Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Propósito de Quase Tudo: opiniões, factos, política, sociedade, comunicação

Aqui vocês, podem encontrar de tudo um pouco: sociedade, ambiente, comunicação, crítica, crónicas, opinião, política e até gastronomia, com apoio de fontes fidedignas.

A crise da guerra e a guerra da crise

26.10.22 | Manuel_AR

João Miguel Tavares escreveu no jornal Público um artigo de opinião que me parece oportuno e que vale a pena ler. Não sou um fiel leitor dos seus artigos nem concordo com muitas das suas opiniões. Contudo este artigo merec ser lido pelo alerta que nos fornece e nos obriga a pensar numa guerra que foi imposta por um totalitário que odeia e inveja o modo de vida do ocidente e, como tal, apostou destruí-lo, nomedamente em relação à U.E., embora, por razões outras, como em relação à Ucrânia, declarando explicitamente por receios paranóicos que o ocidente pretendia cercar a Rússia. Engana-se, quem deve ser isolado e cvrecado não é a Rússia nem os russos, é Vladimir Putin. 

Isto não é uma crise. Isto é uma guerra

João Miguel Tavares

in Jornal Público, 1 de outubro, 2022

É provável que a invasão da Ucrânia tenha consequências ainda mais profundas do que a queda das Torres Gémeas. Resta saber se estamos preparados para isso.

Foto
Fuga de gás do Nord Stream - imagem captada pela guarda costeira sueca EPA/SWEDISH COAST GUARD / HANDOUT

Não é uma guerra quente, como nos anos 40. Não é uma guerra fria, como nos anos 50 a 80. É, chamemos-lhe assim, uma guerra morna, sem a brutalidade do confronto directo, mas também sem a separação das antigas cortinas de ferro – e com a temperatura a subir, dia após dia. Embora a Rússia não tenha o poder da União Soviética, este é o conflito mais grave para o mundo ocidental desde a crise dos mísseis de Cuba, e neste momento – com a mobilização parcial russa, com as explosões subaquáticas nos gasodutos Nord Stream, com os pretensos referendos nas regiões ucranianas ocupadas – é o conflito mais perigoso para a Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Quanto mais depressa tomarmos consciência disso e nos convencermos de que a Ucrânia fica mesmo aqui ao lado, melhor nos adaptaremos ao que está para vir. Não é uma crise. Não é uma recessão. Isso são apenas consequências e seus derivados. É uma guerra. Estamos em guerra.

Acreditem: não sou dado a estados de espírito apocalípticos e tenho uma natureza optimista. O mundo não vai acabar amanhã. Mas vai ser radicalmente diferente daquilo que é hoje. Menos global, menos conectado, menos interdependente, mais desconfiado, e, portanto, mais atreito à emergência de conflitos armados. Esta é a segunda vez no século XXI que a História dá uma guinada inesperada e brutal. A primeira vez foi no dia 11 de Setembro de 2001. A segunda vez foi no dia 24 de Fevereiro de 2022. É provável que a invasão da Ucrânia tenha consequências ainda mais profundas do que a queda das Torres Gémeas. Resta saber se estamos preparados para isso.

Infelizmente, não me parece que estejamos. Na lógica da escalada, as explosões nos gasodutos que atravessam o Báltico não são apenas um degrau – são um piso inteiro. Os especialistas garantem que apenas um Estado teria capacidade técnica, logística e financeira para organizar uma sabotagem de tamanha ambição e complexidade. Uma das explosões causou um impacto de magnitude de 2,3 na escala de Richter. Mas o pior impacto é outro – é imaginarmos o que poderá acontecer às nossas sociedades se no futuro as infra-estruturas subaquáticas que conectam os vários continentes começarem a ser atacadas a centenas de metros de profundidade; e fazer as contas do que poderá custar aos Estados se os cabos submarinos transatlânticos passarem a necessitar de vigilância permanente.

Esta é uma guerra morna que começa a queimar, e os governos têm – pelas razões certas – de assumir o fim do “viver habitualmente”. Há razões erradas, como fingir que a inflação só existe por causa da guerra, quando ela foi obviamente agravada pelo conflito, mas já existia antes, e deriva, em primeiro lugar, da chuva de dinheiro dos últimos anos. A guerra não deve servir de desculpa para as imprudências dos bancos centrais e para as insuficiências dos governos – ela deve servir, isso sim, para mobilizar os cidadãos para a absoluta necessidade de vencer Putin e atribuir à Ucrânia os meios necessários para fazer face às ambições russas. Não me refiro apenas a meios militares: sem um gigantesco auxílio financeiro, a Ucrânia enfrentará o colapso económico muito antes da Rússia.

Mobilizar a opinião pública para este combate é tarefa árdua. Haverá muito sofrimento, e o primeiro passo para o suportar é não nos enganarmos acerca daquilo que nos está a acontecer. O nosso bem-estar económico é um mero peão no xadrez da guerra. E, para citar o famoso mantra da Guerra dos Tronos, o Inverno está a chegar.

1 comentário

Comentar post