Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O lustroso e falacioso Rangel

por Manuel_AR, em 31.10.21

Paulo Rangel candidato ao PSD.png

A campanha de propaganda a Paulo Rangel para projetar e purificar a sua imagem política e pessoal já começou com o apoio de alguns órgãos de comunicação. O que já era espectável. Desde que Rui Rio é líder do PSD tem havido tentativas para o desmontar do cavalo do poder.

Em 2020 Paulo Rangel apoiou Rui Rio na disputa interna desencadeada por Luis Montenegro e por Miguel Pinto Luz, propõe-se agora à corrida para montar o cavalo apetecível do poder, primeiro no PSD e quiçá do governo do país se, eleito líder do partido. Justifica o propósito da sua candidatura a líder do PSD pelo seu posicionamento mais ao centro e por considerar que tem uma “visão de médio prazo”.

Anos antes esteve ao lado da ala mais à direita do PSD com Cavaco Silva e Passos Coelho e numa entrevista ao programa Grande Reportagem na RTP3 em 27 de outubro abriu portas a um acordo com CDS-PP e com a Iniciativa Liberal. Só não se pronunciou quanto ao Chega. Como em política tudo é possível não sabemos se para conseguir uma maioria de direita no Parlamento não o chamará para um acordo. Aliás o próprio Rui Rio assim fez nos Açores. Hoje, antes de ter publicado este texto, Rangel afirmou numa entrevista à TSF que o PSD deve ambicionar governar o país e rejeita a ideia de uma aliança ao Chega, talvez não, mas há outras formas obter apoios. Com Rangel há sempre incógnitas na equação da política.

Em dezembro de 2019 o eurodeputado do PSD não encontrava no discurso de André Ventura "nenhum fascismo - até agora, não quer dizer que no futuro não seja assim" e, sobretudo, discorda dos que procuram diabolizar o deputado único do Chega, afirmou. Bem, dá que pensar!

Mas há mais, o mesmo eurodeputado do PSD Paulo Rangel afirmou em setembro do corrente ano que o antigo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho deve ser "uma inspiração" para o país.

Paulo Rangel esteve sempre alinhado com potenciais caminhos onde se encontra o poder e que o pudessem levar até lá. Passado uma década, depois de ter disputado a liderança e perdido para Pedro Passos Coelho, e sendo eurodeputado desde 2009 vai concorrer pela segunda vez à presidência do PSD, desta vez contra Rui Rio.

Rui Rio escolheu Rangel como ‘número 1’ a Bruxelas em 2017 com o PSD quando desta vez, sozinho, registou o pior resultado de sempre nestes sufrágios, pouco abaixo dos 22%, o que levou Rui Rio a afirmar sobre Rangel que “Podia ser compreensível que mudássemos, podia vir uma outra pessoa. Mas face àquilo que são as características dele e às características que precisamos, ele simplesmente não é dispensável desse cargo e faz todo o sentido fazer mais um mandato”.

Depois do chumbo do Orçamento de Estado para 2022 alguns órgãos de comunicação iniciaram a promoção do produto Rangel como candidato à liderança do PSD. Mesmo o Presidente da República fez a sua ação promocional de Paulo Rangel ao receber, nesta fase crítica do país e sem justificação objetiva, um elemento que é apenas um candidato à liderança de um partido. Mas Rangel representa também a figura do candidato de alguns grupos sociais minoritários que são um lóbi poderoso. Não sabemos se farão ou não parte rede de contactos internacionais que pode ser útil ao partido como ele afirmou numa entrevista.

Pelo que conheço de Paulo Rangel, que é apenas pela análise das suas intervenções, entrevistas, debates televisivos e comentário político, noto que os seus melhores atributos se baseiam nos seus dotes oratórios, na retórica falaciosa que utiliza nos debates políticos. Em resumo: é uma espécie de tagarela da política que altera a visão dos factos de forma bem construída com o objetivo de iludir quem o escuta e quem esteja pouco atento às suas narrativas e ao desenrolar da política.

Numa entrevista referiu-se ao clientelismo do PS. Fase a alguns factos terá alguma razão. Mas quem tem telhados de vidro o melhor é ficar calado. A pergunta que se coloca é qual o partido que não tem clientelas. O PSD também é um herói do dito clientelismo vejam-se quando se prevê trocas de líder  a procura que cada um faz de clientelas de apoio que depois poderão ter consequência nas distribuição de poderes.

Rangel é uma espécie de embusteiro da política, com arte, de tal modo que os desprevenidos nem dão pelo engano. As suas intervenções políticas são lustrosas, demagogicamente e aparentemente consistentes e ao mesmo tempo obscuras porque não se lhe vislumbram as intensões por se concentrar apenas no ataque dos adversários políticos e menos nos seus projetos para o partido e para país. À pergunta se já tinha um programa do partido para as eleições a resposta foi ainda não, mas isso é uma coisa que se faz rapidamente. Claro faz-se qualquer que não será exequível apenas para convencer eleitores. Rangel escolhe bem e manipula as palavras que acha terão mais impacto nos mais iletrados que o escutam que não conseguem vislumbrar os seus esquemas silogísticos falaciosos.

