Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Esquerda desconcertada (1).png

A propósito da crise gerada pelo BE e pelo PCP que estes partidos pretendem imputar ao PS, o desconcerto de Catarina Martins do Bloco de Esquerda, coadjuvada por opiniões e comentários de Francisco Louçã Fernando Rosas e Daniel Oliveira e outros comentadores, cada um ao seu estilo, saem do quadro da razoabilidade política.

Catarina Martins dia sim, dia sim, afirma que o Primeiro-ministro “quebrou pontes com a esquerda na obsessão da maioria absoluta” que a culpa de tudo o que se passou durante a discussão do O.E. 22 não aprovado juntamente com a direita é da responsabilidade do PS e, claro, de António Costa.

Catarina diariamente traz inovações e retóricas para demonstrar que a crise política é “artificial, desnecessária e é um truque de António Costa”. Parece uma obsessão compulsiva da Catarina estar a ser perseguida por maiorias absolutas.

É uma obsessão de Catarina e também de Jerónimo atacarem o PS que é, segundo eles, onde está o grande perigo.  Para eles o perigo não vem da direita, vem do PS. Esta obsessão está rapidamente a transformar-se numa fobia da maioria absoluta do PS. Estão a ficar partidariamente megalofóbicos, ou seja, estão a ter medo de algo maior do que para eles é considerado o normal. Isto é, sentem-se desconfortáveis e agitados, por um partido ou um personagem que possa vir a ser maior e mais poderoso (PS?), (António Costa?).

A fobia é um medo irracional e desproporcional em relação a algo. O medo é uma emoção causada por um tipo de ameaça ou dano real ou ilusório. A reação ao medo é um mecanismo de defesa adaptativo e de grande utilidade, pois serve como um aviso de perigo. É entre o medo e a fobia que os partidos, quer o PCP, quer o BE, se situam.

E para sublimar os seus medos e combaterem a sua fobia (a da maioria absoluta do PS) repetem os mesmos argumentos fazendo de alvo o PS. A sublimação é o mecanismo de defesa que transforma uma frustração e energia em impulsos que possam ser bem vistos pela sociedade e, neste caso, também úteis para os partidos.  Isto é, a sublimação ameniza, por exemplo, dor, angústia, frustração, entre outros.

Jerónimo de Sousa do PCP, embora mais moderado, segue os passos de Catarina. A sua obsessão  é também o chamado bloco central com que “A direita sonha novamente”, dizem. Sobre isto Jerónimo de Sousa lá vai lançando para o ar que (eles) "queriam e querem, no fundo, que o PS consiga uma maioria absoluta e, se depois perder, roda outra vez para os partidos do chamado 'bloco central'. Começa-se outra vez a ouvir falar no bloco central. Corrigidas as zangas lá na direita, do PSD e do CDS, lá sonham outra vez com o bloco central", sustentou em 6 de novembro Jerónimo de Sousa, num discurso no final de um jantar comemorativo do centenário do PCP.

Para além desta obsessão Jerónimo de Sousa acumula à semelhança de Catarina a fobia da maioria absoluta do PS e, para evitar tal “catástrofe” (este nome que aqui insiro é ironia), Jerónimo de Sousa também pede o voto no PCP que é a forma de evitar a maioria absoluta do PS e o regresso do "Bloco Central". Estas obsessões da maioria absoluta têm como objetivo enfraquecer o PS e recuperar votos perdidos.

Isto do Bloco Central é um mito que serve como prenúncio de um mal que é utilizado pelo BE e pelo PCP. Duvido que o PS vá alinhar numa fórmula como de entendimento político entre o Partido Socialista e o Partido Social-Democrata.  Entre 1983 e 1985, com Mário Soares como primeiro-ministro partidos na altura de centro-esquerda e de centro-direita respetivamente formaram uma coligação de Governo. Os dois partidos à esquerda do PS, críticos da U.E., serão sempre contra coligações como a que foi feita na Alemanha, a denominada Grande Coligação, que durou cerca de dezasseis anos e que proporcionou estabilidade no país.

Em Portugal um acordo ao centro seria possível sem ser como Bloco Central que possuiu uma carga negativa. Seria antes uma espécie de “trotinete”, uma espécie de compromisso assente em dois partidos cuja extremidade guiadora seria o governo e que permitiria dirigir as duas rodas (partidos) e se propelia com o impulso dos dois.

O que Jerónimo de Sousa e Catarina Martins, cada um a seu modo, estão a tentar com as suas declarações não é mais do que uma gestão/reparação de danos que os respetivos partidos causaram a si próprios culpabilizando o Governo e o PS. Em sentido figurado, claro, tudo está a passar-se como se, após um "crime", o "criminoso" culpasse a vítima por ter morrido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.