Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Será mesmo que Trump não se safou?

por Manuel_AR, em 17.06.22

Artigo de opinião de Emma Brooks publicado no The Guardian em 15 de junho de 2022

Trump pensou que iria safar-se. As audiências de ataque do Capitólio dos EUA provam que isso não é verdade.  Emma Brockes

Emma Brockes
 
 

Grande drama, traição, catarse: a investigação televisionada do comité selecionado torna a visualização fascinante

Ivanka Trump testemunhando por vídeo para a investigação do comitê seleto da Câmara sobre o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos EUA.

Ivanka Trump testemunhando por vídeo para a investigação do comitê seleto da Câmara sobre o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio dos EUA. Fotografia: Jonathan Ernst/Reuters

Uma das piores coisas sobre a presidência de Trump foi a sensação frequente de que o homem podia fazer ou dizer qualquer coisa e, ao estilo de Alice no País das Maravilhas, essa pura loucura nunca iria acontecer. “Eu poderia”, disse Trump em 2016 , “ficar no meio da Quinta Avenida e atirar em alguém, e não perderia eleitores”.

Em 6 de janeiro de 2021, quando, instigada por Trump, uma multidão dos seus apoiantes invadiu o prédio do Capitólio dos EUA, esse princípio foi aparentemente posto à prova. As tentativas de impeachment falharam. Membros-chave da equipe de Trump recusaram-se a condená-lo. Os seus apoiantes pareciam permanecer-lhe leais. Agora, à medida que os eventos daquele dia chegam a um comité seleto da Câmara, há uma nova abordagem na luta para fazer com que isso pegue: menos a apresentação de provas por um advogado a um júri do que um drama de prestígio de um produtor a um Audiência de TV – uma com tempo limitado e várias outras opções de visualização.

Na última quinta-feira, às 20h, todas as redes de TV dos EUA, com exceção da Fox News, transmitiram a cobertura ao vivo do comité seleto da Câmara sobre o motim de 6 de janeiro. Se as audiências de Benghazi de 2015, ou as audiências de confirmação de Brett Kavanaugh três anos depois, foram, pelos padrões da maioria das TVs cabo, eventos de sucesso de TV, isso foi de uma ordem completamente diferente. Os números do primeiro dia de audiências atingiram 20 milhões apenas na TV – ou seja, sem contar com todos os que assistiram via transmissão ao vivo.

O presidente democrata do comité, o congressista Bennie Thompson, e a sua vice-presidente, a deputada republicana Liz Cheney, conduziram uma apresentação apertada de duas horas que reuniu evidências contra Trump tão habilmente quanto qualquer piloto da HBO. Ambos pareciam cientes de seu propósito mais profundo: não apenas apresentar os factos, mas construir uma narrativa que pudesse, finalmente, persuadir os americanos em dúvida de que Trump fomentou uma multidão com a intenção de derrubar a eleição.

Para isso, as audiências estão sendo produzidas por James Goldston, ex-presidente da ABC News e veterano produtor de TV. Ao contrário das audiências de Watergate televisionadas em 1973, que foram muito mais fluidas e menos convincentes, os dois primeiros dias das audiências foram altamente coreografados e dramaticamente estruturados, editados para prender a atenção.

Dos comentários de abertura de Thompson – “esta noite”, ele disse, usando a linguagem dos exclusivos de notícias, “você verá imagens nunca antes vistas do ataque brutal ao nosso Capitólio” – no formato de ecrã dividido que depositou fotos da reação enquanto testemunhas falavam, foi uma televisão extraordinária. Thompson entregou a Cheney, que fez um discurso feito sob medida para citações: “O presidente Trump convocou a multidão, reuniu a multidão e acendeu a chama deste ataque”, disse ela, antes de se dirigir a seus colegas republicanos: “Chegará um dia em que Donald Trump se irá, mas sua desonra permanecerá.”

Parte do drama nas horas que se seguiram foi o choque de ver antigos servos leais de Trump fazerem uma rápida revirvolta de 180 graus. Estes incluíam a própria Cheney, uma arquiconservadora cujo histórico de votação durante o mandato único de Trump se alinhava 93% das vezes com o homem que ela agora chamava de mentiroso. Mais, nesse sentido viria a seguir Bill Barr, o procurador-geral de Trump e um homem que até recentemente só elogiava seu ex-chefe, testemunhou num vídeo que “parar o roubo” de Trump era “burricea”, e ele não queria fazer parte disso.

Ivanka Trump, estava tão fantasmagórica que parecia praticamente um holograma, testemunhou em vídeo para dizer que acreditara em Barr; e um Jared Kushner ainda mais doentio confirmou que, depois de ser informado pelo próprio advogado de Trump de que nenhuma fraude eleitoral havia ocorrido, Kushner rejeitou a informação com “lamúria”.

As testemunhas do primeiro dia foram habilmente escolhidas: uma jovem oficial da polícia do Capitólio dos EUA, que ficou inconsciente enquanto tentava conter os manifestantes, puxou as cordas do coração. “Sou treinada para lidar com uma multidão”, disse ela, “mas não sou treinada para combate”. E o documentarista britânico Nick Quested, que captou em filme provas irrefutáveis ​​de que os eventos de 6 de janeiro não foram aleatórios, mas um plano executado por grupos supremacistas brancos como os Oath Keepers e os Proud Boys. 

Havia humor – a expressão inexpressiva de Cheney ao descrever como Trump, na noite da eleição, “seguiu o conselho de um Rudy Giuliani aparentemente embriagado”. E houve libertação emocional. É chocante o quão catártico foi ouvir um comité bipartidário, com todas as armadilhas do cargo por trás dele, finalmente dizer as palavras que estávamos esperando para ouvir:

Toda essa coreografia é projetada para construir um caso que, presumivelmente, ajudará o departamento de justiça nos seus processos criminais contra Trump. Enquanto isso, o comité estava atrás de corações e mentes, chegando ao pico naquela primeira audiência com uma montagem final de cenas de violência no Capitólio sobrepostas com áudio de Trump. “Eles eram pessoas pacíficas”, disse ele, enquanto pessoas. Eu mencionei a palavra amor, o amor, o amor no ar. ”Na quarta-feira, o público americano esperou, com a respiração suspensa, que o episódio três do drama enquanto se desenrolavam imagens dos seus apoiantes a espancar policias e a quebrar janelas. 

“Eram ótimas pessoas. Eu mencionei a palavra amor, o amor, o amor no ar”.

 Emma Brockes, colunista do The Guardian.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:01



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.