A repetição de palavras sinónimas que enchem a frase sem explicitação completa do pensamento, e com adjetivações sucessivas são uma estratégia que ajuda a reter a ideia no ataque que pretende fazer passar. O estribilho “dizer com toda a clareza” tem o objetivo de fazer crer que a sua mensagem tem credibilidade. Bem-falante Rangel é um tribuno da narrativa política, um embusteiro de casaca que se faz acreditar através de patranhas muito bem construídas montadas por raciocínios que deturpam a realidade objetiva recorrendo a figuras de estilo linguístico como a linguagem metafórica, perífrases, anáforas, eufemismos para reforçar as suas mensagens. Tomemos como exemplo as suas próprias palavras ao dizer que pretende ser “Um líder aberto, um líder executivo, um líder agregador”, linguagem anafórica que cria algum impacto. Há um outro chavão que Rangel recuperou de 2007 que é a de que “Portugal vive uma verdadeira claustrofobia constitucional, verdadeira claustrofobia democrática”.

O alvo de Paulo Rangel não é apenas o PS é, sobretudo, António Costa a quem faz ataques pessoais, com o seu estilo lustroso. Ele sabe que é por ai que terá margem de manobra para atrair apoiantes.  Todavia, ofende-se quando é ele o visado. Repare-se que Rangel disse que António Costa era viscoso. “Com costa é tudo mais viscoso, mais gasoso” afirmou publicamente numa entrevista *a revista Visão sua apoiante. Não será isto ataque pessoal? Deteta-se em Rangel algum cinismo enganoso, uma espécie de “santinho de pau carunchoso”, que é sinónimo de pessoa de aspeto sonso e coração velhaco. A sua própria divulgação pública de que é homossexual faz parte da sua estratégia política.

Os portugueses não precisam de primeiros-ministros bem-falantes com vocabulário rico, para muitos, incompreensível, com retóricas enganadoras e sedutoras. Ele próprio o afirmou ao dizer que pretende “cativar”, “seduzir” as pessoas. Compare-se com o primeiro-ministro inglês ou o francês que falam direta e claramente ao povo sem uma comunicação rebuscada.

Como é sabido o combate democrático desenrola-se em muitas e variada circunstância no espaço dos meios de comunicação que o torna possível, mas que tantas vezes contribui para exagerar alguns dos seus defeitos promovendo um regime baseado na negatividade.

Num momento em que os cidadãos têm mais necessidade de informação para terem uma ideia acerca do que se está a passar para poderem tomar decisões apropriadas os meios de comunicação social alimentam e distorcem a visão dos temas políticos de tal modo que acabam por gerar desesperos e ansiedades inúteis. Eles alimentam o desencanto e a desconfiança em vez de explicarem a normalidade democrática. As pessoas ficariam a saber que as coisas não são tão graves quanto nos fazem crer. Neste contexto o verbo distorcer não significa falsidade. É mais no sentido relativo do que absoluto tendo em conta as conotações que se pode tomar de um texto noticioso.

Por outro lado, as pessoas prestam mais atenção aos pormenores triviais do que aos assuntos políticos centrais e que não sejam expostos em toda a sua complexidade. É a preferência pelo sensacional que pode ser explicado pelo facto de a política ser um tema aborrecido e até irritante o que coloca os meios de comunicação face ao desafio de a tornar interessante para os consumidores diários. A sensação que nos fica é que apenas o escândalo o desastre, o que é mau, é notícia. Nunca se fala nos meios de comunicação do que corre bem, mas quase sempre do que corre mal daí se chegar à conclusão de que tudo é mal feito.

Este meu exercício de opinião tem a ver com as atribulações que se passam no PSD e com a crise que resultou do chumbo do Orçamento de Estado. O que Rangel trará para o país, se por acaso for eleito líder do PSD, é o seu posicionamento ideológico à direita na linha de Cavaco Silva e de Passos Coelho.  Basta vermos que Poiares Maduro, antigo ministro da Presidência de Passos Coelho foi escolhido para coordenador das bases do seu programa e Fernando Alexandre, ex-secretário de Estado Adjunto do ministro da Administração Interna também do governo de Passos Coelho, que será o responsável pela coordenação da parte económica. Aliás, como Rangel afirmou na entrevista à RTP3 poderá recorrer ao apoio da direita CDS-PP e IL, mas, por outro lado, diz-se do centro-direita.

Vejamos os grupos a que pertencem no parlamento Europeu os dois principais partidos PSD e PS. Os dois principais grupos do Parlamento Europeu são o PPE – Partido Popular Europeu, agrupamento partidário democrata cristão/conservador, onde estão incluídos o PSD e CDS-PP. O Grupo S&D, Aliança Progressista dos Socialistas e Sociais-Democratas a que pertencer o PS. A CDU (PCP+PEV) pertence ao grupo GUE/NGL - Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde.

O PSD está no grupo da direita e centro-direita e o PS encontra-se no grupo dos sociais-democratas de que também faz parte o SPD Partido Social-Democrata da Alemanha que ganhou as últimas eleições com uma diferença mínima da CDU/CSU.

Posto isto o que pretendo demonstrar é que o PSD não faz parte do grupo dos sociais-democratas onde se encontra o PS como prendem fazer crer isto porque é importante para a luta interna pela liderança do PSD. Há, portanto, duas tendências: uma aproximada à social-democracia que é Rui Rio e outra mais de direita, mas neoliberal que é a de Paula Rangel.

Para terminar, e apenas como curiosidade histórica, podem ver o vídeo de 08/08/3013 que abaixo incluo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27

A morte anunciada de um Orçamento Estado

por Manuel_AR, em 29.10.21

Chumbo Orçamento 22.png

Logo após a notícia do chumbo do Orçamento de Estado para 2022 veio-me à memória o de livro de Gabriel Garcia Marquez, Crónicas de uma Morte Anunciada do qual faço uma sinopse: um jovem vítima da denúncia falaciosa de uma mulher repudiada na noite de núpcias, foi condenado à morte pelos irmãos da sua hipotética amante, como forma de vingar publicamente a sua honra ultrajada sob o olhar cúmplice ou impotente da população expectante de uma aldeia colombiana. O enredo do livro, baseado numa história verídica nada tem a ver com política, mas serviu-me como raciocínio através do qual inferi de uma semelhança não comprovada um facto de semelhança comprovado, a morte anunciada do orçamento.

