Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Greta Thunberg_3.jpg


Estar contra alguma coisa é estar contrário a, expressa fundamentalmente oposição, direção contrária. Quando se fazem greves para aumento dos salários não se está a fazer greve contra o trabalho, mas contra a empresa que paga salários baixos, daí o prejuízo causado pela greve afetar diretamente, e num primeiro momento, as empresas.


Podemos estar contra as alterações climáticas, mas fazer-lhe oposição enquanto tal não podemos, elas são uma consequência, um facto, tendem a continuar a um ritmo tendencialmente catastrófico se nada for feito contra as suas causas e, sobretudo, contra os seus causadores. Não podemos culpabilizar o clima por estar a ser alterado. Fazer greves contra as alterações climáticas, manifestações contra as alterações do clima em abstrato parece-me ser contrário à razão.  Como já afirmei não são elas as culpadas, elas são a consequência e não a causa, como é óbvio, devemos é estar contra as suas causas e os seus causadores. Elas estão a verificar-se, estão cá, não as podemos combater podemos é obrigar os seus causadores a mudar-lhes o rumo, a retroceder o seu percurso. Devemos estar, isso sim, contra todos quantos contribuíram e continuam a contribuir para que elas continuem a verificar-se.


Quando se diz estar contra as “alterações climáticas” é em sentido figurado, e todos sabem qual o seu significado, mas não tem impacto direto, é demasiado abstrato e ilusório.  Por mais que eu seja contra as alterações climáticas elas não vão parar nem mudar, continuarão se ninguém obrigar a parar os que para elas ainda contribuem. Greve contra as alterações climáticas é ilusório, porque apesar de serem o cerne da questão ambiental, não sofrem as consequências dessa greve, quem sofre são os próprios mentores que as fazem. Não foi por acaso que Greta afirmou que “jovens faltarem às aulas para protestar ‘não é uma solução sustentável’”. O protesto só tem efeitos se for objetivo, ter alvos concretos


Sejam ele governos, empresas ou ditadores inconsequentes resguardados, “apadrinhados”, eleitos pela utilização do voto democrático que lá os colocaram, é contra esses que as greves e manifestações devem ser feitas nos países de todo o mundo.


Desde que Greta Thunberg surgiu a manifestar-se e a alertar consciências para as alterações climáticas para as quais os cientistas há décadas nos têm alertado apareceram com a imediatez inevitável por um lado os seus apoiantes e, por outro, os seus detratores. Uns com alguma timidez lá vão dizendo: - que diabo, vamos lá ter calma com o seu endeusamento. Outros dizem que começam a estar fartos dela porque isto não vai dar em nada, e ainda aqueles a quem interessa passar a mensagem de que é uma coitada que tem uma doença mental que a leva a ter uma obsessão com problemas climáticos e ecológicos. O que esta gente pretende com isso é por demais previsível. Dito por palavras rudes: calem essa tipa que nos está a complicar a vida e os nosso lucros, queremos lá saber do clima para alguma coisa…


Os adultos que têm o poder na mão e os possuidores de grandes empresas poluidoras nada têm feito.  São os adultos que estão contra Thunberg, veem-se ultrapassados e ameaçados pelos vários movimentos que tem motivado e que vão surgindo, uns com mais impacto, outros com menos, onde participam pessoas de todas as idades e, sobretudo, jovens.


Os que se queixavam que os jovens não têm ideais e outros que, falando em seu nome lançam frases como “dêem-nos alguma coisa em que acreditemos”, como o fez João Miguel Tavares no discurso do 10 de junho encomendado por Marcelo Rebelo de Sousa. Então aí estão eles a fazer-lhes a vontade.


Num artigo de opinião João Miguel Tavares também escreveu dirigindo-se a Greta que “Gostava que fosses um pouco menos alarmista, e que um dia destes admitisses que o mundo – e o combate às alterações climáticas, já agora – é um pouco mais complicado do que a forma como o retratas”. Conselho simplista inoportuno. Acreditar que ainda é possível alterar a situação ambiental, não é o mesmo do que fazer-lhes crer que devem acreditar na direita.


Claro que a resolução é muito complicada, é o único argumento no artigo que escreveu com validade objetiva. Se JMT duvida que ela não sabe, eu, simples cidadão, cuja opinião vale o que vale, não tenho dúvidas que ela sabe. O centro do problema não é que haja uma resolução imediata, mas prevenir rapidamente a potencial catástrofe com que as gerações futuras se irão confrontar se medidas progressivas não se tomarem.


É no mínimo estranho que JMT que apoiava e era consonante com Passos Coelho quando ele se referia à sustentabilidade da segurança social e dizia que tínhamos de proteger as gerações futuras para não ficarem sem reformas por causa das reformas de que os seus pais e avós estavam a usufruir. Parece-nos que, para JMT, os efeitos causados pela alterações climáticas sobre as gerações futuras já não importam.


É quase uma aproximação ao que disseram essas sumidades e estrategas da burrice política Bolsonaro e Trump. O primeiro afirmou aos jornalistas em Brasília: “A Greta já disse que os índios morreram porque estavam a defender a Amazónia. É impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí. Pirralha”. O que fez Greta Thunberg a seguir? Atualizou a sua biografia no Twitter para “Pirralha”, o mesmo termo usado pelo chefe de Estado do Brasil para a descrever. Foi o melhor que podia ter feito.


