Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A cultura dos incultos

por Manuel_AR, em 03.02.14


Teatro, do mau                                                           Miró-O cantor


 


Esta gente inculta que surgiu no PSD, e também no CDS, desejosa de viver à mesa dos impostos que o Estado nos cobra e do esbulho duma grande parte da sociedade portuguesa que não tem poder reivindicativo, na sua maior parte sofre de distorções culturais e sociais que contrariam os princípios que deveriam ter adquirido nas escolas que frequentaram ou que não lhes foram incutidos no seio familiar. A resistência que têm em romper com as barreiras da sua incultura social e política apenas são comparadas à resistência que houve em admitir as observações de Galileu que na altura punham em causa a Bíblia. Um exemplo da sua incultura revela-se através do caso do leilão das obras de Miró que, para eles, não são arte mas apenas uns rabiscos sem interesse a não ser para alguns pretensiosos intelectuais que são um peso para o país.


Não aceitam a realidade com que se deparam e, por isso, não renunciam às suas práticas tecnocráticas que aprenderam nos manuais por onde estudaram por não terem a capacidade suficiente para proceder à sua aplicação. O pensamento deles situa-se numa atitude do este povo não presta, devíamos era substituir o povo para que tudo desse certo.


Escudam-se em argumentos, por vezes contraditórios para justificarem a sua incompetência e, ao mesmo tempo, atacam tudo quanto mexe que saia fora da realidade virtual que eles criaram a partir do que simplesmente assimilaram sem reflexão em universidades privadas, por vezes de credibilidade duvidosa, com um corpo docente de pensamento vincadamente unilateral e de mente cientificamente pouco aberta.


Infelizmente, muitos daqueles fazem parte de grupelhos isolados com tendências protofascistas infiltrados em partidos democráticos de direita, são o resultado de uma pequena parte da geração do antes 25 de abril de 1974 que nunca aceitou esta data como uma realidade no que reporta à cultura e prática política democrática.   


O pensamento liberal radical desta gente radica na premissa de que para haver justiça social é necessário sacrificar o povo, todos nós leia-se, para que a economia resplandeça como um milagre. Pouco importa que alastre, ou não, a miséria, que a saúde regresse ao passado e a doença seja algo que é benéfico para que muitos idosos morram, que a educação seja um privilégio para alguns, disfarçando-a de ser para todos.


Propagam-se as ideias de fé, de esperança, aa falsas promessas e, sobretudo, pretendem expandir a caridade praticada por instituições, embora dignas de apreço, às quais são concedidas verbas dos impostos pagos por todos e pelos cortes sociais retirados aos que deles necessitam para, depois, irem estender a mão à tal caridade.


Esta gente faz teatro, do mau, diga-se, e no teatro tudo se finge. Mas neste teatro que tristemente representa a pobreza, a miséria, o sacrifício dos mais fracos, continuamente açoitados pelas mãos duras dos carrascos, são reais. Esta frase, inspirada na leitura da Cidade de Ulisses, adequa-se perfeitamente à atitude política dos que atualmente fazem de conta que governam o nosso país.


O chefe desta canalhada que governa Portugal tem uma resiliência ilusória, qual metal oxidado há muito por exposição ao ar mas que, ao ser dobrado quebra mas ao mesmo tempo suja as mãos de quem lhe pegou com a cor ocre da ferrugem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:14

O Juízo Final da União Europeia

por Manuel_AR, em 29.03.13

 



Painel central do tríptico O Juízo Final de Hieronymus Bosch


 


 




"É uma infelicidade da época, que os doidos guiem os cegos."


Shakespear



 










Estamos na Semana Santa, momento de recolhimento, tempo propício para a contemplação de arte religiosa selecione uma obra de arte que me possibilitou uma reflexão política sobre a União Europeia e as políticas atualmente praticadas penalizadores para os sacrificados países do sul, entre os quais Portugal.


A Europa está a ser avassalada por um tornado económico e financeiro que a está a devastar e a encaminhar para uma espécie de Juízo Final, onde os maus, que são os países do sul, gastadores, perdulários, preguiçosos, que vivem acima das suas possibilidades, devem ser condenados ao inferno de uma austeridade sem fim mesmo que tenham passado pelo purgatório do bom comportamento.


Partindo do tríptico do pintor flamengo Hieronymus Bosch (1450-1516), “O Juízo Final”, podemos construir uma representação imagética e metafórica sobre o que hoje se passa na União Europeia. Para tal, basta fazermos, com alguma imaginação, uma leitura do quadro com alguma analogia com a atualidade.


O conteúdo daquela pintura retrata as condições do imaginário medieval, as quais podemos relacionar com os valores da política da União Europeia por via dos factos históricos ocorridos no passado que nos levam a condicionar uma construção comparativa do que se passa no tempo presente.


Prestemos atenção aos pormenores do painel central do tríptico. No plano superior evidencia-se o império celeste com os seus anjos santos e beatos seguidores adoram o senhor. Transpondo para o nível político europeu, ao primeiro nível, símbolo de poder, podemos associar um país dominante e ao segundo nível também ao nível simbólico associamos os que com ele se alinham e giram à sua volta.  


Na parte inferior, abaixo daquele plano mais elevado, uma espécie de vale com ausência de luz, cenário da condenação, onde se vive o quotidiano e onde se encontram todos os que irão ser julgados e condenados. Os castigados, figuras minúsculas preponderantes, que segundo a mitologia grega eram entregues às Erínias, deusas que estavam encarregadas de castigar os crimes e delitos, que eram supervisionadas por Hades, deus impiedoso e imune a preces e a sacrifícios. A analogia estabelece-se aqui com os países do sul, os condenados e o país ou países que supervisionam os castigos, a Alemanha e os seus aliados do euro em substituição de Hades.  


Uma das obsessões da igreja medieval era o Juízo Final, pelo que ensinava aos crentes o caminho a seguir para terem acesso à felicidade eterna, e alertava os pecadores para os castigos que os esperavam se não fizessem penitência. Mais uma vez podemos estabelecer uma associação com a União Europeia, onde a penitência para os países pecadores, são a austeridade, o empobrecimento e o confisco (veja-se o atualíssimo caso de Chipre), decididos por um deus impiedoso.


Se repararmos na faca ameaçadora do canto inferior direito do painel central, podemos fazer, com um pouco de imaginação, uma associação à ameaça dos cortes orçamentais a que são obrigados os condenados, países que viviam acima das suas possibilidades.


É bom recordarmos que, se tudo correr como está previsto, a formalização da adesão da Croácia à União Europeia far-se-á em 1 julho de 2013 se todas as etapas necessárias correrem sem imprevistos. Assim acontecendo, a Croácia vai entrar para o mesmo inferno onde nós estamos ficando, mais tarde ou mais cedo, sujeita aos mesmos castigos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:49


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.