O destino do O.E. já seria conhecido de antemão por todos e apenas um milagre ou passe de magia poderia salvá-lo embora muitos acreditassem anda que poderia passar.  O chumbo do Orçamento despertou a indignação de uns, a satisfação de outros e a tentativa de distorção do facto por outros. A indiferença, o desprezo e o egoísmo partidário e introvertido levaram a que dois partidos, o BE e o PCP, acabassem regendo o processo que culminou simbolicamente na morte da vítima que é o interesse do país e dos portugueses.

Antes da votação final a morte anunciada do O.E. despertou nas pessoas, comentadores e analistas políticos sentimentos diversos e conflituantes por entre visões diferentes, especialmente nos atores durante a discussão do objeto do litígio.

Alguns ouvintes e observadores da trágica anunciação colocaram-se em posição de descrença, acreditando devotamente que os executores da sentença de morte não levariam o seu plano adiante. Para outros, o ódio nutrido pela vítima, leia-se orçamento, resultou numa posição de indiferença quanto ao resultado provável, a sua morte. De qualquer modo o que se observou, em quase todas as reações, foi que, a despeito da trágica notícia da morte ser por todos previamente conhecida, ninguém agiu exceto a já conhecida vítima o protagonista no sentido de evitar o resultado final.

Quem provocou a crise não foi a direita, mas ajudou, foram as esquerdas radicais. A direita foi honesta. Desde o início que O.E. se não fosse alterado não era o que aprovariam, e, muito menos, após os ajustes dados como benesses aos dois partidos à esquerda do PS.  Por outro lado, um entendimento à direita foi logo rejeitado por António Costa ao dizer em agosto que “No dia em que a subsistência deste Governo depender de um acordo com o PSD, nesse dia este Governo acabou”. Pois foi, acabou pelas mãos dos antigos parceiros do PS.

A ideia inicial de acabar com os muros que, ao longo dos anos, marginalizavam os partidos à esquerda do PS foi democrática, idealistas, romântica.  Depositavam-se muitas esperanças na aproximação. Todavia, pareceu uma ingenuidade da parte de António Costa e de alguns setores do PS meterem-se na cama com o “assassino”, nome de filme um cujo título é “Dormindo com um Assassino”. Em 2015 alguém disse que aqueles dois partidos não eram de fiar.

Com a assombração da perda de votos nas eleições que os penalizaram posteriormente ao acordo o PCP e o BE começaram a ver no PS o seu principal inimigo e direcionaram a sua tática para o combater a qualquer preço.

A estabilidade e a sobrevivência política que se viveu até ontem foi baseada num paradigma que, em vez de olhar para o futuro, visava apenas o combate à herança de Passos Coelho que agora ameaça regressar. O que prevaleceu no final foi o desprezo pelos interesses do país em favor dos dogmas partidários das esquerdas radicais Bloco e PCP que só sobrevivem do protesto, das greves e do combate ao modelo social e económico europeu, da aversão ao mercado e ao liberalismo europeu que um partido social-democrata como o PS perfilha.

É o regresso à praia preferida do PCP e do BE onde, só aí, sabem surfar e conseguem sobreviver às ondas da democracia. Neste aspeto há semelhanças com a extrema-direita que se congratula, a única que ganhar porque prospera por entre os pântanos políticos.

Os políticos pressionados pelos seus partidos têm o centro do olhar no seu umbigo, com um sectarismo cego obediente às estratégias partidárias. Na política as estratégias são necessárias quando o objetivo é o de chegar ao poder deixando os interesses da maioria do povo para segundo plano. A extrema-esquerda não têm esta ambição porque estes partidos sabem que, isoladamente e através de eleições, nunca chegarão ao poder. A sua política centra-se na instabilidade usando tudo o que a democracia lhes permite como manifestações, greves, movimentos sindicais. Se estas estratégias há tempos eram apenas das extremas-esquerda hoje em dia as extremas-direita adotaram as mesmas e infiltrações em manifestações para provocarem instabilidade.

A política como atividade ocupacional que nós todos pagamos deveria ter a função de conseguir articular equilíbrios o que exige a capacidade de julgamento, visão de conjunto, prudência, intuição, sentido de tempo e de oportunidade, jeito e disposição para tomar decisões sobre assuntos sobre as quais não existem certezas absolutas. A falta destas qualidades revelou-se nos políticos de todos os partidos à esquerda do PS ao chumbarem o Orçamento de Estado com exceção do PAN e das deputadas não inscritas.

A política não serve apenas para gerir objetivos governativos ou de oposição tem mais que ver com ponderação sobre o significado social das decisões, certas ou erradas, que se tomam assim como da sua oportunidade e do modo como podem afetar as pessoas. É disto que o PCP e o BE têm falta, - e não apenas estes - centrando-se, como já afirmei, no seu umbigo partidário dogmático mesmo em situações cuja gravidade nos afetará a todos. A questão ideológica está entranhada no inconsciente revolucionário daqueles partidos que vem do passado, é uma espécie de arquétipo que se sobrepõe à racionalidade e ao bom senso.

