Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As intenções na negociação política

por Manuel_AR, em 26.10.21

Orçamento22-Esquerda (1).png

Quando não se pretende que uma negociação entre vários elementos com interesses divergentes não resulte, ou não chegue a bom termo, basta que entre os participantes seja suficiente que, pelo menos um, apresente propostas que à partida sabe que são inaceitáveis, fica o caso arrumado. Acabam-se os acordos. Esta é a estratégia.

O nome do título sugere uma intenção que pode ser um propósito com um móbil por trás das intenções manifestadas que são desconhecidos por uma das partes.

Os partidos da extrema-esquerda, etiqueta de que estes não gostam, pretendem agora justificar o injustificável e apelam às emoções de quem os ouve. Um, o PCP, baseia-se no choradinho dos salários baixos e no salário mínimo, porque sabe que é por aí que capta pessoas. Outro, o BE, pela voz da Catarina Martins, com aquela modulação na voz, mais ou menos comicieira que parece irá chorar clama e insiste para que o Governo explique porque não os aceita os pontos que tem apresentado. Então Catarina, a sua falácia parece ser de quem tem estado desatenta. Não tem ouvido que no momento há situações que não podem ser ultrapassáveis? Catarina e Jerónimo não devem estar a falar para o país, mas para dentro dos partidos de para os seus adeptos.

Quando não se pretende que uma negociação entre vários elementos com interesses divergentes não resulte, ou não chegue a bom termo, basta que entre os participantes seja suficiente que, pelo menos um, apresente propostas que à partida sabe que são inaceitáveis, fica o caso arrumado. Acabam-se os acordos. Esta é a estratégia.

O que está realmente em jogo é que os litigantes não estão a falar entre eles, (refiro-me neste caso mais à veemência do BE e do PCP do que à do PS). Pelo contrário, dirigem-se principalmente a um público por cuja aprovação competem através de uma retórica construída com uma narrativa que pensam ser persuasiva, mas que se torna repetitiva, sem inovação argumentativa, enfim, aborrecida.

O BE e o PCP captam meras ocasiões oportunas para elevarem o seu prestígio aos olhos do público/potencias eleitores que são os verdadeiros destinatários da sua comunicação. Os seus discursos, e também de outros partidos, não têm servido para discutir ou tentar convencer o adversário(s) para arranjar soluções possuem mais um caráter plebiscitário à opinião pública que os possa legitimar.

Os políticos daqueles dois partidos têm a tendência para exagerarem e enfatizarem a eventuais polémicas estremando posições e pouco verosímeis. Estes tipos de atores vivem da controvérsia e do desacordo com o objetivo de obterem a atenção da opinião pública, mas também a manutenção da sua liderança dentro dos partidos e dos seus adeptos que permeiam a firmeza, mesmo que isso prejudique o país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:27



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.