Trump numa atitude de quase troça e de ironia comentou: “Ela parece ser uma jovem menina muito feliz, que está a caminho de um futuro maravilhoso e brilhante. Muito bom ver isso”.


E ainda hoje: “Primeiro "pirralha", agora "uma jovem a trabalhar nos problemas de gestão da raiva". Greta Thunberg já mudou a descrição biográfica na sua conta oficial de Twitter pelo menos duas vezes nos últimos dias, ora à conta dos comentários de Bolsonaro, ora de Trump.”


São formas de indiretamente desqualificar e silenciar pessoas especialmente as mais novas que querem a mudança. E por isso são silenciadas. Eles têm medo da mudança e de as nossas vozes serem ouvidas disse Greta em determinada altura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:39

Artigo traduzido do jornal britânico The Guardian


A campanha do ativista ambiental sueca começou com um protesto individual contra o clima e atraiu 4 milhões para as últimas greves


por: Martin Belam  é reporter social senior do the Guardian em Londres


Qui 26 Set 2019 10.41


Greta Thunberg_1.jpg


Greta Thunberg rebate os seus críticos dizendo que está apenas a confiar na ciência. "Eles vêem-nos como uma ameaça, porque estamos tendo um impacto", diz ela. Foto: Eduardo Muñoz / AP


A ativista climática sueca Greta Thunberg ficou conhecida mundialmente pela sua campanha ambiental. Em agosto de 2018, aos 15 anos, Thunberg iniciou um protesto solo contra o clima ao sair da escola. Desde então, ela juntou-se a dezenas de milhares de estudantes de escolas e universidades em mais de uma dúzia de países, em greves climáticas que se tornaram eventos regulares. Uma greve global em março atraiu mais de um milhão de pessoas, superada em setembro por uma ainda maior, com pelo menos 4 milhões .


Thunberg descreveu a rápida disseminação das greves no mundo como surpreendente. "Isso prova que nunca se é pequeno demais para fazer a diferença", disse ela. Os seus protestos foram inspirados por estudantes norte-americanos que fizeram greve para exigir melhores controles de armas em resposta a vários tiroteios nas escolas.


Ativistas veteranos do clima expressaram surpresa com o impacto que Thunberg teve na consciencialização do público em tão pouco tempo.


Thunberg começou a viajar para espalhar a sua mensagem fora da Suécia. Ao falar na conferência climática das Nações Unidas em dezembro de 2018, repreendeu os líderes mundiais por se comportarem como crianças irresponsáveis. E, em janeiro de 2019, abordou a elite empresarial global em Davos: “Algumas pessoas, algumas empresas, alguns tomadores de decisão em particular, sabiam exatamente que valores inestimáveis ​​eles estavam a sacrificar para continuar a ganhar quantias inimagináveis. Acho que muitos de vocês aqui, hoje, pertencem a esse grupo de pessoas.


Greta Thunberg_2.jpg


Greta Thunberg durante a greve climática de 20 de setembro em Nova York. Foto: Eduardo Muñoz / AP


Nascida em Estocolmo em janeiro de 2003, a sua mãe é Malena Ernman, que abandonou a sua carreira internacional como cantora de ópera por causa dos efeitos climáticos da aviação. O seu pai, Svante Thunberg, é ator. Greta tem a síndrome de Asperger, que, segundo o pai, afetou a sua saúde. Ela a vê sua condição não como uma deficiência, mas como um presente que ajudou a abrir os olhos para a crise climática.


Ela atraiu críticas, principalmente de comentaristas de direita, que afirmam ser jovem demais ou ingénua para saber do que está a falar e está sendo manipulada pelos pais. Um comentarista da Fox News referiu-se a ela como uma “criança sueca doente mental”, pela qual a rede foi forçada a desculpar-se . Ela refutou essas críticas e mostrou que pode viver com os valores de baixo carbono com uma dieta vegana e navegar para Nova York , em vez de voar.


Thunberg insistiu que está apenas a confiar na ciência. Em vez de enviar observações preparadas antes de uma aparição no Congresso dos EUA , apresentou um relatório climático do IPCC que alerta para a catástrofe do aquecimento global que se aproximava rapidamente, pedindo que o lessem. Ela disse: “Acho que, desde que me perseguem pessoalmente com insultos e teorias da conspiração, isso é bom. Isso prova que não têm argumentos. E que nos veem como uma ameaça, porque estamos a ter impacto.”


Em setembro de 2019, condenou os líderes mundiais na ONU com um discurso emocionado, dizendo: "Vocês roubaram os meus sonhos e a minha infância com as vossas palavras vazias".


 Greta Thunberg para os líderes mundiais: 'Como se atrevem - vocês roubaram os meus sonhos e a minha infância'.


Numa ocasião, ela cruzou-se com o presidente dos EUA, Donald Trump.  O seu olhar tornou-se  uma sensação viral nas redes sociais . Ele twittou ironicamente : "Ela parece uma jovem muito feliz e ansiosa por um futuro brilhante e maravilhoso". Thunberg virou a piada ao adotá-la como a sua biografia no Twitter .


Sobre o início precoce do ativismo, ela disse aos leitores do Guardian : “Eu não ligo à idade. Também não me importo com aqueles que não aceitam a ciência. Não tenho tanta experiência e, portanto, ouço mais. Mas também tenho o direito de expressar minha opinião, independentemente da minha idade. Ser jovem é uma grande vantagem, pois vemos o mundo de uma nova perspetiva e não temos medo de fazer mudanças radicais.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:12


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.