A essência ideológica dos partidos da esquerda radical ainda se mantém, contudo, personalizou-se, deu lugar simultaneamente à personalização da decisão que é aceite por um “mercado” eleitoral amorfo e ideologicamente desinteressado. O eleitor vota por vezes no sujeito A ou no sujeito B e não da ideologia que move os partidos em que votou.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:13

As intenções na negociação política

por Manuel_AR, em 26.10.21

Orçamento22-Esquerda (1).png

Quando não se pretende que uma negociação entre vários elementos com interesses divergentes não resulte, ou não chegue a bom termo, basta que entre os participantes seja suficiente que, pelo menos um, apresente propostas que à partida sabe que são inaceitáveis, fica o caso arrumado. Acabam-se os acordos. Esta é a estratégia.

O nome do título sugere uma intenção que pode ser um propósito com um móbil por trás das intenções manifestadas que são desconhecidos por uma das partes.

Os partidos da extrema-esquerda, etiqueta de que estes não gostam, pretendem agora justificar o injustificável e apelam às emoções de quem os ouve. Um, o PCP, baseia-se no choradinho dos salários baixos e no salário mínimo, porque sabe que é por aí que capta pessoas. Outro, o BE, pela voz da Catarina Martins, com aquela modulação na voz, mais ou menos comicieira que parece irá chorar clama e insiste para que o Governo explique porque não os aceita os pontos que tem apresentado. Então Catarina, a sua falácia parece ser de quem tem estado desatenta. Não tem ouvido que no momento há situações que não podem ser ultrapassáveis? Catarina e Jerónimo não devem estar a falar para o país, mas para dentro dos partidos de para os seus adeptos.

Quando não se pretende que uma negociação entre vários elementos com interesses divergentes não resulte, ou não chegue a bom termo, basta que entre os participantes seja suficiente que, pelo menos um, apresente propostas que à partida sabe que são inaceitáveis, fica o caso arrumado. Acabam-se os acordos. Esta é a estratégia.

O que está realmente em jogo é que os litigantes não estão a falar entre eles, (refiro-me neste caso mais à veemência do BE e do PCP do que à do PS). Pelo contrário, dirigem-se principalmente a um público por cuja aprovação competem através de uma retórica construída com uma narrativa que pensam ser persuasiva, mas que se torna repetitiva, sem inovação argumentativa, enfim, aborrecida.

O BE e o PCP captam meras ocasiões oportunas para elevarem o seu prestígio aos olhos do público/potencias eleitores que são os verdadeiros destinatários da sua comunicação. Os seus discursos, e também de outros partidos, não têm servido para discutir ou tentar convencer o adversário(s) para arranjar soluções possuem mais um caráter plebiscitário à opinião pública que os possa legitimar.

Os políticos daqueles dois partidos têm a tendência para exagerarem e enfatizarem a eventuais polémicas estremando posições e pouco verosímeis. Estes tipos de atores vivem da controvérsia e do desacordo com o objetivo de obterem a atenção da opinião pública, mas também a manutenção da sua liderança dentro dos partidos e dos seus adeptos que permeiam a firmeza, mesmo que isso prejudique o país.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:27

Orçamento22-Líderes.png

As máfias tipo Cosa Nostra funcionavam com sua hierarquia estrutura vertical e centralizada o que é incompatível com a flexibilidade negocial exigida hoje em dia pelos negócios de qualquer organização mesmo que mafiosa.

Os pedidos de favores que forem concedidos terão um custo que é a contrapartida que, quando necessário, e oportuno, os favorecidos terão que pagar através de um preço por vezes demasiado alto que não será apenas monetário. Para tal a “organização” exerce pressão sob a forma de chantagem.

Recordo-me de um filme muito antigo que vi em 1962 quando era jovem, Mafioso, realizado por Alberto Lattuada e protagonizado por Alberto Sordi no papel de Antonio Badalamenti. Nino, (Alberto Sordi), reencontra Don Vincenzo (Ugo Attanazio) o chefe da “organização”. Durante a narrativa fílmica vemos como, por pequenas etapas, uma armadilha fecha-se, pouco a pouco, sobre Nino, a partir do pedido do diretor da fábrica onde trabalhava para que ele leve um presente ao homem rico da sua aldeia. Em síntese: em vez de ir caçar perdizes e lebres, como pensava Nino é levado a “caçar” outro homem sob pena dele próprio e da sua família se transformarem em caça caso não o fizesse. Nino acabava de ser escolhido para realizar uma missão para a máfia. Mas nada lhe é dito abertamente, fica tudo subentendido em meias palavras.

O que é que o filme tem a ver com a aprovação do O.E.? Nada. Mas o facto é que podemos estabelecer uma analogia com o que se está a passar com os partidos da extrema-esquerda PCP e BE que têm feito, ao longo das últimas semanas, uma espécie de chantagem. Durante os dois últimos anos prestaram “favores” ao Governo PS aprovando orçamentos (no último apenas aprovado pelo PCP) , agora, como retorno desse favor, exigem-lhe um preço demasiado alto utilizando como arma (a chantagem) a possibilidade de não aprovação do Orçamento de Estado para 2022 que, nesta hora em que escrevo já foi anunciada. Pretendiam como objetivo final a obtenção de todas as exigências algumas delas impossíveis de cedência por colocarem em risco a sustentabilidade financeira e económica do país. Numa espécie de hooliganismo partidário não facilitaram nem possibilitaram qualquer espécie de consenso passando o Orçamento ser o da extrema-esquerda BE e PCP que passaria a ser uma mera amostra da razoabilidade do inicial.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41

Lideres-PS-BE-PCP (3).png

Desde que o partido Socialistas está no Governo nunca se viu um Orçamento de Estado com tão difícil negociação. O BE e o PCP jogam a cartada política mais vil: a chantagem. Outra coisa não seria de esperar se tivermos em conta que ambos têm saído prejudicados nas eleições desde que iniciaram acordos com o PS tendo sistematicamente perdidos votos entre 2015 e 2021 quer nas eleições legislativas quer nas autárquicas.

