Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Rap-Pablo Hasel (2).png

Hoje trago para aqui um artigo de JESUS GARCIA publicado  no jornal El Pais em que o autor faz o perfil de Pablo Hasél. O problema que me parece querer evidenciar apenas a questão da liberdade de expressão vai muito para além disso. A liberdade de expressão de pensamento tem os seus limites e não nos podemos refugiar apenas nisso para incitar às maiores atrocidades como aquelas que muitas democracias têm sofrido na pele devido ao terrorismo.

Não devemos por um lado gritar contra o que alguns dizem e não nos agrada, mas, por outro, gritar a favor quando essa liberdade de expressão esteja conforme o nosso pensamento ou nos agrada.

A liberdade de expressão em democracia também deve ter limites. Senão a apologia da violência, do crime, à revolta conta cidadãos ou grupos de cidadãos, ao incitamento para assalto ao poder democrático, e outros sem limites, não poderiam ser criminalizados, entraríamos, então, numa espécie de anarquia comunicacional também ela sem limites. As constituições nos países democráticos também têm isso em conta.

Aqui segue então o artigo traduzido por mim. Por algumas falhas as minhas desculpas. Se quiserem podem ir diretamente à fonte clicando aqui.

Pablo Hasél: rap, raiva e revolução

O rapper, que acaba de entrar na prisão, moveu-se sempre dentro dos limiares da liberdade de expressão. O seu processo judicial não se limita a crimes de opinião: foi condenado por agressão e ameaças

JESUS GARCIA

20 DE FEVEREIRO DE 2021 - 00:30 

Quando os policias entraram no quarto do apartamento onde Pablo Rivadulla Duró (32 anos) morava com os seus pais, em Lleida, encontraram um livro de Che Guevara e uma three shirt  da Fração do Exército Vermelho (RAF), o grupo terrorista de extrema esquerda que colocou a Alemanha Ocidental contra as cordas na década de 1970. Os agentes que detiveram o rapper há 10 anos também localizaram as pastas onde Rivadulla guardava as letras de seus poemas e canções.

Na vida de Pablo Hasél - nome artístico retirado do personagem de um conto árabe que assassinou reis - criação e política, música e luta caminham juntas. Comunista soviético, campeão prematuro da revolução socialista, apaixonou-se pelo rap porque "lhe permitia dizer muitas coisas, mas com raiva". “Ele queria estar naquela trincheira da arte revolucionária”, explica ele numa das extensas entrevistas que deu desde a sua prisão que, em 2014, lhe rendeu a primeira condenação por exaltar o terrorismo .

As canções de Hasél sempre se moveram dentro dos limites permeáveis da liberdade de expressão, direito fundamental da qual, com a sua prisão , ele tornou-se um porta-estandarte. Embora a sua opinião neste campo seja ambivalente. Ele aplaude o que nos Estados Unidos os grupos "falam em matar policiais e até mesmo o presidente e nada acontece com eles"; censura o cantor bachata da República Dominicana Romeo Santos porque as suas letras "ultra-machistas", segundo ele, exaltam as agressões sexuais.

Antes da sua primeira prisão, Hasél era relativamente desconhecido: as suas canções eram ouvidas em círculos undergrounds e minoritários do rap político e o seu horizonte geográfico não se estendia além de Lleida. Ele colocou no YouTube tópicos com frases como "Espero que o Grapo volte", " gora ETA", "O carro de Patxi López merece explodir" ou "Não sinto pena do seu tiro no pescoço, pepero (?)". O tribunal considerou essas expressões um crime de ódio, não a liberdade de expressão. E sentenciou-o a dois anos de prisão. Por ser uma sentença curta e sem antecedentes, evitou a prisão.

Longe de dissuadi-lo, esse obstáculo com a justiça o ancorou nas suas convicções e, apesar da timidez declarada, elevou-o à popularidade. Ele sentiu-se (ainda se sente) chamado para uma missão: despertar a consciência cidadã e “derrubar a ditadura capitalista”, diz ele numa linguagem marxista em desuso. Uma música intitulada Juan Carlos el Bobón—No qual apresenta o rei emérito como “mafioso” e “prostituta” - e 64 tweets - nos quais elogia a trajetória de integrantes do Grapo e do ETA – levaram-no de volta à bancada do Tribunal Nacional. A sentença inicial foi de dois anos, mas finalmente foi reduzida para nove meses de prisão por exaltação do terrorismo. Por insultos à Coroa e às instituições do Estado, foi também condenado na multa de 38 mil euros. Como não pagou - recusou-se a pagar - essa multa e estende a sua pena para dois anos e quatro meses. Hasel queixa-se de que foi condenado por "ter factos objetivos , " referindo-se aos escândalos de corrupção que afetam Juan Carlos I .

Filho do empresário que presidiu a Unió Esportiva Lleida, Hasél ingressou ainda adolescente nos círculos antissistema da cidade. Ele esteve em todos os grupos, lembram fontes da Câmara Municipal, que destacam que o seu compromisso não é com a galeria: Hasél está convicto do que faz. O mesmo foi visto apoiando um grupo pelo direito à moradia no bairro degradado de La Mariola de Lleida como em protestos contra a sentença do procésDesabafou contra o prefeito socialista Àngel Ros: "Você merece um tiro, eu te apunhalo", escreveu ele, entre outras coisas, em 2014, o que lhe rendeu uma multa de 540 euros. A violenta acusação dessas cartas, concluiu um juiz, não está amparada pela liberdade de expressão.

O seu processo judicial não se limita aos crimes de opinião, embora sempre apareça vinculado a um ativismo insaciável. Acumulou três outras condenações: por empurrar e jogar limpador de vidros em uma camara da TV3 durante o despejo de um confinamento na Universidade de Lleida; por ocupar a sede do PSC num protesto e por coagir uma testemunha (a quem chamou de "delator policial") num julgamento. No meio aos protestos que exigem a sua libertação , o Tribunal de Justiça de Lleida confirmou esta última sentença, de dois anos e meio, nesta quinta-feira.

Mas o que inicialmente o levou à prisão foram os seus tweets elogiando terroristas e suas canções contra o ex-monarca. A ordem de admissão à prisão, um breve internamento na reitoria da Universidade de Lleida e a sua posterior detenção pelos Mossos catapultaram-no. Vê-se como vítima de uma “operação estatal” porque faz “as pessoas pensarem”. "Mais cedo ou mais tarde, vamos devolver os anfitriões", disse profeticamente, após ouvir a sua condenação: as manifestações para exigir a sua liberdade seguiram-se, por vezes com motins, em várias cidades espanholas. Da sua cela na prisão de Ponent, onde garante que receberá o tratamento “correto”, Hasél se sente forte e satisfeito com a resposta popular, explica o seu advogado, Diego Herchhoren, que o define como “um bom amigo, mas um mau cliente”.

Rap e raiva alinharam-se. Hasél só carece da revolução.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.