Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A verdade das mentiras ou a boa memória

por Manuel_AR, em 13.05.14
Ao decidir em quem votar é bom recordar e tentar saber quem pronunciou tais frases




Será que podemos acreditar e votar em alguém que diz e promete hoje uma coisa e faz outra quando se apanha no poder? A maior parte das vezes e em campanha eleitoral quase todos os políticos falam muito e fazem pouco, pelo menos os dos partidos que têm tido assento no poder, mas com tal descaramento e quantidade não há memória.


Tente descobrir quem foi o político que proferiu estas frases que mesmo retiradas do seu contexto não alteram em nada o seu sentido.


Será um bom teste à memória, curta que dizem ter o povo, tentar identificar em que contexto político, em que tempo e quem pronunciou estas frases.


Quem pode agora garantir que não irá agora acontecer o mesmo. As eleições europeias são mesmo importantes porque, para além de se discutir a europa vai também estar em jogo o nosso futuro próximo.


Se as não conseguir ler na imagem encontram descritas mais abaixo.


_________________________________--


 


É sempre bom não esquecer:




 



  • A política de privatizações em Portugal será criminosa nos próximos anos se visar apenas vender ativos ao desbarato para arranjar dinheiro.

  • O país tem vindo a fazer poucos progressos no combate à pobreza.

  • Acusava-nos o PS de querermos liberalizar os despedimentos. Que lata.

  • Nunca concordei com taxar cada vez mais os impostos indiretos. Esta prática pode revelar-se profundamente injusta.

  • A ideia que se foi gerando de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento.

  • Precisamos de valorizar mais a palavra, para que quando for proferida possamos acreditar nela.

  • Não contarão connosco para mais ataques à classe média

  • Se vier a ser necessário, ainda, algum ajustamento fiscal, a minha garantia é a de que ele será canalizado para os impostos sobre o consumo e não para os impostos sobre os rendimentos das pessoas.

  • Não se pode cortar cegamente.

  • Já ouvi o primeiro-ministro dizer, infelizmente, que o PSD quer acabar com o 13º mês, mas nós nunca falámos disso e isso é um disparate.

  • O PSD aposta no crescimento da economia e aposta em que toda a austeridade seja agora feita pelo Estado e não pelos portugueses. O Estado tem de dar o exemplo. Não devemos aumentar os impostos.

  • O orçamento que foi apresentado na Assembleia este ano, de alguma maneira vai buscar a quem não pode fugir, aos funcionários públicos.  

  • Se eu fosse primeiro-ministro não estávamos hoje com as calças na mão.


 


Todas estas afirmações podem ser confirmadas pesquizando a imprensa da época em que os neoliberais estavam ansiosos pelo poder.



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:22


1 comentário

Sem imagem de perfil

De William a 24.11.2017 às 04:16

Gostei de ler, interessante.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.