Legislativas

PCP-PEV                 BE

2011      7,91%        5,17%

 2015     8,25%        10,19%

2019      6,33%        9,26%

Autárquicas

PCP-PEV               BE

2013    11,06%      2,42%

2017    9,45%        3,29%

2021    8,21%        2,75%

Estes dois partidos lutam pela sobrevivência e o PS pela manutenção do poder e dos eleitores que, por razões várias, não lhe têm dado maioria absoluta, o que poderia contribuir para manutenção da estabilidade. Parece que, todavia, recordando ainda outras maiorias absolutas por coligação, estas de direita e de má memória, a aparada tem sido evitá-las, e as campanhas do PCP e do BE nisso têm apostado. 

Os partidos de extrema-esquerda soft como são o PCP e o BE não são muito dados a consensos, dadas as suas próprias características ideológicas receiam poderem vir a ser considerados colaboracionistas com governações a que chamam de direita que, para eles, são todos os que não sigam as regras revolucionárias e reivindicativas sejam elas leninistas ou trotskistas.

Estes dois partidos têm praticado durante as conversações do orçamento para 2022 uma espécie de hooliganismo político-partidário de origem umbilical disfarçados de lutarem pelos interesses do povo e dos trabalhadores, centrando-se em princípios que, para eles, dizem serem irredutíveis. Utilizam todos os meios de pressão muitas vezes associando-se a coligações negativas com as direitas mesmo que estas sejam prejudiciais ao país. Os princípios irredutíveis são os que atraem as massas trabalhadoras das classes mais baixas como salários, regalias e menos horas de trabalho, sem medirem as consequências que daí advêm para todos. Tudo o resto são alvos a abater.

É certo que os acordos não são fáceis e exigem sacrifícios de todas as partes. Quando se pretende avançar é preciso estar disposto a isso e estar na disposição de abandonar transitória e temporariamente algo que seja valioso. Parece-me que o Governo do Partido Socialista o tem feito até demais. 

A valorização das pessoas, dos partidos e dos sindicatos não deve ser apenas pelos seus ideais, mas sim, e também, pelos seus compromissos, isto é, aquilo que estão dispostos a aceitar como suficiente como segunda melhor opção em benefício de todos. Parece-me que o sectarismo dos partidos PCP e, sobretudo, do BE levam apenas às pretensões para benefício de alguns em prejuízo do todo.

As estratégias de partidos de esquerda como aqueles que refiro são as de poderem num futuro próximos em comícios e campanhas reivindicarem, cada um por seu lado, e cada um para si, os êxitos conseguidos se forem aprovados a que chamarão vitórias.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:03

Os extremos não são o que nós queremos

por Manuel_AR, em 21.10.21

Lideres-PS-BE-PCP (1).png

O PS está no seu direito de questionar se esquerda prefere novamente direita no poder. Todos nos recordamos do tempo em que o PCP e o BE Em 2011, o Bloco de Esquerda e o PCP juntaram-se à direita para ajudarem a chumbar o PEC IV de José Sócrates, independentemente de ser ou não uma má governação o facto foi que contribuíram no todo para que a direita viesse em 2011, com Passos Coelho e Paulo Portas, ocupar o poder, já lá vão exatamente 20 anos.

Quem está agora a decidir se o momento da direita se movimentar para tomar novamente o poder com ou sem Passos Coelho é o Bloco de Esquerda, mas também o PCP, cada um à sua maneira. Mas afinal o preferem estes partidos um país à esquerda ou à direita?

A possibilidade destes dois partidos poderem, caso haja eleições antecipadas, recuperar votos são tão-só ilusões ideológicas. Parece-me que o país começa a estar farto deles. O PCP tem um grande poder de mobilização, tem nas mãos os sindicatos e ainda dar o contribuo para conter movimentos inorgânicos sem lei que por aí surgem. É um partido importante para preservação da democracia.

É provável que se houver eleições antecipadas a situação atual de maioria de esquerda se mantenha mesmo com algumas perdas de votos do PCP e do BE e um PS sem maioria absoluta. Se Rui Rio se mantiver no PSD será possível um novo alinhamento parlamentar, com o PS a virar ligeiramente á direita e o PSD a virar ligeiramente à esquerda o que ajudaria à governabilidade do país. Contudo, haveria que esperar uma “retaliação” do PCP com manifestações e greves a proliferar provocando instabilidade social.

O PCP, e, sobretudo, o BE estão-se a tramar para o país, está no seu ADN o leninismo para um e o trotskismo para outro. Há palavras de ordem que eles sabem que atrai as massas: salários, direitos, menos trabalho e mais férias.

Está em causa a aprovação do orçamento para 2022 e, sobre isto, escreveu ontem Manuel Carvalho no editorial do jornal Público:

“A cada orçamento constatava-se que o PS pagava o mínimo possível para poder executar o máximo possível. O preço da colaboração disparou. É no Orçamento que mais redistribui e mais agrava a despesa pública que o PCP e o Bloco mais exigem ao Governo. E, ao fazê-lo, intensificam a gravidade do dilema da governação para um patamar mais perigoso. Já não está apenas em causa a navegação à vista, a sempre eterna promessa do “virar de página da austeridade” ou um programa político excessivamente concentrado no Estado e nas suas funções públicas. O que está em causa é exactamente o equilíbrio que o Governo foi conseguindo gerir, entre o que dá e o défice, entre o que negoceia e executa. Se metade das exigências do Bloco e do PCP fossem atendidas, quem na verdade governaria eram eles e não o PS.

