Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Portugal envergonhado e subserviente

por Manuel_AR, em 08.10.14

Lingua Portuguesa.png


 



Subserviencia.png


 



Este outono, após um verão muito pouco estival, resolvi dar uma vista de olhos pelo barlavento algarvio. Nesta época do ano esta zona não é muito procurada pelos lusitanos veraneantes que, em agosto, descem em magotes em direção ao sul.


Nesta altura do ano as praias vazias de portugueses são compensadas por ingleses e outros frequentadores do norte da europa, na sua grande maioria idosos não abastados, cujas pensões dignas lhes possibilitam visitar e estacionar no país do sol e dos "preguiçosos". Vêm ocupar os empreendimentos turísticos que lhes são oferecidos a preços mais baratinhos nesta época do ano. Portugueses são uma espécie “rari nantes in gurgite vasto” o que, numa tradução livre, significa serem raros num mar imenso.


Os estrangeiros que nos visitam são uma companhia agradável nas praias e nos habituais locais de consumo e restaurantes, porque não “chateiam” e não a fazem algazarra. Sentem-se tão à vontade como se estivessem nos seus países. Imagino que no seu subconsciente acham que parte deste território também lhes pertence graças ao programa de assistência que sofremos e continuamos a sofrer e à subserviência que Passos Coelho demonstrou no exterior superando a própria "troika" na austeridade. A tal coisa do "bom aluno". E claro a arrogância alemã com que fala do país do sol e da preguiça.


Mas o que é preocupante é a subserviência com que os portugueses se reverenciam a tudo quanto é estrangeiro desfazendo-se em obséquios. Precisamos do turismo estrangeiro como forma de sobrevivência, mas eles não precisam de nós para nada, e, se não bastasse, também são nossos credores e, por isso, devemos estar gratos, segundo a mensagem que comentadores e políticos afetos ao governo têm feito passar.


A subserviência portuguesa também se mostra pelo desprezo pela língua materna ao adotarem nomes estrangeiros, nomeadamente ingleses com a desculpa da internacionalização e com os quias pensam dar pompa e credibilidade às desiganações. Veja-se apenas o caso das universidades como exemplo, Católica Lisbon School of Business & Economics; Católica Global School of Law; Nova School of Business and Economics.


Já era assim, mas com os exemplos dados por este governo agravou-se. Isto revela-se a vários níveis. Países como a França e a Espanha raramente adotam anglicismos. Quando é necessário a introdução de um novo termo, para preservarem a sua identidade linguística, adaptam-no à sua própria língua.


Não tenho qualquer espécie de preconceito contra a língua inglesa que é uma língua universal de comunicação entre povos, mas já não basta estarmos a vender Portugal ao desbarato desde que este governo tomou posse (veja-se o que já foi vendido ao estrangeiro sem qualquer critério de seletividade), resta agora que a nossa língua passe a ser hibrida passando a ser uma mistura de vocábulos ingleses com interpenetração de sintaxes. Somos um país que de colonizador de povos passou a ser colonizado por línguas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:31


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.