram não está nas mãos do Homem nem da sociedade, mas apenas numa crença que ultrapassa o domínio da razão.


 


Em contraponto, quando se trata da necessidade de adesão em massa para atos concretos que não sejam meramente de fé, cujo objetivo é reivindicar ou opor-se a algo que contribua para modificar uma realidade social vivida no domínio do concreto, mesmo que cada um se sinta prejudicado em particular, a capacidade de mobilização é menor. Num contexto social, a consciência político-partidária e grupal sobrepõe-se racionalmente, equacionando em cada um temores, incertezas, desconfianças, que condicionam uma participação que poderia contribuir, sem ser somente no domínio da fé, para modificar as suas vidas. A adesão a expressões públicas e coletivas de um sentimento, de um desagrado ou de uma opinião está muita aquém daquelas que são expressas no domínio da fé, do abstrato e do incerto.


 


 Porque será que, no domínio do real e o concreto, a fé de muitas pessoas na sua própria voz deixa de existir?


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:51


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.