O que está agora em causa não é, portanto, uma natural cedência entre as partes. É o risco de, em nome da estabilidade, o país ter de pagar uma factura insustentável para o futuro. A escolha é difícil e é isso que é preocupante: entre um orçamento lunático e o risco da instabilidade política, o país ficará sempre a perder.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09

O retorno dos coelhos

por Manuel_AR, em 09.10.21

Antonio Costa.png

Retorno Passos Coelho.png

O eterno retorno era uma doutrina dos estoicos retomada, em particular pelo filósofo alemão, Nietzsche segundo a qual há um eterno recomeço, isto é, uma série de acontecimentos idênticos aos precedentes. O estoicismo foi criado por Zenão de Cício, na cidade de Atenas, cerca de 300 a.C.. Os estoicos defendem a austeridade na virtude, o desprezo por todos os tipos de sentimentos externos, como a paixão e os desejos extremos e foi recuperado pelo cristianismo que afirmava e afirma que só "através da aceitação do destino e da renúncia às paixões, pelo que o homem deverá destacar-se pela indiferença face à dor e pela firmeza de ânimo perante os males e as agruras da vida”. Enfim, mais ou menos a apologia da austeridade aos níveis das agruras pessoais e bens materiais.

Não vou aqui dissertar sobre temas filosóficos, mas isto vem a propósito do que tem vindo a ser noticiado e comentado após a calma das emoções geradas pelos resultados das eleições autárquica. Interpretações que têm emanado dos comentadores políticos e fazedores de opinião, quais oráculos do tipo Pítias, sobre o futuro político, quer em relação ao partido dito perdedor, quer em relação ao partido dito ganhador oriundos da comunicação social.

Com é sabido, Carlos Moedas ganhou Lisboa, mas teve ao seu lado durante a campanha elementos que estiveram também em tempo ao lado de Passos Coelho. Moedas foi, e ainda é, um animado adepto saudosista das políticas de Passos, assim como os que o ajudaram na campanha como é o caso de Sofia Galvão, Miguel Morgado, João Marques de Almeida, António Leitão Amaro não são dedicados "passistas”.

Moedas integrou o XIX Governo Constitucional e que fez parte do Executivo durante a maior parte do seu período de vigência. Era considerado o braço-direito do anterior primeiro-ministro, facto que o colocou em destaque nas relações entre o governo português e os responsáveis da troika. Mais recentemente, a 30 de julho, Carlos Moedas, numa entrevista ao semanário NOVO, afirmou que “gostava de ver outra vez Passos Coelho num lugar de destaque". Segundo o semanário a frase é suficientemente ampla para nela caberem várias hipóteses, mas a “admiração” é indisfarçável.

Este enquadramento serve como justificação para o título do artigo e para alerta de que o retorno da direita passista ao poder pode vir a ser mais real do que virtual, caso Rui Rio não se candidate novamente à liderança do PSD ou se se candidatar não ganhar. Se assim for é certo que o poder do PSD fica novamente na mão dos neoliberais de Passos Coelho numa campanha a fazerem-se passar por sociais-democratas. Aliás, hoje o semanário Expresso publica um artigo de opinião do senhor de má memória que dá pelo nome de Cavaco Silva que o comprova: Cavaco diz que Governo de Costa “não foi capaz” de aproveitar as condições herdadas de Passos, (!?) e critica também os adversários do Governo, denunciando uma “oposição política débil e sem rumo, desprovida de uma estratégia consistente”.

Cavaco.png

Começo por mencionar as minhas impressões sobre os comentários que se teceram e tecem em catadupa nos órgãos de comunicação social sobre o primeiro-ministro António Costa, o Governo, o PSD e Rui Rio durante a campanha eleitoral para as autárquicas e após as eleições.

António Costa desde que esteve na presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e, tendo em conta as notícias que, entretanto, foram surgindo nos órgãos de comunicação e a que alguns socialistas chamam casos e casinhos, fica-se com a ideia de que o Governo, e sobretudo alguns ministros, entraram em roda livre, mesmo depois de junho quando do seu regresso. A coisa que já vinha de antes parece que piorou. Os casos que iam surgindo como sendo de casos e casinhos sucederam outros que o são de facto. Não é certo que algumas perdas nas autárquicas não tenham contribuído também para esses factos.

Chegado até aqui penso que António Costa deve começar a ter algum cuidado e prestar mais atenção e observar mais tudo quanto o rodeia. Ouvir neste caso não significa executar o que outros acham que deveria fazer, mas descobrir estratégias para o futuro próximo. Analisemos agora, com algum cuidado, os mais recentes comentários sobre António Costa e o seu Governo e também os comentários sobre a sucessão, ou não, de Rui Rio no PSD levantados após as eleições autárquicas. 

Quanto a António Costa e sem qualquer ordem cronológica detenho-me em algumas das afirmações que são sistematicamente repetidas nos comentários mais ou menos proféticos como a insistência na fragilidade do Governo após as eleições; remodelação do governo a ser feita após aprovação do orçamento (a única que poderá ter algum fundamento); perda de autoridade do primeiro-ministro; fadiga em relação ao Governo; o Governo está muito mais fraco após as eleições; a inversão da tendência política em Portugal; a semana tal foi um desastre para o Governo.

A somar a estes sinais amargos, as semanas a seguir às autárquicas foram um desastre para o Governo. Pedro Nuno Santos verbalizou — da forma mais bruta possível — tudo o que o opõe ao ministro das Finanças, a quem culpa pelo afastamento do presidente da CP. O descontentamento com João Leão será alargado a outros ministérios, como escreve o Expresso, mas a declaração do ministro das infraestruturas abriu a caixa de Pandora. Dificilmente os dois poderão coexistir num próximo Governo e vai ser interessante ver como se desfaz este novelo. Para somar à semana desgraçada, o ministro da Defesa decidiu aproveitar politicamente o fim do mandato do vice-almirante, louvado quase unanimemente pelo sucesso das vacinas, para despachar o Chefe de Estado-Maior da Armada e colocar Gouveia e Melo no posto.

Daqui as primeiras mexidas consequentes saídas da primeira reunião da direção socialista neste sábado que elegeu os dirigentes que integrarão a comissão política, o secretariado e a comissão permanente do PS

Quanto ao PSD e a Rui Rio parecer ser evidente a exploração jornalística de um dito “combate” dentro do PSD, que é o de “se concentrar naquele que é o combate maior que terá pela frente, que é o de se constituir como verdadeira alternativa ao Governo do Partido Socialista” como afirmou numa entrevista de Montenegro falando das rivalidades internas no partido, afastando-se estrategicamente dessas guerras. Faz-se de bom da fita, por agora, para depois atacar os despojos. Rio não está em condições de ser "alternativa sólida" ao PS. Acrescentou ainda que não pretende pôr-se já a caminho porque acha que o PSD ainda não está na hora de ganhar eleições e porque não acredita que o PSD sendo com Rui Rio ou sendo com Paulo Rangel não tem tempo de recuperar e renascer das perdas eleitorais.

Infeliz, à sua maneira, também está o PSD. A vitória de Lisboa e de Coimbra e o aumento total de câmaras deram a Rui Rio um sopro de vida, mas o combate interno intensifica-se — enquanto o PS sonha que Rio se mantenha no cargo. Com o PSD em convulsão, se Paulo Rangel conseguir ganhar as diretas a situação política muda: o curriculum de Rangel faz prever um PSD mais combativo, numa altura em que o PS ainda se encontra no cimo da colina, mas vai escorregando.

A proposição de que basta repetir uma mentira para que ela se torne verdade, uma das regras básicas da propaganda política, pode aplicar-se também num propósito de formulações hipotéticas, opiniões e suposições que sucessivamente se repetem mesmo que não sejam mentiras. Se se repetir uma ideia que não sendo mentira pode ser potencialmente uma verdade, ou seja, algo não verificado ainda, a sua repetição passada pelos “fazedores” da opinião pública pode ser vista como sendo uma verdade, embora não o seja ainda. É a chamada a ilusão da verdade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28

Pela Avenida Almirante Reis ida e volta

por Manuel_AR, em 02.10.21

Lisboa-passeio.png

Tenho por hábito fazer caminhadas pelas ruas da área central da cidade Lisboa, hábito entretanto interrompido voluntariamente devido ao confinamento que me limitou ao espaço limítrofe da minha residência.

Hoje iniciei a minha dependência de exercício físico moderado que também me desperta os sentidos para a observação de lugares e pessoas que de movem pelos espaços da minha caminhada.

O trajeto definido para hoje foi a descida de toda a Av. Almirante Reis tendo como objetivo Martim Moniz, Largo de São Domingos, Rossio com regresso pelos mesmo trajeto.

Durante este meu périplo tive a oportunidade para estar atento a mudanças que se terão dado desde há quase dois anos. A atividade e o fluxo ininterrupto de pessoas pareceram-me terem recuperado para os de antes da pandemia.

As ciclovias descendente e ascendente lá estavam, lindas, pintadas a verdezinho, como Medina as sonhou, o que prova que Lisboa é uma cidade com sustentabilidade ambiental dada apenas pelo verde das ciclovias que agora Moedas quer eliminar.

Ambulâncias desciam a avenida com as sirenes a gritar para os veículos automóveis se encostarem à direita da via cujo espaço era diminuto o que as obrigou a invadir o espaço das ciclovias para poderem rapidamente progredir em direção ao ponto de socorro, suponho, do Hospital de São José.

Durante todo o meu trajeto de descida da Avenida tive oportunidade de contar os velocípedes que a desceram ou subiram por aquelas verdes ciclovias. Pasmem-se: quatro. Sim, quatro que subiam e não dei por algo que descesse. Podem perguntar durante quanto tempo. Foi o tempo que, ao meu passo de passeio, demorei a descer aquela via, ou seja, cerca de meia hora até ao Martim Moniz.  Em trinta minutos subiram aquela artéria quatro utilizadores de bicicletas, em oito horas de trabalho passariam teoricamente sessenta.

Talvez Fernando Medina me dissesse que não tenho visão de futuro porque daqui a 100 anos passarão a ser muitas mais. Temos é que acabar com os automóveis na cidade para ela ficar mais verde, exaltaria. Temos que pôr todos a andar de bicicleta, mesmo quem não saiba nem possa pedalar, crianças, homens, mulheres, idosos e idosas, doentes para irem a uma consulta hospitalar. Pois então! É assim que uma cidade fica menos poluída. Não é como esse Moedas que pretende trazer ainda mais automóveis para dentro da cidade com a promoção de preços baixos para estacionamento.

Apenas por curiosidade, Lisboa, nos censos de 2020, tem uma população dos 15-64 anos de 280124 pessoas e com 65 e mais anos apresenta 143990 pessoas, mais de metade da considerada em idade ativa (Fonte INE).   

Mas voltemos ao meu circuito. Ao chegar à Praça de Figueira deparei-me com um cenário próximo do pré-covid-19, turistas estrangeiros por todo o lado que espreitavam as ementas colocadas à porta dos restaurantes populares e baratuchos, pois os que agora para aqui viajam aparentam ser de classe média baixa e, sobretudo, mais jovens. O centro de Lisboa voltou a ser um “espaço turistificado”, desordenado. Entenda-se por turistificação, segundo alguns geógrafos, uma paisagem que pode apresentar-se destruída em decorrência do uso turístico ou da especulação imobiliária, e, para outros, especialmente os que não conheceram a paisagem antes pode ter outro valor, que gere atratividade e mereça destaque.

A articulação entre Câmara e o Governo, pode direcionar o planeamento da cidade dando prioridade a novas procuras do espaço urbano de sobrevalorizando o atendimento turístico, deixando para segundo plano os interesses da população local.

Terá sido Medina o responsável? De qualquer modo bem-vindos a Lisboa da covid (ou ex-covid?), do turismo e das bicicletas e do salve-se quem puder. Sim, das bicicletas! Como assim?

Lisboa-Sao Domingos.png

Da Praça da Figueira dirigi-me para o largo de S. Domingos onde a Igreja do mesmo nome, arquitetura religiosa barroca, muito visitada depois do violento incêndio que quase a dizimou a 13 de agosto de 1959, mas onde ainda se podem ver as colunas corroídas pelo calor que as calcinou.

Acedi ao largo através do percurso pedestre que liga a Praça da Figueira ao referido largo pela Rua Dom Antão Vaz de Almada. Qual o meu espanto e perplexidade quando me deparo com um grupo excursionistas de mais de uma dúzia de bicicletas que transportavam estrageiros que ocupavam a maior parte do espaço pedonal e que se dirigiam em direção à referida Praça atrás de outro velocípede pedalado por um sujeito de calção e capacete que me pareceu ser o guia. Pedalavam equilibrando-se nas duas rodas sem qualquer respeito pelos peões que naquele momento se deslocavam no passeio que deveria ser apenas a eles destinado, mas que eram obrigados a desviarem-se. Pensei: bem visto ó Medina! Mas olha que eu, mesmo assim, votei em ti.

Não, Fernando Medina não perdeu por causa das bicicletas e das trotinetas em desmando pela cidade, mas ajudaram. A sustentabilidade das cidades não se faz com as bicicletas e com as trotinetas e com ciclovias pintadas de verde não, não vão salvar a cidade nem o planeta. Evitar e reduzir automóveis nas cidades é uma coisa, substituí-los por outros preferencialmente e sem critério, de costas viradas para a maioria dos cidadãos, é outra.

Era a hora de regressar seguindo o itinerário no sentido inverso, desta vez em direção a norte pelo passeio da direita, felizmente que ainda os há, mesmo que bicicletas driblando perigando peões que se passeiam pelo piso da calçada portuguesa.

O troço de Martim Moniz pela Avenida antigamente denominada Avenida D. Amélia que após a revolução republicana de 1910 mudou para a denominação atual até ao denominado Bairro das Colónias é acompanhada pela muda de gentes que se deslocam para cima e para baixo com predominância das provenientes da Ásia que se começam a sobrepor-se aos africanos que nas últimas décadas dominavam e que deverão ter escolhido novos lugares.

Estes asiáticos – chineses, paquistaneses, indianos, bangladeshianos, nepaleses - são imigrantes que vieram substituir a mão-de-obra que nega trabalho em algumas áreas e no pequeno comércio variado que dá ao português muita preocupação e pouco rendimento. Contrariamente aos que grupos racistas e nacionalistas da extrema-direita nacionalistas e neonazis que dizem que esses vieram tirar o trabalho aos autóctones, numa inversão propositada do problema. A falta de mão de obra em alguns serviços, deve-se aos autóctones que não querem trabalhar nesses serviços.  

Já próximo da Praça do Chile e passando pela Rua Morais Soares pareceu-me que tinha ultrapassado fronteiras encontrando-me nos espaços de Katmandu e de Daca a estes imensos brasileiros.

Ao regressar a casa chegou-me à memória Margarida Martins agora ex-Presidente da Junta de Freguesia resultante da agregação das antigas freguesias de São Jorge de Arroios e Pena e com a quase totalidade do território da antiga freguesia dos Anjos que terá observado, não me lembro em que circunstâncias nem em que lugar, que Arroios era a freguesia mais multicultural de Lisboa.

A propósito, em fevereiro de 2019, o Jornal de Notícias escrevia que “Passear pelo Largo do Intendente, ou Avenida Almirante Reis ilustra esta realidade. As esplanadas e os restaurantes são autênticas Torres de Babel, com clientes de todo o mundo sentados, lado a lado. A isto junta-se a diversidade de lojas, de templos religiosos e aromas que, por si só, nos transportam para outras paragens do Mundo.

Orgulhosa desta diversidade, Margarida Martins, a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, atribui esta fraternidade à aposta na integração logo a partir dos bancos da creche. "Na maioria dos casos, há 24 nacionalidades de meninos que crescem juntos. Habituam-se a ver-se como iguais, convivendo com as diferenças, onde a língua portuguesa é sempre o elo de ligação", explicava.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:15


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.